Bula Systhane 400 WP

acessos
Miclobutanil
13407
Dow AgroSciences

Composição

Miclobutanil 400 g/kg Triazol

Classificação

Fungicida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Sistêmico
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
500 g.p.c./ha 500 a 700 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Preventivas, ou 5 % de infecção nas folhas
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sarna da maçã
(Venturia inaequalis)
11 a 12 g p.c./100 L de água 700 a 1500 L de calda/ha - 7 dias. 14 dias. Preventivamente
Melão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Oídio
(Sphaerotheca fuliginea)
150 g.p.c./ha 300 a 1000 L de calda/ha - 15 dias. 7 dias. Preventiva, ou nível de infecção atingir 5 %
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Oídio
(Uncinula necator)
20 g p.c./100 L de água 700 a 1000 L de calda/ha - 10 dias. 7 dias. Preventiva, ou infecção atingir 5 %

Saco plástico de 0,5; 1; 5; 10 e 25 kg. Pote plástico de 0,5; 1 e 2 kg. Saco hidrossolúvel de 72 e 120 g. Saco plástico de 300 g (contendo 5 saquinhos hidrossolúveis de 60 g cada); 600g (contendo 10 saquinhos hidrossolúveis de 60 g cada); 540 g (contendo 3 saquinhos hidrossolúveis de 180 g cada) e 900 g (contendo 5 saquinhos hidrossolúveis de 180 g cada). Saco plástico metalizado de 300 g (contendo 5 saquinhos hidrossolúveis de 60 g cada); 600g (contendo 10 saquinhos hidrossolúveis de 60 g cada); 540 g (contendo 3 saquinhos hidrossolúveis de 180 g cada) e 900 g (contendo 5 saquinhos hidrossolúveis de 180 g cada). Tambor de fibra de 25,0 e 60,0 kg.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO:
SYSTHANE 400 WP é um fungicida sistêmico, de atividade tanto preventiva quanto curativa, transportado via xilema, deslocando-se de baixo para cima e para as extremidades dos ramos, sendo rapidamente absorvido pelas plantas, em até 1 hora após a aplicação. SYSTHANE 400 WP é altamente eficiente na redução do inóculo inicial dos fungos causadores das doenças para as quais o produto é indicado, inibindo a formação da membrana da parede celular dos fungos, atuando na síntese do ergosterol.


CULTURAS, PRAGAS E DOSES:
Vide a seção “Indicações de Uso/Doses”.

Obs.: 1 Quilograma do produto comercial SYSTHANE 400 WP contém 400 g de ingrediente ativo MICLOBUTANIL.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

1. BATATA
SYSTHANE 400 WP deve ser aplicado preventivamente, quando a cultura da batata apresentar os primeiros sintomas da doença (5% de infecção nas folhas). As aplicações devem ser realizadas sempre que as condições climáticas forem favoráveis ao desenvolvimento da pinta preta (alta temperatura, alta umidade e chuvas sequenciais) e repetidas em intervalos de 7 dias ou quando o nível de infecção da doença nas folhas aproximar-se de 5%. Máximo de 7 aplicações.

2. MAÇÃ
Condições ótimas de controle da sarna da macieira são obtidas quando SYSTHANE 400 WP for aplicado preventivamente. SYSTHANE 400 WP possui ainda uma atividade curativa (efeito curativo pós-infecção) e uma atividade erradicante (inibição de futuras produções de conídios quando aplicado sobre as manchas esporulantes). Máximo de 3 aplicações por safra em intervalos de 7 dias.

2.1 Aplicação Preventiva:
Início: antes da floração - a aplicação para o controle da sarna da macieira deve ser iniciada no Estádio Fenológico "C" (pontas verdes) coincidindo com o período de 5 - 10 dias após a aplicação de quebra de dormência. Caso esta não seja realizada, observar somente o Estádio Fenológico. Não existe contra-indicação de aplicação de SYSTHANE 400 WP durante o período da floração da macieira (Estádios E - G).
Após a primeira aplicação as demais devem ser repetidas num intervalo de 7 a 15 dias de acordo com o nível de infecção, histórico patológico da área e condições climáticas (umidade do ar, temperatura ambiente e período de molhamento). Para obter-se um efeito erradicante de SYSTHANE 400 WP recomenda-se fazer duas aplicações num intervalo de 7 dias.

2.2 Aplicação Pós-Infecção:
SYSTHANE 400 WP tem efeito curativo sobre a sarna da macieira, podendo ser aplicado sobre pomares onde já tenha ocorrido a infecção primária. Neste caso, SYSTHANE 400 WP inibe a esporulação ou desenvolvimento do micélio.
SYSTHANE 400 WP pode ser aplicado até 96 horas após o início da infecção primária (chuvas contaminantes), propiciando uma maior flexibilidade e segurança no programa de aplicações para o controle da sarna da macieira.

3. MELÃO
SYSTHANE 400 WP pode ser aplicado preventivamente ou quando o nível de infecção de oídio nas folhas, ramos e frutos atingir o nível de 5%. SYSTHANE 400 WP possui uma atividade curativa e quando for aplicado sobre lesões já formadas (coloração branca e aspecto de pó), irá interromper o crescimento e desenvolvimento da doença.
As aplicações, em número máximo de 3, devem ser realizadas sempre que as condições climáticas forem favoráveis ao desenvolvimento do oídio (alta temperatura e alta umidade (orvalho), com período sem chuvas), e repetidas em intervalos de 15 dias, ou quando o nível de infecção da doença nas folhas, ramos e frutos aproximar-se de 5%.

4. UVA
SYSTHANE 400 WP pode ser aplicado preventivamente ou quando o nível de infecção de oídio nas folhas, brotos e cachos atingir um nível de 5%. SYSTHANE 400 WP possui uma atividade curativa, e quando for aplicado sobre lesões já formadas (coloração branca e aspecto de pó) irá interromper o crescimento e desenvolvimento das hifas e conídios do fungo, impedindo o avanço da doença para outras partes verdes da planta.
As aplicações, em número máximo de 3 por safra, devem ser realizadas sempre que as condições climáticas forem favoráveis ao desenvolvimento do oídio (alta temperatura e alta umidade (orvalho), com período sem chuvas) e repetidas em intervalos de 10 dias, ou quando o nível de infecção da doenças nas folhas, brotos e cachos aproximar-se de 5%.

MODO DE APLICAÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:

SYSTHANE 400 WP é indicado para aplicações terrestres com pulverizadores costais, pulverizadores tratorizados e atomizadores. O volume de calda varia de acordo com a cultura, devendo ser aplicado em quantidade de água suficiente para uma cobertura completa e uniforme da planta. Não aplicar o produto nas horas mais quentes do dia ou na presença de ventos fortes.

1. BATATA
As aplicações deverão ser feitas utilizando-se pulverizadores tratorizados com bicos cônicos ou de mangueira (estacionário) e/ou pulverizador costal, e com uma vazão de 500 a 700 litros de água por hectare, dependendo do desenvolvimento e do estágio da cultura.

2. MAÇÃ
Usar pulverizadores terrestres (atomizadores), costais, manuais ou motorizados. Manter os equipamentos bem regulados (pressão, números e tipos de bicos, ângulo de deposição, vazão), para que se possa obter uma boa proteção das folhagens e dos frutos.
Repetir a regulagem sempre que necessário ou no mínimo 1 vez durante o período de tratamento fitossanitário.
Utilizar um volume de calda de 700 a 1500 litros por hectare, de acordo com o porte ou tamanho das árvores, recomendando-se um volume de calda em torno de 1000 L/ha.

3. MELÃO
As aplicações deverão ser feitas utilizando-se pulverizadores tratorizados e/ou pulverizador costal com bicos cônicos, com uma vazão de 300 a 1000 litros de água por hectare, dependendo do desenvolvimento e do estágio da cultura.

4. UVA
As aplicações deverão ser feitas utilizando-se pulverizadores tratorizados e/ou pulverizador costal com bicos cônicos, com uma vazão de 700 a 1000 litros de água por hectare, dependendo do desenvolvimento e do estágio da cultura.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Batata, Melão e Uva: 07 dias
Maçã: 14 dias

LIMITAÇÕES DE USO:
- Fitotoxicidade: SYSTHANE 400 WP não é fitotóxico às culturas indicadas quando utilizado de acordo com os usos e doses recomendados.

Obs:
- Batata: Pode ser observada uma pequena mudança na tonalidade da coloração (verde escuro) das folhas, sendo este um sintoma comum em culturas de batatas tratadas por fungicidas da classe triazóis. Entretanto, este sintoma não resulta em nenhum prejuízo em termos de produção de tubérculos.
- Maçã: O produto pode causar e/ou induzir “russeting”, e não induz ou favorece o aumento da população de ácaros nos pomares.

- Compatibilidade:
Não há evidências da existência de problemas de incompatibilidade com outros pesticidas ou fertilizantes normalmente utilizados.
Aplicações de Boro devem ser evitadas em mistura com SYSTHANE 400 WP na embalagem hidrossolúvel.

DADOS RELATIVOS A PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:
PRECAUÇÕES DE USO E RECOMENDÇÕES GERAIS QUANTO AOS PRIMEIROS SOCORROS, ANTIDOTOS E TRATAMENTOS:
PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola;
• Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas;
• Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto;
• Não utilize Equipamentos de Proteção Individual (EPI) danificados;
• Não utilize equipamentos com vazamentos ou com defeitos;
• Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca;
• Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.
PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. PRODUTO ALTAMENTE IRRITANTE AOS OLHOS.
Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
Use EPI (macacão de algodão hidro-repelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, luvas e botas de borracha, touca árabe e viseira facial).
PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
• Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança;
• Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação;
• Não aplique o produto na presença de vento e nas horas mais quentes do dia;
• Utilize equipamento de proteção individual — EPI (macacão de algodão hidro-¬repelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, luvas e botas de;borracha, touca árabe e viseira facial).





PRECAUÇÕES APÓS APLICAÇÃO:
• Não reutilize a embalagem vazia;
• Mantenha o restante do produto adequadamente fechado na embalagem original, em
local trancado, longe do alcance de crianças e animais;
• Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do
produto. Fique atento ao período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante;
• Tome banho, troque e lave as roupas de proteção separado das roupas domésticas;
• AO LAVAR AS ROUPAS UTILIZADAS / CONTAMINADAS, UTILIZE LUVAS E AVENTAL IMPERMEÁVEL;
• No descarte de embalagens vazias use EPI (macacão de algodão hidro-repelente com mangas compridas, luvas e botas);
• Evitar entrar nas áreas tratadas até o término do intervalo de reentrada estabelecido para o produto.
PRIMEIROS SOCORROS: Procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.
• Ingestão: NÃO PROVOQUE VÔMITO. Não dê nada por via oral a uma pessoa
inconsciente.
• Olhos: Lave com água corrente em abundância durante 15 minutos. ALTAMENTE IRRITANTE AO OLHOS.
Pele: Lave com água e sabão em abundância.
• Inalação: Procure local arejado.
ANTÍDOTO E TRATAMENTO MÉDICO:
Não há antídoto específico. Tratamento sintomático, baseado no julgamento do médico, em
resposta às reações da vítima.
j
MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
A norma geral adotada internacionalmente não contempla a realização destes estudos no ser humano. Estudos efetuados com animais de laboratório usando carbono radio-marcado na substancia teste, demonstraram que o Miclobutanil a rapidamente absorvido,
metabolizado e excretado após administração oral. O Miclobutanil foi extensivamente metabolizado ate compostos polares em ratos, o composto original representando apenas de 1 a 3,6% de todo o material excretado. A oxigenação do grupo butil é a principal via do processo metabólico. Os resultados de distribuição do material no organismo dos animais testados demonstraram que não houve acúmulo nos tecidos e órgãos, tendo sido excretado 98% do produto em 96 horas.
EFEITOS AGUDOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
Estudos realizados com animais de laboratórios (ratos), demonstraram que SYSTHANE 400 PM por via oral, em dose única, é pouco tóxico, sendo a DL 50 maior que 5000 mg/kg. Por via dérmica a DL 50 é superior a 2000 mg/kg, enquadrando-se também como pouco tóxico. Estudos realizados com animais de laboratório demonstraram que SYSTHANE 400 PM ~ minimamente irritante aos olhos e n~° irritante a pele de coelhos.
DL50 oral para ratos: > 5000 mg/kg.
DL50 dérmica para ratos: > 2000 mg/kg.
Irritação dérmica: não irritante a pele de coelhos.
Irritação ocular: altamente irritante aos olhos de coelhos. Reversibilidade da irritação em ate 7 dias.
EFEITOS CRONICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
Foi observado aumento na atividade hepática das oxidases de função mista (MFO - mixed function oxidase) em ratos machos e fêmeas que receberam altas doses de Miclobutanil na dieta durante 90 dias. O Nível de Efeito Não Adverso foi de 1000 ppm na dieta para animais de ambos os sexos. Houve decréscimo no consumo de ração e no ganho de peso nos animais que receberam a maior dose, atribuído a ma palatabilidade da dieta nesta alta concentração. No estudo de longo prazo com camundongos, o aumento observado na atividade hepática das oxidases de função mista foi também interpretado como sendo um mecanismo adaptativo, fisiológico, secundário a sobrecarga hepática causada pela presença da substância teste, não sendo considerado um efeito adverso. Não ocorreram mortes e nenhum sinal de toxicidade foi evidente em qualquer das doses administradas na
TELEFONES DE EMERGÊNCIA: Disque Intoxicações: 0800 722 6001
Telefone da Empresa
Centro de Informações Toxicológicas São Paulo - SP
Campinas - SP
Belo Horizonte - MG Campo Grande - MS Cuiabá - MT
Curitiba - PR
Porto Alegre - RS
(12) 3954-2100
(11) 5012-5311
(19) 3239-3128 e 3788-7555 (31) 3239-9308 (67) 787-3333 (65) 617-1313
(41) 243-9969 ou 0800 410148 (51) 3223-6417 e 0800 780200

DADOS RELATIVOS A PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:
PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTENCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃ AO MEIO AMBIENTE:
• Este produto é:
( ) Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (Classe I).
(X) Muito Perigoso ao Meio Ambiente (Classe II).
) Perigoso ao Meio Ambiente (Classe III).
( ) Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (Classe IV).
• Este produto a ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
• Evite a contaminação ambiental - Preserve a natureza.
• Não utilize equipamento com vazamento.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Aplique somente as doses recomendadas.
• Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
• A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
• Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
• O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
• A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
• O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
• Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
• Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
• Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
• Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
• Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.
INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
• Isole e sinalize a área contaminada.
• Contate as autoridades locais competentes e a Empresa INDUSTRIAL LTDA - telefone de emergência: 0800-7710032.
• Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscara com filtros).
• Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante, por meio do telefone indicado no rótulo, para a sua devolução e destinação final.
• Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha este material e coloque em recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
• Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
• Em caso de incêndio, use extintores DE ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, DE CO2, PÓ QUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.
PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL
LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's - Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.
• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador,
mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até V4 do seu volume; - Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos; - Deposite a água da lavagem no tanque pulverizador:
Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavaqem sob pressão sequir os sequintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30
segundos;
A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador; Inutilize a embalagem plástica ou metalica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavaqem sob pressão adotar os sequintes procedimentos:
- lmediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mante-la
invertida sabre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
Toda a água de lavagem e dirigida diretamente para a tanque do pulverizador; Inutilize a embalagem plástica ou metalica, perfurando o fundo.
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo da chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de ate um ano da data da compra, e obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Casa o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em ate 6 meses após o termino do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
I
EMBALAGEM RÍGIDA NÃO LAVÁVEL
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário deve guardar
em local coberto, ventilado, ao abrigo da chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até seis (6) meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.
PARA EMBALAGEM FLEXÍVEL
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas — modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local adequado.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado a com lacre, o qual devera ser adquirido nos Canais de Distribuição.
PARA EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NAO CONTAMINADA)
ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
E obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
E PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
PRODUTOS IMPROPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais,
rações, medicamentos ou outros materiais.
RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO
FEDERAL OU MUNICÍPIO:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis)

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.
Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.

Compatibilidade

Vide Aplicação/Uso