Bula Fluente - Ouro Fino
CME MILHO (SET/20) US$ 3,076 (-1,22%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (1,29%)

Bula Fluente

2,4-D-dimetilamina
20916
Ouro Fino

Composição

2,4-D 806 g/L
Equivalente ácido de 2,4-D 670 g/L
Dimetilamina 227,74 g/L

Classificação

Terrestre
Herbicida
4 - Produto Pouco Tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Seletivo, Sistêmico

Arroz

Dosagem Calda Terrestre
Aeschynomene denticulata (Angiquinho)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Bidens pilosa (Picão preto)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Conyza sumatrensis (Buva)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Glycine max (Soja voluntária) (Soja voluntária)
Gossypium hirsutum (Algodão voluntário) (Algodão voluntário)
Ipomoea aristolochiaefolia (Corda de viola)
Sida rhombifolia (Guanxuma)

Cana-de-açúcar

Dosagem Calda Terrestre
Amaranthus viridis (Caruru comum) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Bidens pilosa (Picão preto) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Portulaca oleracea (Beldroega) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)

Milho

Calda Terrestre Dosagem
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus deflexus (Caruru rasteiro)
Bidens pilosa (Picão preto)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Conyza sumatrensis (Buva)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Glycine max (Soja voluntária) (Soja voluntária)
Gossypium hirsutum (Algodão voluntário) (Algodão voluntário)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Sida rhombifolia (Guanxuma)

Pastagens

Dosagem Calda Terrestre
Amaranthus deflexus (Caruru rasteiro)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)

Soja

Dosagem Calda Terrestre
Bidens pilosa (Picão preto)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Conyza sumatrensis (Buva)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Glycine max (Soja voluntária) (Soja voluntária)
Gossypium hirsutum (Algodão voluntário) (Algodão voluntário)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)

Trigo

Dosagem Calda Terrestre
Bidens pilosa (Picão preto)
Conyza bonariensis (Buva)
Conyza sumatrensis (Buva)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Glycine max (Soja voluntária) (Soja voluntária)
Gossypium hirsutum (Algodão voluntário) (Algodão voluntário)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)

Tipo: Bag in box
Material: Fibra de papel com bolsa plástica interna
capacidade: 0,5;1,0;1,5;2,0;5,0;10;20 L

Tipo: Balde
Material: Plástico/metálico
capacidade:5,0;10;20 L

Tipo: bombona
Material: plástico/Metálico
capacidade:5,0;10;20 L

Tipo: Container
Material: Plástico
capacidade: 1.000 L

Tipo: Contentor intermediário (IBC)
Material: Plástico com estrutura metálica
capacidade:500;1.000 L

Tipo: Frasco
Material: Plástico/ metálico
capacidade:0,1;0,5;1,0 L

Tipo: Tambor
Material: Plástico/metálico
capacidade:20;100;200 L

INSTRUÇÕES DE USO

FLUENTE® é um herbicida seletivo de ação sistêmica, do grupo químico ácido ariloxialcanóico (mimetizadores de auxinas), usado em pré e pós-emergência para controle de plantas infestantes nas culturas de arroz (sequeiro e irrigado), cana-de-açúcar, milho, pastagem, soja e trigo. A absorção do produto ocorre via foliar e radicular, absorvido pelas folhas as moléculas difundem-se na cutícula, movimentando-se pelos espaços intercelulares e penetram no floema, seguindo o curso dos nutrientes para as regiões meristemáticas apicais e das raízes; absorvido pelas raízes segue o curso da transpiração, pelo xilema para a parte aérea das plantas. O produto age em locais de ligação das auxina com proteínas nas membranas celulares provocando um desbalanço hormonal e afetando a síntese de proteínas. O metabolismo de ácidos nucléicos e os aspectos metabólicos da plasticidade da parede celular são seriamente afetados. Após aplicações do herbicida, em plantas sensíveis, verifica-se rapidamente aumento significativo da enzima celulase, especialmente da carboximetilcelulase (CMC), notadamente nas raízes. Devido a esses efeitos ocorre epinastia das folhas, retorcimento do caule, engrossamento das gemas terminais, destruição do sistema radicular e morte da planta, em poucos dias ou semanas.

MODO APLICAÇÃO

Preparo da calda

Abasteça o reservatório do pulverizador até ¾ de sua capacidade com água, mantendo o agitador ou retorno em funcionamento. Adicionar a quantidade correta de produto, previamente medido em recipiente graduado no reservatório do pulverizador, e então, completar o volume com água. A agitação deverá ser constante durante todo o processo de preparo e pulverização da calda. Prepare apenas a quantidade de calda necessária para completar o tanque de aplicação, pulverizando logo em seguida. Caso aconteça algum imprevisto que interrompa a agitação da calda, agitá-la vigorosamente antes de reiniciar a aplicação. Realizar o processo de tríplice lavagem da embalagem durante o preparo da calda. FLUENTE® pode ser aplicado com pulverizadores: costal manual e tratorizados. Tomar o máximo de cuidado nessas aplicações com culturas sensíveis nas proximidades (algodão, hortaliças, uva, etc.), evitando-se qualquer tipo de deriva Uso de adjuvantes: Não adicione adjuvantes à calda de pulverização quando for aplicar sobre as culturas. A adição de adjuvantes tais como espalhantes-adesivos, agentes molhantes ou óleos emulsionáveis diminuem a seletividade do produto nas culturas, embora melhorem a atividade sobre as plantas daninhas. Para aplicação em operação de manejo em plantio-direto, antes do plantio da soja, poderá ser adicionado um espalhante adesivo não-iônico ou óleo emulsionável, nas doses registradas. Aplicação terrestre: Utilizar equipamento pulverizador costal (manual ou motorizado) ou tratorizado. Na aplicação com pulverizadores tratorizados de barra, observar os seguintes parâmetros: Tipo de bicos: anti-deriva Tamanho de gotas: DMV acima de 200 micrômetros. Densidade de gotas mínima de 30 gotas/cm2 . Volume de calda entre 150 a 300 L/ha.
• Em caso de uso de outros equipamentos, providenciar uma boa cobertura de pulverização das plantas daninhas. Recomendação para evitar a deriva: Não permita que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos de rios e outras fontes de água, criações e áreas de preservação ambiental. Siga as restrições existentes na legislação pertinente. O potencial de deriva é determinado pela interação de muitos fatores relativos a equipamento de pulverização e ao clima. O aplicador deve considerar todos estes fatores quando da decisão de aplicar. Importância do diâmetro da gota: A melhor estratégia de gerenciamento de deriva é aplicar o maior diâmetro de gotas possível para dar uma boa cobertura e controle (0,15 a 0,20 mm). A presença nas proximidades de culturas para as quais o produto não esteja registrado, condições climática, estádio de desenvolvimento da cultura, etc devem ser considerados como fatores que podem afetar o gerenciamento da deriva e cobertura da planta. Aplicando gotas de diâmetro maior, reduz-se o potencial de deriva, mas não a previne se as aplicações forem feitas de maneira imprópria ou sob condições desfavoráveis. Leia as instruções sobre condições de vento, temperatura, e inversão térmica.
Controlando o diâmetro de gotas
- Técnicas gerais
Volume: Use bicos de maior vazão para aplicar o maior volume de calda possível, considerando necessidades práticas. Bicos com vazão maior produzem gotas maiores.
Pressão: Use a menor pressão indicada para o bico.
Pressões maiores reduzem o diâmetro de gotas e não melhoram a penetração através das folhas da cultura. Quando maiores volumes forem necessários, use bicos de vazão maior ao invés de aumentar a pressão.
Tipo de bico: Use o modelo de bico apropriado para o tipo de aplicação desejada. Para a maioria dos bicos, ângulos de aplicação maiores produzem gotas maiores. Considere o uso de bicos de baixa deriva.
Altura da barra: Para equipamento de solo, regule a altura da barra para a menor possível, de forma a obter uma cobertura uniforme reduzindo a exposição das gotas à evaporação e aos ventos. A barra deve permanecer nivelada com cultura, observando-se também a adequada sobreposição dos jatos. Ventos: O potencial de deriva aumenta com a velocidade do vento, inferior a 5 km/h (devido ao potencial de inversão) ou maior que 16 km/h. No entanto, muitos fatores, incluindo o diâmetro de gotas e o tipo de equipamento, determinam, o potencial de deriva a uma dada velocidade do vento. Não aplicar se houver vento forte, acima de 10 km/h, ou em condições de vento inferiores a 5 km/h.

Observações: Condições locais podem influenciar o padrão do vento. Todo aplicador deve estar familiarizado com os padrões de ventos locais e como eles afetam a deriva.
Temperatura e umidade: Em condições de clima quente e seco, regule o equipamento de aplicação para produzir gotas maiores a fim de reduzir o efeito da evaporação.
Inversão térmica: O potencial de deriva é alto durante uma inversão térmica. Inversões térmicas diminuem o movimento vertical do ar, formando uma nuvem de pequenas gotas suspensas que permanece perto do solo e com movimento lateral. Inversões térmicas são caracterizadas pela elevação da temperatura com relação à altitude e são comuns em noites com poucas nuvens e pouco ou nenhum vento. Elas começam a ser formadas no pôr-do-sol e frequentemente continuam até a manhã seguinte. Sua presença pode ser indicada pela neblina no nível do solo. No entanto, se não houver neblina as inversões térmicas podem ser identificadas pelo movimento de fumaça originária de uma fonte no solo. A formação de uma nuvem de fumaça em camadas e com movimento lateral indica a presença de uma inversão térmica; enquanto que, se a fumaça for rapidamente dispersada e com movimento ascendente, há indicação de um bom movimento vertical do ar.

