O conteúdo solicitado não foi encontrado

Ferrugem da folha

(Puccinia coronata var. avenae)

Culturas Afetadas: Aveia

A ferrugem da folha é a enfermidade mais importante da cultura, ocorrendo em todas as regiões onde este cereal é cultivado. Cultivares suscetíveis têm seus rendimentos severamente afetados, necessitando do uso sistemático de fungicidas, o que pode proporcionar acréscimos superiores a 2.000 kg ha-¹ na produção. Em razão da alta variabilidade e especialização fisiológica do patógeno, a resistência dos cultivares não tem sido duradoura, motivo pelo qual um processo contínuo de seleção e melhoramento vem sendo realizado no Brasil e no exterior.

Danos: As pústulas, inicialmente amareladas, desenvolvem-se principalmente nas folhas, podendo também aparecer nas bainhas e panículas. Tais pústulas são pequenas, ovais e isoladas, que expõem uma massa alaranjada de uredósporos, os sinais do patógeno. A medida que finda o ciclo da cultura, aparecem pústulas mais escuras que permanecem cobertas pela epiderme. Dentro destas, desenvolvem-se teliósporos bicelulares e escuros. A ferrugem da folha se diferencia da ferrugem do colmo por apresentar pústulas menores amarelo-claras e ausência de tecidos epidermais levantados ao redor destas.

Controle: Os cultivares resistentes têm sido pouco efetivos, uma vez que a resistência é governada por poucos genes e pode ser facilmente vencida pelo patógeno. Por esta razão, são necessários levantamentos das raças prevalecentes para orientar os programas de seleção. Até 1969, 27 raças já haviam sido descritas no RS, sendo mais freqüente a 263. Recentemente, estes estudos foram recomeçados, utilizando uma série diferencial composta de linhagens e cultivares adaptados às nossas condições. A eliminação de plantas voluntárias infectadas, muito comuns durante o verão, também é recomendada, embora não seja medida que, isoladamente, resolva o problema.

O controle químico é bastante empregado nas lavouras destinadas à produção de grãos e sementes, destacando-se os fungicidas triadimefon, triadimenol, propiconazole e tebuconazole. Técnica e economicamente, os melhores resultados são obtidos com duas aplicações, a primeira no aparecimento dos primeiros sinais (0 a 5% de severidade) e a segunda aproximadamente 20 dias após.

Deslize o dedo na tabela abaixo para movê-la horizontalmente
Mostrando 1 até 12 de 51