Bula Amistar 500 WG

acessos
Azoxistrobina
2398
Syngenta

Composição

Azoxistrobina 500 g/kg Estrobilurina

Classificação

Fungicida
IV - Pouco tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Sistêmico
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
80 a 160 g p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha - Realizar 2 a 3 aplicações com intervalos de 7 dias. 7 dias Aplicação preventiva: aplicar antes do início dos primeiros sintomas da doença e repetir as aplicações semanalmente. Aplicação curativa: Aplicar quando se constataro aparecimento dos primeiros sintomas da doença
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
120 g p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha - Realizar 3 aplicações espaçadas de 15 dias (desenvolvimento vegetativo; início de florescimento e formação de vagens). 7 dias Iniciar as aplicações preventivamente aos 20 e 30 dias após a emergência da cultura
Ferrugem
(Uromyces appendiculatus)
80 a 120 g p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha - Realizar 3 aplicações espaçadas de 15 dias (desenvolvimento vegetativo; início de florescimento e formação de vagens). 7 dias Iniciar as aplicações preventivamente aos 20 e 30 dias após a emergência da cultura
Mancha angular
(Phaeoisariopsis griseola)
80 a 120 g p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha - Realizar 3 aplicações espaçadas de 15 dias (desenvolvimento vegetativo; início de florescimento e formação de vagens). 7 dias Iniciar as aplicações preventivamente aos 20 e 30 dias após a emergência da cultura
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
80 a 160 g p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha - Realizar 2 a 3 aplicações com intervalos de 7 dias. 3 dias Aplicação preventiva: aplicar antes do início dos primeiros sintomas da doença e repetir as aplicações semanalmente. Aplicação curativa: Aplicar quando se constataro aparecimento dos primeiros sintomas da doença

Frascos PEAD: 0,1 Kg, 0,25 Kg, 0,5 Kg, 1,0 Kg e 3,0 Kg.

INSTRUÇÕES DE USO: AMISTAR é um fungicida sistêmico, com atividade preventiva, curativa e anti-esporulante, usado em pulverização para controle das doenças da parte aérea das culturas do feijão, batata, tomate.

INDICAÇÃO: CULTURAS, DOENÇAS CONTROLADAS E DOSES DE APLICAÇÃO:

TOMATE E BATATA: Alternaria solani, 8 g/ 100 l d'água. Preventiva: aplicar antes do início dos primeiros sintomas da doença e repetir as aplicações semanalmente. 16 g/ 100 l d'água. Curativa: aplicar quando se constatar o aparecimento dos primeiros sintomas da doença, realizando de 2 a 3 aplicações espaçadas de 7 dias. Aplicações repetidas semanalmente devem ser feitas com alternância a cada aplicação com fungicidas de outro(s) grupo(s) químico(s). Após estas aplicações curativas, retornar às aplicações de doses preventivas.

FEIJÃO: Iniciar as aplicações preventivamente aos 20 a 30 dias após a emergência da cultura. Realizar as aplicações a cada 7-14 dias. Fazer alternância com fungicidas de outro(s) grupo(s) químico(s), caso sejam feitas quatro ou mais aplicações. Utilizar a dose mais alta em condições favoráveis ao desenvolvimento da doença. Juntamente com as diferentes embalagens do AMISTAR poderá ser encontrado um dosador de 100 g ou de 500 g (neste caso, o dosador é a própria tampa da embalagem de 500 g), cujas medidas, em gramas, são aproximadas. Este dosador auxiliará o usuário na dosagem do produto, através de escala de dosagens.

OBS: BATATA E TOMATE: Devido ao grande número de aplicações necessárias e utilizadas nas culturas de batata e tomate, incluir o produto AMISTAR em programas de aplicação com outros fungicidas. Realizar no máximo 8 aplicações por safra, em baterias de 1 a 2 aplicações de AMISTAR, que deverão ser interrompidas com 1 a 2 aplicações de outros fungicidas com diferente modo de ação.

