Avaliação da Fiocruz não recomendou proibição do glifosato


Agronegócio

Avaliação da Fiocruz não recomendou proibição do glifosato

Laboratório foi contratado pela Anvisa
Por: -Leonardo Gottems
3085 acessos

Contratada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para a reavaliação toxicológica do glifosato, a Fiocruz não recomendou sua proibição. É o que aponta o comunicado oficial emitido pelo órgão de fiscalização divulgado em função da classificação negativa da substância por parte da Iarc (Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer).


“A Resolução RDC n° 10, de 22 de fevereiro de 2008, determinou a reavaliação toxicológica dos produtos técnicos e formulados à base do ingrediente ativo glifosato, entre outros. A norma baseou-se na larga utilização do produto no Brasil, nos relatos de casos de intoxicação ocupacional e acidental, na solicitação de revisão da dose estabelecida para a Ingestão Diária Aceitável (IDA) por parte de empresa registrante, na necessidade de controle de limite máximo de impurezas presentes no produto técnico e nos possíveis efeitos toxicológicos adversos”, explica a Anvisa.


“Para o prosseguimento da reavaliação do glifosato e dos demais agrotóxicos cuja reavaliação está prevista na RDC, a Anvisa firmou um contrato com a Fiocruz. A instituição ficou responsável pela elaboração das notas técnicas para cada um dos ingredientes ativos, as quais devem ser revisadas pelo corpo técnico da Anvisa antes de serem publicadas. Na análise dessas notas técnicas pela Anvisa, foram observadas necessidades de revisão e, desta forma, estabeleceu-se uma ordem de análise dessas notas técnicas, de acordo com os indícios de toxicidade apontados pela Fiocruz”, prossegue a Agência.


No entanto, “a conclusão da reavaliação do glifosato não foi considerada prioritária pela Anvisa, considerando-se que, ao contrário do que ocorreu com outros ingredientes ativos, a Fiocruz não indicou seu banimento. A Fundação conclui somente que as evidências de mutagenicidade, carcinogenicidade e desregulação endócrina deste ingrediente ativo eram insuficientes e indicando a necessidade de novos estudos”.


Saiba mais: Anvisa vai reavaliar uso do glifosato no Brasil

E ainda: 4 agroquímicos classificados como cancerígenos possuem registro no Brasil
 

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink