Bula EnlistDuo Colex-D

acessos
2,4-D Sal de Colina + Glifosato
16617
Dow AgroSciences

Composição

2,4-D Sal de Colina 285.92 g/L Ácido ariloxialcanóico
Equivalente ácido de 2,4-D 195 g/L Ácido ariloxialcanóico
Equivalente ácido de N-(fosfonometil) glicina - Glifosato 205 g/L Glicina Substituída
Glifosato - Sal de Dimetilamina 259.66 g/L Glicina Substituída

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Sistêmico

Milho - Geneticamente Modificado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amarantus
(Amaranthus palmeri)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Apaga fogo
(Alternanthera tenella)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Beldroega
(Portulaca oleracea)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Buva
(Conyza bonariensis)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim colonião
(Panicum maximum)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Caruru gigante
(Amaranthus retroflexus)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Erva de santa luzia
(Euphorbia hirta)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Joá de capote
(Nicandra physaloides)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Soja
(Glycine max)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 90 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Soja - Geneticamente Modificada Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amarantus
(Amaranthus palmeri)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Apaga fogo
(Alternanthera tenella)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Beldroega
(Portulaca oleracea)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Buva
(Conyza bonariensis)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim colonião
(Panicum maximum)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Caruru gigante
(Amaranthus retroflexus)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Erva de santa luzia
(Euphorbia hirta)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Joá de capote
(Nicandra physaloides)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
2 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Soja
(Glycine max)
3 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1 a 6 L p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência da planta daninha, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação

Tipo: Bag in box
Material: Fibra de papel com bolsa plástica interna
Capacidade: 1,0; 4,0; 5,0; 10; 15; 20; 25; 30; 35; 50 L.

Tipo: Balde
Material: Metálico/Plástico
Capacidade: 1,0; 4,0; 5,0; 10; 15; 20; 25; 30; 35; 50 L.

Tipo: Bombona
Material: Plástico
Capacidade: 4,0; 5,0; 10; 15; 20; 25; 30; 35; 50; 60 L.

Tipo: Bulk
Material: Metálico/Plástico
Capacidade: 420; 1.000 L.

Tipo: Container
Material: Plástico com estrutura metálica
Capacidade: 1.000; 1.200 L.

Tipo: Frasco
Material: Metálico/Plástico
Capacidade: 0,5; 1,0; 4,0 L.

Tipo: Tambor
Material: Metálico/Plástico
Capacidade: 100; 200; 210; 220; 250 L.

INSTRUÇÕES DE USO:
Recomenda-se Enlistduo para o controle em pós-emergência de plantas daninhas nas seguintes culturas e situações:
Em área total, em pré-semeadura/pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas danhinhas, no sistema plantio direto, para o manejo de dessecação para cultivo de milho e soja geneticamente modificados resistentes ao 2,4 D e glifosato.
Em pós-emergência das plantas daninhas e das culturas do milho e soja resistentes ao 2,4 D e glifosato, em aplicação única ou sequencial, dependendo do alvo.

CULTURAS: Milho e Soja geneticamente modificados resistente ao 2,4 D e glifosato.

PLANTAS INFESTANTES E DOSES:
Vide Bula e Indicações de Uso/Doses.

A variação nas doses de recomendação depende do estádio de desenvolvimento das plantas daninhas e de condições ambientais. Menores doses são recomendadas para as plantas daninhas em estádios iniciais de desenvolvimento (2 a 4 folhas) e condições ambientais favoráveis e maiores doses para plantas daninhas em estádios avançados de desenvolvimento (maior que 4 folhas), perenizadas ou em condições ambientais desfavoráveis.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
EnlistDuo deve ser aplicado em pós-emergência das plantas daninhas quando em desenvolvimento vegetativo e sem estresse hídrico. Os melhores níveis de controle são atingidos quando aplicado entre o início do desenvolvimento e o florescimento para espécies anuais e perenes.
O número de aplicações dependerá da modalidade de uso, sendo em geral, necessária apenas uma aplicação para a eliminação das plantas daninhas em estádios iniciais de desenvolvimento (2 a 4 folhas).
EnlistDuo não apresenta efeito residual no solo para plantas daninhas, sendo assim, recomenda-se repetir a operação no momento que houver novos fluxos de plantas daninhas, ou quando julga-se necessário.

Dessecação de Milho e Sola qeneticamente modificado resistente ao 2,4-D e qlifosato.
EnlistDuo pode ser utilizado em aplicações sequenciais, em plantio direto, antes do plantio da cultura da soja ou milho, não excedendo a dose máxima recomendada em aplicação única. Utilizar a maior dose na primeira aplicação, a qual deve ser realizada em torno de 20 a 30 dias antes da segunda. Esta operação favorece o controle das plantas daninhas bem como o preparo e plantio da área. Recomenda-se utilizar no máximo duas aplicações em dessecação.
Milho qeneticamente modificado resistente ao 2,4-D e qlifosato.
Para o milho geneticamente modificado tolerante ao 2,4-O e glifosato, recomenda-se aplicar entre a segunda e a quarta follha verdadeira da planta, ou aproximadamente, 10 a 25 dias após a emergência da mesma. Caso o fluxo de emergência das plantas daninhas seja elevado e constante, pode-se fazer uma aplicação sequencial entre a segunda e a terceira semana após a primeira aplicação. Recomenda-se utilizar no máximo duas aplicações em pós-emergência da cultura.

Soja geneticamente modificada resistente ao 2,4-O e glifosato
Para a soja geneticamente modificada tolerante ao 2,4-D e glifosato, recomenda-se aplicar entre o segundo e o quatro trifólio da planta; ou aproximadamente, 10 a 25 dias após a emergência da mesma. Caso o fluxo de emergência das plantas daninhas seja elevado e constante, pode-se fazer uma aplicação sequêncial entre a segunda e a terceira semana após a primeira aplicação. Recomenda-se utilizar no máximo duas aplicações em pós-emergência da cultura.
EniistDuo não apresenta efeito residual no solo para plantas daninhas, sendo assim, para todas as modalidades de uso, recomenda-se repetir a operação no momento que houver novos fluxos de plantas daninhas, ou quando julgar-se necessário.

MODO DE APLICAÇÃO:
Diluir a dose de EnlistDuo indicada para cada situação em água e pulverizar em área total sobre as espécies de plantas daninhas a serem controladas. A aplicação poderá ser feita utilizando-se equipamentos terrestres tratorizados ou propelidos a CO2.

APLICAÇÃO TERRESTRE:
Pontas de pulverização: Utilizar pontas modelo tipo jato plano, com tamanho médio de gotas entre 218 e 428 micras ou volume de diâmetro médio (VMD).
Número de pontas na barra: Utilizar a disposição de pontas que permita a maior uniformidade de distribuição das gotas sobre a faixa de deposição, evitando a influência e perdas.
Altura das pontas de pulverização: Deverá ser aquela que proporcione o cruzamento dos jatos, para que a superfície tratada receba uma quantidade uniforme de produto, evitando falhas ou acúmulo de produto nas faixas. Em geral, recomeda-se uma distância de 50 cm acima do alvo. Volume de aplicação: 100 à 200 litros de calda/ha
Velocidade de aplicação: A velocidade de aplicação deverá ser ajustada em relação ao volume de calda a ser aplicado, respeitando o limíte máximo de 12 km/h.
Pressão de trabalho: Deverá ser mantida dentro da faixa de 40 à 60 libras/polegada quadrada (psi), ou de acordo com a recomendação do fabricante da ponta de pulverização utilizada.
Angulo da barra: Utilizar o ângulo da barra de pulverização a 90° em relação ao nível do solo, aumentando o mesmo caso seja necessário.

Condições climáticas:
• Temperatura ambiente: abaixo de 30° C, no local da aplicação.
• Umidade relativa do ar: parar a pulverização quando atingir o mínimo de 50% na área de aplicação.
• Velocidade de vento: não superior a 8 km/h.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Cultura Intervalo de Segurança
Milho (*)
Soja (**)

(*) O intervalo de segurança para a cultura do milho é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e pré-plantio da cultura. O intervalo de segurança para a cultura do milho geneticamente modificado, que expressa resistência ao glifosato e 2,4-D, é de 90 dias, quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e da cultura.
(**) O intervalo de segurança para a cultura da soja é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e pré-plantio da cultura. O intervalo de segurança para a cultura da soja geneticamente modificada, que expressa resistência ao 2,4 D e glifosato é de 60 dias, quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e da cultura.

LIMITAÇÕES DE USO:
Fitotoxicidade para a cultura indicada:
EnlistDuo não é fitotóxico quando usado dentro das recomendações de uso aqui citadas. Observar o máximo cuidado na aplicação para não atingir as culturas econômicas suscetíveis.

Fitotoxicidade para as culturas não recomendadas:
- Observar o máximo cuidado nas aplicações para não atingir as culturas econômicas suscetíveis.
- São sensíveis a esse herbicida as culturas não modificadas geneticamente tolerantes ao 2,4 D: algodão, tomate, batata, feijão, soja, milho, trigo, aveia, café, eucalipto, hortaliças, flores, frutíferas e outras espécies úteis sensíveis a herbicidas mimetizadores de auxinas.

Outras restrições a serem observadas:
- Se ocorrer chuvas até 6 horas após a aplicação, a eficiência do produto pode ser prejudicada.
- Não armazenar a calda de pulverização em quaisquer recipientes.
- Não aplicar sobre plantas daninhas cobertas com poeira ou quaisquer outros limitantes que impessa a permeabilidade ou mesmo absorva-adsorva ou herbicida.
- Não utilizar águas turvas ou com presença de argilas (barrentas) pois a eficiência do produto poderá ser prejudicada.
- Não utilizar, para aplicação de outros produtos, em culturas suscetíveis, o equipamento que foi utilizado para aplicação de EnlistDuo.

Compatibilidade:
Não há evidências da existência de problemas de incompatibilidade com outros pesticidas ou fertilizantes normalmente utilizados.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:

1. PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
• Este produto é Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE III)
• Este produto é ALTAMENTE MÓVEL apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas.
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamentos com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

2. INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

3. INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a empresa Dow Agrosciences Industrial Ltda.- Telefone da empresa: 0800-7710032.
- Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
• Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com o auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá ser mais utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
• Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
• Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicações.

4. PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL

• LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's - - Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.

• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até ¼ do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

• Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os
seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes
procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la
invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem
sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem sob Pressão, essa embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

• TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM RÍGIDA NÃO LAVÁVEL

o ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

• DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

• TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM FLEXÍVEL

• ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABN T), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

• DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de distribuição.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA(NÃO CONTAMINADA)

• ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

• DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

• TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

• É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
• EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A Destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZACÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

S. TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito ás regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos e outros materiais.

6. RESTRIÇÓES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.

O uso sucessivo de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento da população de plantas daninhas resistentes a esse mecanismo de ação levando a perda de eficiência do produto e um consequente prejuízo. A fim de evitar problemas com resistência de plantas daninhas, abaixo seguem algumas recomendações:
- Rotação de produtos com mecanismos de ação distintos, quando apropriado;
- Adotar outras práticas de controle de plantas daninhas como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc, sempre que disponível e apropriado;
- Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Informações sobre possíveis casos de resistência em plantas daninhas devem ser encaminhados para o HRAC-BR(www.hrac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento(www.agricultura.gov.br).
- Para maiores esclarecimentos, consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.