FORMA DE APLICAÇÃO E EQUIPAMENTOS A SEREM USADOS: Aplicar AMISTAR nas dosagens recomendadas, diluído em água, conforme o tipo de aplicação: Batata e Tomate: utilizar vazões de 600 a 1200 litros de água/ha dependendo do desenvolvimento vegetativo da cultura. Assegurar uma boa cobertura foliar com gotas de pulverização. Feijão: utilizar vazões de 100 a 300 l de água/ha. Assegurar uma boa cobertura foliar com gotas de pulverização.

PULVERIZAÇÃO TERRESTRE: Para aplicações com equipamentos tratorizados e costais nessas culturas e nas outras hortaliças e frutas acima listados, procurar obter uma cobertura boa e uniforme na parte aérea da cultura, utilizando bicos adequados. Recomenda-se aplicar com temperatura inferior a 27 °C, com umidade relativa acima de 60% e ventos de no máximo 10 km/hora. Se utilizar outro tipo de equipamento, procurar obter uma cobertura uniforme na parte aérea da cultura.

LIMITAÇÕES DE USO: Desde que sejam seguidas as recomendações de uso, não ocorre fitotoxicidade para as culturas.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Batata: 07 dias. Feijão: 07 dias. Tomate: 03.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Pessoas sem equipamentos de proteção individual (EPI´s) somente deverão entrar nas áreas tratadas após a completa secagem da calda de pulverização.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamentos com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: USE PROTETOR OCULAR. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha, máscara facial, macacão com mangas compridas e chapéu de aba larga.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, luvas e botas durante a aplicação.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave bem suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Não provoque vômito e procure logo o médico levando embalagem, rótulo ou bula do produto. Olhos: Lave-os com água em abundância e, se houver irritação, procure o médico, levando a embalagem, rótulo ou bula do produto. Pele: Lave com água e sabão em abundância e, se houver irritação procure o médico, levando a embalagem, rótulo ou bula do produto. Inalação: Procure local arejado e, se houver irritação ou dificuldade respiratória, procure o médico.

ANTÍDOTO: Não há antídoto específico.

TRATAMENTO MÉDICO SINTOMÁTICO. Tratamento médico: Se for necessária a lavagem gástrica ou intestinal, deve se impedir a inalação do conteúdo gástrico, principalmente se o paciente estiver inconsciente. Tratamento sintomático.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: Em testes com animais, o produto é de excreção relativamente fácil por urina e fezes. Não existe acúmulo nos tecidos.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: DL50 aguda oral para ratos, da formulação > 5.000 mg/Kg. DL50 aguda dérmica para ratos, da formulação > 2.000 mg/Kg.

EFEITOS COLATERAIS: Não há notificação de efeitos colaterais para o homem.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE: PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III). Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Isole e sinalize a área contaminada. Contate as autoridades locais competentes e a empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Em caso de derrame, siga as instruções abaixo: Em caso de ocorrência de ventos fortes ou chuva e ausência de fogo, cobrir o produto espalhado/derramado com lona plástica ou encerrado. Cercar com dique de terra, areia ou outro material disponível no momento.

Piso pavimentado: Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. O produto derramado não deverá ser mais utilizado. Neste caso, contate a empresa ou, o distribuidor ou qualquer representante da empresa na região. O produto deverá ser desativado em incinerador apropriado e aprovado pelas autoridades competentes. Lave o local com grande quantidade de água;

Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adote os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada;

Corpos d'água: Interrompa imediatamente o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINO FINAL DE EMBALAGENS E SOBRAS DO PRODUTO: As embalagens rígidas devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens. As embalagens rígidas devem ser perfuradas, de maneira a torná-las inadequadas para outros usos. (Obs: exceto em caso de existência do recolhimento das mesmas pela empresa). Observar legislações Estadual e Municipal específicas. Fica proibido enterrar de embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente. A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação e aprovado pelo órgão estadual responsável, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes.

Incluir outros métodos de controle de pragas dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças, quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Esistência à Fungicida (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
-qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno,no ciclo da cultura;
-utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula;
-sempre consultar um Profissional legalmente habilitado para orientação sobre as recomendaçoes locais para o manejo da resistência.

Compatibilidade

Incompatível com óleos em geral.