Bula Mojjave - Ouro Fino

Bula Mojjave

Glifosato
43618
Ouro Fino

Composição

Glifosato - Sal de Potássio 396,5 g/L
Glifosato - Sal de Isopropilamina 295,1 g/L
Equivalente ácido de Glifosato 540 g/L

Classificação

Herbicida
3 - Produto Moderadamente Tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Sistêmico, Não seletivo

Algodão

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Arroz

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Café

Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Ipomoea nil (Corda de viola)
Portulaca oleracea (Beldroega)

Cana-de-açúcar

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Saccharum officinarum (Cana de açúcar)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Citros

Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Ipomoea nil (Corda de viola)
Portulaca oleracea (Beldroega)

Eucalipto

Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Ipomoea nil (Corda de viola)
Portulaca oleracea (Beldroega)

Feijão

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Maçã

Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Ipomoea nil (Corda de viola)
Portulaca oleracea (Beldroega)

Milho

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Pastagens

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Pinus

Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Ipomoea nil (Corda de viola)
Portulaca oleracea (Beldroega)

Soja

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Trigo

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Uva

Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Alternanthera tenella (Apaga fogo)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus ferax (Junquinho)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Emilia sonchifolia (Falsa serralha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Lolium multiflorum (Azevém)
Nicandra physaloides (Joá de capote)
Panicum maximum (Capim colonião)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum americanum (Maria preta)
Tridax procumbens (Erva de touro)

Tipo: Bag in box.
Material: Fibra celulósica com bolsa plástica interna.
Capacidade: 0,5 - 20 L.
Tipo: Balde.
Material: Metálico/Plástico.
Capacidade: 5,0 - 50 L.
Tipo: Bombona.
Material: Metálico/Plástico.
Capacidade: 5,0 - 50 L.
Tipo: Bulk.
Material: Metálico/Plástico.
Capacidade: 500 - 1.000 L.
Tipo: Frasco.
Material: Metálico/Plástico.
Capacidade: 0,1 - 1,0 L.
Tipo: Sachê com tampa.
Material: Plástico metalizado e Plástico aluminizado e Plástico.
Capacidade: 0,1 - 1,0 L.
Tipo: Tambor.
Material: Metálico/Plástico.
Capacidade: 20 - 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO:
MOJJAVE é um herbicida do grupo químico da glicina substituída (glifosato), apresentado na forma concentrado solúvel, sendo sistêmico e não seletivo, de amplo espectro de controle, indicado para o controle de plantas infestantes anuais ou perenes, monocotiledôneas ou dicotiledôneas nas seguintes situações:
• Controle de plantas infestantes em pós-emergência em áreas cultivadas, sob a copa e nas entrelinhas, utilizando equipamentos de proteção de deriva, nas culturas de: café, citros, eucalipto, maçã, pinus e uva;
• Controle em pós-emergência em jato dirigido sobre as plantas infestantes nas entrelinhas de cana-de-açúcar (cana-soca);
• Aplicação em área total na dessecação em pré-plantio no sistema de plantio direto ou convencional para as culturas de: algodão, arroz, arroz irrigado, cana-de-açúcar, feijão, milho, pastagem, soja e trigo;
• Aplicação em pós-emergência das plantas infestantes e da soja geneticamente modificada resistente ao Glifosato;
• Eliminação de soqueira em cana-de-açúcar;
• Eliminação total de pastagens para posterior reforma do pasto ou plantio de culturas anuais ou perenes;
• Eliminação do capim e plantas infestantes na área abaixo e adjacente à cerca denominada aceiro;
• Aplicação em área total em áreas de pousio.
MOJJAVE atua na inibição da biossíntese de aminoácidos aromáticos (fenilalanina, tirosina e triptofano), através da inibição da enzima EPSPs (5-enolpiruvinil shikimate-3-fosfato-sintase) na via do shikimato, o primeiro sintoma observado após tratamento com glifosato é a inibição de crescimento, seguido por clorose dos tecidos tratados e consequentemente morte das plantas daninhas. A eficiência do glifosato começa a ser notada entre o 4º e 10º dia após a aplicação, atingindo o controle total entre o 14º ao 21º dia após a aplicação.
A eficiência de MOJJAVE começa a ser notada entre o 4º e 10º dia após a aplicação, atingindo o controle total entre o 14º ao 21º dia após a aplicação. O produto apresenta excelente desempenho mesmo em baixos volumes de calda por hectare, desde que a tecnologia de aplicação proporcione que as plantas infestantes sejam atingidas pela calda herbicida, sem haver necessidade de atingir o ponto de escorrimento da calda sobre as folhas. Melhores controles são obtidos quando MOJJAVE for aplicado sobre as plantas infestantes perenes ou anuais durante o pleno vigor vegetativo até o pré-florescimento. O produto aplicado no período adequado em pósemergência controla as plantas infestantes com uma única aplicação, mas não evita a germinação posterior das sementes presentes no solo. Menores doses mencionadas na bula são indicadas para a fase inicial de desenvolvimento das plantas infestantes e maiores doses para ervas em estágio avançado de desenvolvimento ou perenizadas.
MOJJAVE apresenta alta concentração de glifosato, ou seja, 540 gramas de equivalente ácido de Glifosato por litro e formulação que permite a aplicação com intervalo mínimo de 2 horas antes da ocorrência de chuva sem comprometer a eficácia.
MODO DE APLICAÇÃO:
MOJJAVE é indicado para aplicação com pulverizadores: costal (manual ou motorizados), tratorizados e aeronaves agrícolas.
Pulverizador Costal:
- Bicos: 110.02/110.03;
- Vazão: 100-200 (L/ha);
- Pressão: 20-30 (lb/pol2 );
- Tamanho de gotas: 200-600 (µm);
- Densidade: 20-30 (gotas/cm²).
Pulverizador Tratorizada:
- Bicos: 110.02/110.03;
- Vazão: 100-200 (L/ha);
- Pressão: 30-40 (lb/pol2 );
- Tamanho de gotas: 300-600 (µm);
- Densidade: 30-40 (gotas/cm2 ).
Pulverizador Aéreo:
- Barra com bicos para aeronaves de asa fixa – Ipanema (qualquer modelo);
- Volume de aplicação: 30-40 L/ha;
- Altura de vôo: 4-5 m do topo da cultura;
- Largura da faixa de deposição: 15 m;
- Tamanho de gotas: 150-180 µm;
- Densidade de gotas: mínimo de 20 gotas (DMV: 420-450 µ);
- Bicos de pulverização: Utilizar bicos de jato cônico vazão da série D ou similar, com difusores em cone adequado a uma cobertura uniforme sem escoamento do produto de forma a obter uma deposição mínima sobre o alvo de 20 gotas/cm² com DVM 420-450 µ à pressão de 15- 30 psi. Com aviões do tipo Ipanema (qualquer modelo) poderão ser utilizados barra de pulverização, com um total de 40-42 bicos. Os bicos da extremidade da asa em número de 4-5 em cada uma delas, deverão ser fechados a fim de evitar a influência e arraste das gotas de pulverização pelos vértices da ponta da asa. Os bicos da barriga, em número de 8, deverão permanecer abertos e no mesmo ângulo dos bicos utilizados nas asas.
Obedecer às normas técnicas previstas na Instrução Normativa n°2/2008 e Decreto n° 86.765/1981 do Ministério da Agricultura, quando a pulverização utilizar aeronaves agrícolas. Recomendação para evitar a deriva: Não permita que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos de rios e outras fontes de água, criações e áreas de preservação ambiental. Siga as restrições existentes na legislação pertinente. O potencial de deriva é determinado pela interação de muitos fatores referentes ao equipamento de pulverização e ao clima. O aplicador é responsável por considerar todos estes fatores quando da decisão de aplicar.

EVITAR A DERIVA DURANTE A APLICAÇÃO É RESPONSABILIDADE DO APLICADOR.

Importância do diâmetro de gota: A melhor estratégia de gerenciamento da deriva é aplicar o maior diâmetro de gotas possível para dar uma boa cobertura e controle (> 150 a 200 µm). A presença de culturas sensíveis nas proximidades, infestação e condições climáticas podem afetar o gerenciamento da deriva e cobertura da planta.

APLICANDO GOTAS DE DIÂMETROS MAIORES REDUZ O POTENCIAL DE DERIVA, MAS NÃO PREVINE SE AS APLICAÇÕES FOREM FEITAS DE MANEIRA IMPRÓPRIA OU SOB CONDIÇÕES AMBIENTAIS DESFAVORÁVEIS!

Veja instruções sobre condições de vento, temperatura e umidade e inversão térmica.
Controlando o diâmetro de gotas
– Técnicas gerais: Volume: use bicos de vazão maior para aplicar o volume de calda mais alto possível, considerando suas necessidades práticas, bicos com vazão maior produzem gotas maiores. Pressão: use a menor pressão indicada para o bico. Pressões maiores reduzem o diâmetro de gotas e não melhoram a penetração.

QUANDO MAIORES VOLUMES FOREM NECESSÁRIOS, USE BICOS DE VAZÃO MAIOR AO INVÉS DE AUMENTAR A PRESSÃO.

- Tipo de bico: Use o bico apropriado para o tipo de aplicação desejada. Na maioria dos bicos, ângulos de aplicação maiores produzem gotas maiores. Considere o uso de bicos de baixa deriva.
Controlando o diâmetro de gotas
– Aplicação aérea
Número de bicos: Use o menor número de bicos com maior vazão possível e que proporcione uma cobertura uniforme.
Orientação de bicos: Direcionando os bicos de maneira que o jato esteja dirigido para trás, paralelo a corrente de ar, produzirá gotas maiores que outras orientações.
Tipo de bico: bicos de jato cheio, orientados para trás, produzem gotas maiores que outros tipos de bicos.
Comprimento da barra: O comprimento da barra não deve exceder ¾ (75%) da barra ou do comprimento do rotor – barras maiores aumentam o potencial de deriva.
Altura de voo: aplicações a alturas maiores que 3 metros acima da cultura aumentam o potencial de deriva.
Ventos: o potencial de deriva aumenta com a velocidade do vento inferior a 5 km/h (devido ao potencial de inversão) ou maior de 10 km/h. No entanto, muitos fatores, incluindo diâmetro de gotas e tipo de equipamento determinam o potencial de deriva a uma dada velocidade do vento.

NÃO APLICAR SE HOUVER RAJADAS DE VENTOS OU EM CONDIÇÕES SEM VENTO.

Observações: condições locais podem influenciar o padrão do vento. Todo aplicador deve estar familiarizado com os padrões de ventos locais e como eles afetam a deriva. O Eng. Agrônomo Responsável pode alterar as condições de aplicação. Preparo de calda: A calda poderá ser preparada diretamente no tanque pulverizador, procedendo-se da seguinte forma: - Preencher o tanque do pulverizador abastecendo até ¼ da sua capacidade; - Adicionar o produto na quantidade requerida; - Completar o volume do tanque com o sistema de agitação em funcionamento.
SEMPRE COLOCAR PRIMEIRO A ÁGUA, PARA DEPOIS ADICONAR A DOSE DE MOJJAVE (NUNCA: MOJJAVE E DEPOIS ÁGUA).
Lavagem do equipamento de aplicação: Antes da aplicação, verifique e inicie somente com o equipamento limpo e bem conservado. Imediatamente após a aplicação, proceda a completa limpeza de todo o equipamento para reduzir o risco de formação de depósitos sólidos que possam se tornar difíceis de serem removidos. O adiamento, mesmo por poucas horas, somente torna a limpeza mais difícil.
1) Com o equipamento de aplicação vazio, enxague completamente o pulverizador e faça circular água limpa pelas mangueiras, barras, bicos e difusores, removendo fisicamente, se necessário, os depósitos visíveis de produto. O material resultante dessa operação deverá ser pulverizado na área tratada com o respectivo produto.
2) Complete o pulverizador com água limpa. Circule essa solução pelas mangueiras, barras, filtros e bicos. Desligue a barra e encha o tanque com água limpa. Circule pelo sistema de pulverização por 15 minutos. Circule então pelas mangueiras, barras, filtros, bicos e difusores. Esvazie o tanque na área tratada com o respectivo produto.
3) Complete o pulverizador com água limpa e adicione amônia caseira (3% de amônia) na proporção de 1% (1 litro por 100 litros). Circule esta solução pelas mangueiras, barras, filtros e bicos. Desligue a barra e encha o tanque com água limpa. Circule pelo sistema de pulverização por 15 minutos. Circule então pelas mangueiras, barras filtros, bicos e difusores. Esvazie o tanque evitando que este líquido atinja corpos d´água, nascentes ou plantas úteis.
4) Remova e limpe os bicos, filtros e difusores com um balde com a solução de limpeza.
5) Repita o passo 3.
6) Enxágue completamente o pulverizador, mangueiras, barra, bicos e difusores com água limpa no mínimo 2 vezes.
Limpe tudo que for associado ao pulverizador, inclusive o material usado para o enchimento do tanque. Tome todas as medidas de segurança necessárias durante a limpeza. Não limpe o equipamento perto de nascentes, fontes de água ou de plantas úteis. Descarte os resíduos da limpeza de acordo com a legislação Estadual ou Municipal.
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS
Com relação às condições climáticas, deve-se procurar aplicar nos horários mais frescos do dia, evitando ventos acima de 10 km/h (3 m/s), temperaturas superiores a 28°C e umidade relativa inferior a 55%, visando reduzir ao máximo as perdas por deriva e evaporação.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão (1)
Arroz (2)
Arroz-irrigado (2)
Café 15 dias
Cana-de-açúcar (pré-plantio ou jato dirigido) (2)
Citros 30 dias
Eucalipto UNA
Feijão (2)
Maçã 15 dias
Milho (3)
Pastagens (2)
Pinus UNA
Soja (4)
Soja geneticamente modificada (5)
Trigo (2)
Uva 17 dias
(1) O intervalo de segurança para a cultura do algodão é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e pré-emergência da cultura;
(2) Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego
(3) O intervalo de segurança para a cultura do milho é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e pré-emergência da cultura.
(4) O intervalo de segurança para a cultura da soja é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e pré-emergência da cultura.
(5) O intervalo de segurança para a cultura da soja geneticamente modificada, que expressa resistência ao glifosato, é de 56 dias, quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e da cultura.
(UNA) Uso Não Alimentar;
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
LIMITAÇÕES DE USO:
- o uso do produto está restrito ao indicado no rótulo e bula.
- o produto deve ser aplicado quando as plantas infestantes estiverem em boas condições de desenvolvimento, sem efeito de estresse hídrico (condições de seca ou excesso de água), sem a presença de orvalho que pode levar ao escorrimento da calda ou poeira nas folhas que pode levar a adsorção e inativação do princípio ativo.
- o produto precisa atingir as folhas para controlar as plantas infestantes, ou seja, o efeito “guarda-chuva” proporcionado algumas vezes pelas culturas ou mesmo pelas plantas infestantes pode comprometer o controle de plantas infestantes mais baixas.
- o produto deve ser aplicado somente utilizando água limpa, sem argila em suspensão.
- o produto não apresenta efeitos fitotóxicos às culturas desde que utilizado nas doses e formas de aplicações recomendadas. - Durante a aplicação em jato dirigido deve-se evitar que o produto atinja as folhas e caules jovens, pois nestas condições as culturas podem apresentar fitotoxicidade. Caules suberizados de culturas perenes não absorvem o produto e, portanto, não causam efeitos fitotóxicos. É necessário adotar todas as práticas durante a aplicação para evitar deriva da calda aplicada em culturas vizinhas e sensíveis ao Glifosato.
- Não capinar ou roçar o mato antes ou logo após a aplicação do produto.
- Utilizar somente recipientes de aço inoxidável, alumínio, fibra de vidro e plástico no preparo da calda, armazenagem e aplicação.

AVISO AO USUÁRIO: MOJJAVE deve ser exclusivamente utilizado de acordo com as recomendações desta bula/rótulo. A OURO FINO QUÍMICA S.A não se responsabiliza por perdas ou danos resultantes do uso deste produto de modo não recomendado especificamente pela bula/rótulo. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo. O usuário assume todos os riscos associados ao uso não recomendado.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
Os EPI’s visam proteger a saúde dos trabalhadores e reduzir o risco de intoxicação decorrente de exposição aos agrotóxicos. Para cada atividade envolvendo o uso de agrotóxicos é recomendado o uso de EPI’s específicos descritos nas orientações para preparação da calda, durante a aplicação, após a aplicação, no descarte de embalagens e no atendimento aos primeiros socorros.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso sucessivo de herbicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população da planta daninha alvo resistente a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e um consequente prejuízo. Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas e para evitar os problemas com a resistência, seguem algumas recomendações:
• Rotação de herbicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo G para o controle do mesmo alvo, quando apropriado.
• Adotar outras práticas de controle de plantas daninhas seguindo as boas práticas agrícolas.
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto.
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e a orientação técnica da aplicação de herbicidas.
• Informações sobre possíveis casos de resistência em plantas daninhas devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas (SBCPD: www.sbcpd.org), Associação Brasileira de Ação à Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas (HRAC-BR: www.hrac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO G HERBICIDA

O produto herbicida MOJJAVE é composto por glifosato, que apresenta mecanismo de ação das Glicinas Substituídas, pertencente ao Grupo G segundo classificação internacional do HRAC (Comitê de Ação à Resistência de Herbicidas).