Bula Zapp Pro - Syngenta

Bula Zapp QI 620

Glifosato
12908
Syngenta

Composição

Glifosato 620 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Herbicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Sistêmico, Seletivo condicional

Algodão

Calda Terrestre Dosagem
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Arroz

Dosagem Calda Terrestre
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Café

Dosagem Calda Terrestre
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Cana-de-açúcar

Calda Terrestre Dosagem
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Saccharum officinarum (Cana de açúcar)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Citros

Calda Terrestre Dosagem
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Feijão

Dosagem Calda Terrestre
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Maçã

Dosagem Calda Terrestre
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Milho

Calda Terrestre Dosagem
Amaranthus viridis (Caruru comum) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Brachiaria plantaginea (Papuã) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Soja

Calda Terrestre Dosagem
Amaranthus viridis (Caruru comum) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Brachiaria plantaginea (Papuã) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Trigo

Dosagem Calda Terrestre
Avena sativa (Aveia)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria brizantha (Braquiarão)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Conyza bonariensis (Buva)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Pennisetum purpureum (Capim elefante)
Senecio brasiliensis (Maria Mole)
Sida rhombifolia (Guanxuma) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sorghum halepense (Capim massambará)

Bombona Metálica de 5, 10, 20, 25, 57, 100, 180 e 200 litros; Bombona Plástica de 25, 57, 100, 180 e 200 litros; Frasco Metálico de 1 e 5 litros; Frasco Plástico de 0,10, 0,25, 0,50 e 2 litros: Tambor de Aço /Ferro/ Fibra /Metal de 25, 50, 55, 57, 60, 100, 180, 200, 220, 240 e 500 litros; Tambor Plástico de 25, 50, 55, 57, 60, 180, 220, 240 e 500 litros ; Tanque/ Farm-pack de Metal/ Plástico de 500, 1.000 25.000, 2.000, 5.000, 10.000 e 20.000 litros; Tanque/ Farm-pack de Metal/ Plástico de 15.0, 30.000, 35.000, 40.000, 45.000, 50.000, 55.000, 60.000 e 70.000 litros

INSTRUÇÕES DE USO

Culturas, plantas infestantes, doses, número e época de aplicação: Zapp Pro é um herbicida sistêmico, seletivo condicional (seletivo para soja e milho geneticamente modificados com resistência ao glifosato, e não seletivo para as demais variedades e híbridos de soja e milho convencionais), para aplicação em pós-emergência das espécies daninhas, em área total, nas seguintes modalidades:
• Aplicação em área total, antes do plantio das culturas de: algodão, arroz, cana-de-açúcar, feijão, milho, soja e trigo - sistema de plantio direto ou cultivo mínimo.
• Aplicação dirigida à entrelinha das culturas de: café, citros e maçã.
• Aplicação em área total para eliminação da soqueira da cana-de-açúcar.
• Aplicação na pós-emergência (em área total) nas culturas de soja e milho, ambos geneticamente modificados com resistência ao glifosato.
MODO DE APLICAÇÃO

ZAPP PRO é um herbicida seletivo condicional, de ação sistêmica recomendado para o controle de plantas infestantes anuais e perenes, podendo ser aplicado das seguintes formas. Em culturas convencionais, entendam-se culturas não modificadas geneticamente para resistência ao glifosato, o Zapp Pro deve ser aplicado:
• Antes do plantio das culturas anuais ou perenes, no sistema de plantio direto ou cultivo mínimo;
• Através da aplicação dirigida à entrelinha de culturas perenes (jato dirigido), evitando-se atingir a cultura ou usando equipamentos de aplicação que a protejam. A aplicação de Zapp Pro em culturas de soja e/ou milho geneticamente modificadas (resistentes ao glifosato), deve ser realizada em pós-emergência das espécies daninhas e das culturas, em área total, e pode ser aplicado uma única vez ou em esquema sequencial:
• Aplicação única: Recomendada para densidades médias a baixas de plantas daninhas. Seguir os estágios de crescimento e épocas recomendados no quadro acima. A melhor época para controle das plantas daninhas em pós-emergência inicial, quando a cultura estiver em V2 – V3, e as plantas daninhas também se encontrarem em estádios iniciais de desenvolvimento, permitindo melhor cobertura das folhas das plantas daninhas.
• Aplicação sequencial (duas aplicações): Recomendada para áreas de altas infestações e/ ou para controlar plantas daninhas com vários fluxos de germinação, sendo uma aplicação em estádio mais precoce, com a soja entre V2 e V3 (ou 15 a 20 dias após a emergência da cultura), e o milho com 2 a 4 folhas, na dose de 1,0 L/ha, e a aplicação sequencial dentro de um intervalo de 10 a 15 dias após a primeira aplicação, também na dose de 1,0 L/ha. Em áreas com infestação de trapoeraba (Commelina benghalensis), recomenda-se a aplicação sequencial de Zapp Pro nas doses de 1,0 L/ha na primeira aplicação, seguida da aplicação sequencial na dose de 1,0 L/ha, e intervalos recomendados acima. De modo geral, a melhor época para controlar as plantas infestantes perenes corresponde ao período próximo ao florescimento. Para as plantas infestantes anuais, a melhor época encontra-se do período inicial de desenvolvimento vegetativo até a fase de pré-florescimento. Os melhores resultados de controle são obtidos quando Zapp Pro é aplicado sobre plantas infestantes em pleno desenvolvimento vegetativo, sob boas condições de umidade do solo e alta umidade relativa do ar, tanto antes quanto depois da aplicação. Não se deve aplicar Zapp Pro em plantas infestantes submetidas a estresse hídrico sob pena de redução da eficácia do herbicida.
Zapp Pro pode ser aplicado das seguintes formas:

Via terrestre

Utilizar volume de calda de 100 a 250 Litros por hectare e bicos tipo leque ou cone, que proporcionem distribuição uniforme da calda de aplicação sobre as folhas das plantas infestantes. Deve se observar a pressão de aplicação recomendada pelo fabricante de bicos ou pontas de aplicação. Os equipamentos poderão ser costais (manuais ou motorizados) ou tratorizados. Evite o uso de pressões muito elevadas (acima de 40 libras/polegada2 ou 275 kilopascal) nos equipamentos de aplicação, pois poderá haver a formação de névoa que pode atingir as folhas e partes verdes das plantas, danificando-as. Não aplicar com velocidade do vento superior a 10 km/h.

Aplicação aérea - parâmetros:
Volume de calda: 30 a 40 Litros por hectare.
Bicos na aeronave preferencialmente da série D, com difusor 56 (D6, D8 ou D10), ponta de jato plano da série 65 ou 80 ou CP nozzles, utilizando uma pressão de 15 a 30 psi.

Obs.: Selecionar tamanho do furo de acordo com o resultado do cálculo de calibração.

Faixa de aplicação: aeronave Ipanema = 15 m; Air tractor = 20 m.
Diâmetro das gotas: DMV = 400 micrômetros.

Condições climáticas: temperatura até 27º C e umidade relativa do ar mínima de 55%, preferencialmente com vento cruzado em relação ao sentido de voo, com velocidade entre 3 e 10 km/h.

Não aplicar em condições de inversão térmica. Nas operações com aeronaves atender às normas da Portaria 009 e às suas alterações no Decreto-Lei 86.765 do Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Utilizar somente empresas e pilotos de aplicação aérea que sigam estritamente às normas e regulamentos da aviação agrícola, devidamente registrados junto ao MAPA, e que empreguem os conceitos das boas práticas na aplicação aérea dos produtos fitossanitários. Recomendamos a utilização de empresas certificadas para aplicação aérea.

Seletividade às culturas

Zapp Pro é um herbicida seletivo condicional, não-seletivo à maioria das culturas quando aplicado em pós-emergência sobre as mesmas, e seletivo às culturas geneticamente modificadas com resistência ao glifosato quando aplicado em pós-emergência. A seletividade é obtida através das modalidades de aplicação:
- Antes do plantio das culturas anuais ou perenes, no sistema de plantio direto ou cultivo mínimo.
- Através da aplicação dirigida nas entrelinhas de culturas perenes (jato dirigido), evitando-se atingir a cultura ou usando equipamentos de aplicação que a protejam. Para as culturas de soja e milho geneticamente modificadas para resistência ao glifosato, o Zapp Pro é seletivo, quando aplicado em pós-emergência sobre as folhas das culturas e das plantas daninhas, nas doses e estádios de aplicação indicados.

Preparo da calda

Agitar vigorosamente o produto antes da diluição, ainda na embalagem. O produto, nas quantidades pré-determinadas em função da dose recomendada, deve ser despejado diretamente no tanque do pulverizador parcialmente cheio (1/4 do volume cheio), com o sistema de agitação em funcionamento. Em seguida completar o volume do tanque com água. Caso aconteça algum imprevisto que interrompa a agitação do produto possibilitando a formação de depósitos no fundo do tanque pulverizador, agitar vigorosamente a calda antes de reiniciar a operação. Preparar apenas a quantidade necessária de calda para uma aplicação, pulverizando logo após a sua preparação.
Cuidados no preparo da calda:
- Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto siga as orientações de bula descritas nos primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
- Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
- Utilize equipamento de proteção individual – EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, botas de borracha e luvas de nitrila.
- Manuseie o produto em local aberto e bem ventilado.

INTERVALO DE SEGURANÇA
Algodão: O intervalo de segurança para a cultura do algodão é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e préemergência da cultura.
Arroz, cana-de-açúcar, feijão, trigo: Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego.
Café, maçã: 15 dias
Citros 30 dias
Milho: O intervalo de segurança para a cultura do milho é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e préemergência da cultura. O intervalo de segurança para a cultura do milho geneticamente modificado, que expressa resistência ao glifosato, é de 90 dias, quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e da cultura.
Soja: O intervalo de segurança para a cultura da soja é não determinado quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e préemergência da cultura. O intervalo de segurança para a cultura da soja geneticamente modificada, que expressa resistência ao glifosato, é de 56 dias, quando o agrotóxico for aplicado em pós-emergência das plantas infestantes e da cultura.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Utilize este produto de acordo com as recomendações em rótulo e bula. Esta é uma ação importante para obter resíduos dentro dos limites permitidos no Brasil (referência: monografia da ANVISA). No caso de o produto ser utilizado em uma cultura de exportação, verifique, antes de usar, os níveis máximos de resíduos aceitos no país de destino para as culturas tratadas com este produto, uma vez que eles podem ser diferentes dos valores permitidos no Brasil ou não terem sido estabelecidos. Em caso de dúvida, consulte o seu exportador e/ou importador.

Fitotoxicidade para as culturas indicadas

Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Quando este produto for utilizado nas doses e condições recomendadas, não causará danos às culturas indicadas. Restrições de uso:
- Zapp Pro não apresenta atividade herbicida quando aplicado diretamente ao solo, não apresentando, portanto, atividade residual para controle de plantas infestantes ainda não emergidas. Caso ocorra nova emergência de plantas infestantes após a aplicação de Zapp Pro, a aplicação de outros herbicidas registrados para essas culturas poderá ser necessário, principalmente no caso de culturas perenes. - Não se deve adicionar adjuvante à calda de aplicação de Zapp Pro.
- Zapp Pro pode causar danos às culturas convencionais, caso o jato de aplicação atinja as folhas ou ramos das mesmas. Desse modo, precauções devem ser tomadas de modo a evitar que o jato de aplicação atinja a cultura na qual estão sendo controladas as plantas infestantes.
- Não utilizar água com coloides em suspensão (argila, por exemplo) para preparo da calda e aplicação do produto, nem aplicar sobre plantas infestantes cobertas com poeira, pois poderá haver redução na eficácia do produto.
- Não aplicar Zapp Pro sobre plantas infestantes submetidas a estresse hídrico sob pena de redução da eficácia do herbicida. Respeite as leis federais, estaduais e o Código Florestal, em especial a delimitação de Área de Preservação Permanente, observando as distâncias mínimas por eles definidas. Nunca aplique este produto em distâncias inferiores a 30 metros de corpos d’água em caso de aplicação terrestre, e 250 metros em caso de aplicação aérea. E utilize-se sempre das Boas Práticas Agrícolas para a conservação do solo, entre elas a adoção de curva de nível em locais de declive e o plantio direto.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS

Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, botas de borracha e luvas de nitrila.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.

Zapp Pro é classificado como grupo G (Glicinas) na classificação de Modo de Ação do HRAC. Seu sítio de ação é classificado como “Inibidores da EPSPs (Enoil Piruvil Shiquimato Fosfato Sintase)”. O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes. Como prática de manejo e resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.