Limpeza do equipamento de aplicação

Inicie a aplicação somente com o equipamento limpo e bem conservado. Imediatamente após a aplicação, proceda a uma completa limpeza de todo o equipamento.
1. Proceda à lavagem com solução a 3% de amoníaco ou soda caustica, deixando-a no tanque por 24 horas. Substituir depois, por solução de carvão ativado a 3g/L de água e deixar em repouso por 1 a 2 dias, lavando em seguida com água e detergente. Enxágue completamente o pulverizador e faça circular água limpa pelas mangueiras, barras, bicos e difusores.
2. Descartar a água remanescente da lavagem por pulverização nas bordaduras da lavoura, em local onde não atinja culturas sensíveis ao 2,4-D. Recomenda-se fazer um teste de fitotoxicidade em culturas sensíveis ao 2,4- D, tais como: cucurbitáceas, tomate ou algodão antes de usar o equipamento para pulverização de outros produtos. Preferencialmente utilizar exclusivamente para aplicações de 2,4-D ou formulações que o contenham.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

Temperatura: Máxima de 28ºC.
Umidade relativa do ar: Mínima de 70%.
Velocidade do vento: Superior a 5 e inferior a 10 km/h.
Observações locais deverão ser feitas visando reduzir as perdas por derivas ou volatilização. Em aplicações com qualquer tipo de equipamento, observar as condições climáticas recomendadas, considerando que a umidade relativa do ar é o fator mais importante, já que determina uma maior ou menor evaporação.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Arroz: Intervalo de segurança não determinado por ser de uso até a fase de emborrachamento.
Cana-de-açúcar: Intervalo de segurança não determinado por ser de uso em pré e pós-emergência até 3 (três) meses após o plantio e corte.
Milho: Intervalo de segurança não determinado por ser de uso desde a fase pré-emergência até a cultura atingir a altura de 25 cm.
Pastagens: Intervalo de segurança não determinado.
Soja: Uso permitido somente em pré-plantio.
Trigo: Intervalo de segurança não determinado por ser de uso até a fase de emborrachamento.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Quando este produto for utilizado nas doses e usos recomendados, não causará danos às culturas indicadas. Não aplicar o produto quando houver possibilidade de atingir diretamente, ou por deriva, espécies de plantas úteis suscetíveis, tais como: culturas dicotiledôneas, hortaliças, ornamentais, bananeiras. Pequenas quantidades ou mesmo a névoa da pulverização do produto podem causar sérios danos em espécies susceptíveis. Todo equipamento usado para aplicar o produto deve ser descontaminado antes de outro uso. Recomenda-se, se possível, utilizar exclusivamente para aplicações com formulações que contenham 2,4-D. Recomenda-se não usá-lo na pulverização de outros produtos em plantas susceptíveis. O produto pode apresentar fitotoxicidade para cereais, quando a aplicação é feita antes do perfilhamento ou após emborrachamento e para milho plantado em solo arenoso ou quando a aplicação é feita fora do período recomendado. O produto em contato com sementes podem inibir a sua germinação. O produto não deve ser misturado com óleos, espalhantes adesivos e outros adjuvantes, pois isso diminui a seletividade do produto. Aplicar apenas sobre plantas daninhas em crescimento vegetativo pleno, não submetidas a qualquer estresse como frio excessivo, seca ou injúrias mecânicas. Para uso na cultura do milho, verificar junto às empresas produtoras de sementes a existência de cultivares sensíveis ao 2,4-D. Para a cultura de soja, seu uso é permitido somente em pré-plantio. Não aplicar em plantas daninhas com altura superior a 10 cm e numero de folhas maiores que 10. Não utilizar plantas tratadas para alimentar animais até 7 dias após aplicação. Este produto não deve ser armazenado próximo de rações, fertilizantes, sementes, inseticidas, fungicidas e outros defensivos que possam ser usados em plantas susceptíveis ao 2,4-D.

AVISO AO USUÁRIO

O produto deve ser exclusivamente utilizado de acordo com as recomendações desta bula. A OURO FINO QUÍMICA S.A. não se responsabiliza por perdas ou danos resultantes do uso deste produto de modo não recomendado especificamente pela bula. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo. O usuário assume todos os riscos associados ao uso não recomendado.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS

Os EPI’s visam proteger a saúde dos trabalhadores e reduzir o risco de intoxicação decorrente de exposição aos agrotóxicos. Para cada atividade envolvendo o uso de agrotóxicos é recomendado o uso de EPI’s específicos descritos nas orientações para preparação da calda, durante a aplicação, após a aplicação, no descarte de embalagens e no atendimento aos primeiros socorros.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso sucessivo de herbicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população da planta daninha alvo resistente a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e um consequente prejuízo. Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas e para evitar os problemas com a resistência, seguem algumas recomendações:
• Rotação de herbicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo O para o controle do mesmo alvo, quando apropriado.
• Adotar outras práticas de controle de plantas daninhas seguindo as boas práticas agrícolas.
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto.
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e a orientação técnica da aplicação de herbicidas.
• Informações sobre possíveis casos de resistência em plantas daninhas devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas (SBCPD: www.sbcpd.org), Associação Brasileira de Ação à Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas (HRAC-BR: www.hrac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO O HERBICIDA

O produto herbicida FLUENTE® é composto por atrazina, que apresenta mecanismo de ação dos mimetizadores de auxina, pertencente ao Grupo O segundo classificação internacional do HRAC (Comitê de Ação à Resistência de Herbicidas).