Bula Dynasty - Syngenta
CME MILHO (SET/20) US$ 3,126 (-24,67%)
| Dólar (compra) R$ 5,35 (0,71%)

Bula Dynasty

Azoxistrobina; Metalaxil-M; Fludioxonil
7208
Syngenta

Composição

Metalaxil-M 37,5 g/L
Fludioxonil 12,5 g/L
Azoxistrobina 75 g/L

Classificação

Tratamento de Sementes
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada para Tratamento de Sementes (FS)
Sistêmico, Contato

Frasco plástico: 0,25; 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5 e 3 L.

Bombona plástico: 5, 6, 10, 20, 25 e 50 L.

Bulks aço / ferro / plástico: 1.000, 5.000, 10.000 e 20.000 L.

Farm-pack plástico: 420 e 1.000 L.

Tambor aço / ferro / plástico: 160, 180, 200 e 220 L.

Tanque aço / ferro / plástico: 1.000, 5.000, 10.000 e 20.000 L.

INSTRUÇÕES DE USO

Uma harmoniosa combinação de ingredientes ativos garante a DYNASTY um excelente espectro de ação, pois Fludioxonil e Azoxystrobina controlam uma ampla gama de fungos de diversas classes, enquanto Metalaxil-M é um produto específico para o controle dos oomicetos, organismos de difícil controle.
Fludioxonil é uma ferramenta importante na rotação de modos de ação preconizada como ferramenta de manejo anti-resistência dos patógenos que inibe a síntese de enzimas do grupo das quinases, comprometendo as funções da membrana celular dos fungos, tem ainda forte ação na germinação dos esporos e na penetração de tubos germinativos.
Mefenoxam inibe a biossíntese do RNA, provocando a parada da produção de enzimas, proteína e demais compostos do metabolismo da célula fúngica, é ainda um potente inibidor do crescimento micelial e da esporulação, possuindo notável atividade curativa.
Azoxistrobina inibe o transporte de elétrons durante o processo de respiração mitocondrial, ligando-se ao complexo citocromo bc1, tem ação pronunciada sobre as primeiras fases da colonização dos hospedeiros pelos patógenos: germinação de esporos e penetração de tubos germinativos.

MODO E EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

ALGODÃO:
Diluir o DYNASTY em um volume de água suficiente para proporcionar a distribuição uniforme do produto nas sementes, em seguida, aplicar esta calda sobre as sementes a serem tratadas. Em geral, considera-se 500 mL de água/100 kg de sementes um bom volume para proporcionar a adequada distribuição do produto, sem aumentar em demasia o teor de umidade das sementes.
Observações quanto aos equipamentos para o tratamento de sementes:
• Tambores rotativos, Máquinas Amazone trans-mix e Betoneiras: colocar uma quantidade de sementes com peso conhecido no interior do equipamento de tratamento e adicionar a dose indicada do produto, agitando até se obter a perfeita cobertura das sementes. O tempo de mistura (agitação) é variável, em função de cada equipamento e da quantidade de sementes e deve ser suficiente para que todo o produto cubra uniformemente as sementes. Atentar para que no final do tratamento não haja sobra de produto no fundo do equipamento utilizado.
• Máquinas específicas com fluxo contínuo de sementes: o tratamento de sementes pode ser realizado com diversos modelos de máquinas que operam com fluxo contínuo de sementes, tais como, Foresti, MecMac, Grasmec, Momesso, Gustafson, Mantis, Niklas, entre outras. Observar cuidados especiais com a manutenção, regulagem e limpeza das unidades dosadoras de produtos, principalmente com formulações viscosas, pois restos secos de produtos nessas unidades, podem reduzir a capacidade de volume, interferindo na dosagem.
Recomendações quanto à utilização e armazenamento das sementes tratadas:
• Para o armazenamento das sementes tratadas, utilize somente sacos de papel.
• Não deixe as sementes tratadas expostas ao sol.
• Sempre regule e afira a semeadeira com as sementes já tratadas.
• As semeadeiras devem ser limpas periodicamente para evitar o acúmulo de resíduos nas paredes e engrenagens das mesmas. A falta desta manutenção pode alterar o fluxo das sementes na semeadura e mesmo provocar bloqueio do equipamento.
Cana-de-açúcar (Propágulos Vegetativos):
Aplicação através de tratamento industrial, pela empresa registrante, de propágulos vegetativos (mudas), antes do plantio na cultura de cana-de-açúcar. É VEDADA QUALQUER OUTRA MODALIDADE DE USO.

INTERVALO DE SEGURANÇA (período de tempo que deverá transcorrer entre a última aplicação e a colheita)

Algodão: Não especificado devido à modalidade de emprego (tratamento de sementes)
Cana-de-açúcar: Não especificado devido à modalidade de emprego (tratamento de propágulos vegetativos - mudas)

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não há intervalo de reentrada devido à modalidade de emprego.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade para as culturas indicadas:
A formulação do DYNASTY foi especialmente desenvolvida para o tratamento de sementes e tratamento industrial de propágulos vegetativos (mudas de cana-de-açúcar).
O produto não apresenta qualquer efeito fitotóxico nas culturas e nas doses recomendadas.
Utilize este produto de acordo com as recomendações em rótulo e bula. Esta é uma ação importante para obter resíduos dentro dos limites permitidos no Brasil (referência: monografia da ANVISA). No caso de o produto ser utilizado em uma cultura de exportação, verifique, antes de usar, os níveis máximos de resíduos aceitos no país de destino para as culturas tratadas com este produto, uma vez que eles podem ser diferentes dos valores permitidos no Brasil ou não terem sido estabelecidos. Em caso de dúvida, consulte o seu exportador e/ou importador.
ATENÇÃO: as sementes tratadas com DYNASTY não devem ser usadas para alimentação humana, animal ou para fins industriais.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.
O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRACBR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
• Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos.
• Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula.
• Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. Resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.