Milho começa semana em alta na B3

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Eliza Maliszewski
ESTIMATIVA

Milho começa semana em alta na B3

No mercado internacional, a China continuou sendo o destino mais ativo
Por: -Leonardo Gottems

O mercado de milho na B3 de São Paulo começou a semana em nova alta expressiva, principalmente para os meses da Safrinha brasileira, de acordo com informações da TF Agroeconômica. “Com isto, a cotação de maio fechou em alta de R$ 0,80 no dia a R$ 103,53 (máxima atingiu R$ 104,19); a de julho avançou R$ 1,61 no dia para R$ 99,80 e a de setembro avançou R$ 1,34 no dia para R$ 95,30”, comenta a consultoria. 

“Negócios físicos mais firmes, acima de R$ 100,00, continuam a dar suporte às cotações do mercado futuro. Os relatos de importações de milho argentino por empresas brasileiras continuam e de que há atrasos no plantio de milho nos EUA e preocupações com o clima, deram suporte ao mercado”, completa a consultoria. “Os executivos das grandes empresas, ao se antecipar e fazer grandes importações de milho e trigo para ração (apesar de negarem), parecem confirmar nossa convicção de que os preços irão subir nos três longos meses que ainda faltam até o início da colheita da Safrinha brasileira”, indica. 

No mercado internacional, a China continuou sendo o destino mais ativo, levando 354.848 toneladas do Golfo dos Estados Unidos, 205.317 toneladas da PNW e outras 247.599 toneladas de sorgo do Golfo dos Estados Unidos. “Corretores relataram que ainda há interesse do Egito para o carregamento imediato de milho, com lances ouvidos em torno de US$ 280/t CFR e por US$ 260/t FOB equivalente. Os agricultores ucranianos finalmente começaram a plantar milho com os primeiros 35.830 ha concluídos, ou 1% dos 5,3 milhões de ha planejados”, informa. 

“Em outros lugares, as importações de milho da União Europeia caíram para 93.292 mi de toneladas durante a semana, registrando outra baixa no ano até o momento para o ano de comercialização, uma vez que o interesse dos compradores pelas importações de milho derreteu em meio à alta dos preços”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink