Preços mundiais do arroz caíram 2% em março
CI
Imagem: Pixabay
INFOARROZ

Preços mundiais do arroz caíram 2% em março

Em 2020, o comércio mundial cresceu 2,9%, para 45,5 Mt contra 44,2 Mt em 2019
Por:

Em março, os preços mundiais do arroz caíram 2% em função da chegada de novas safras na Ásia e no Hemisfério Sul, com exceção dos preços indianos. Eles permanecem firmes graças à forte demanda nos países asiáticos e africanos, mas continuam sendo os mais competitivos do mercado. A demanda global deve permanecer forte dentro do contexto da pandemia Covid-19 e da progressão do consumo mundial de 2% em 2021. É o aumento anual mais forte desde 2013. O comércio mundial também deve aumentar significativamente em 6%, estimulado pela demanda africana, que poderia se recuperar expressivamente em 15% para quase 18 Mt, o equivalente a 37% das importações mundiais e 43% do consumo anual do continente africano.

Do lado dos exportadores, a Índia continua a sua dinâmica com uma taxa de exportação mensal de 1,5 Mt, e poderá estabelecer um novo recorde de vendas de quase 16 Mt em 2021. Em março, o índice OSIRIZ / InfoArroz (IPO) caiu 4,8 pontos para 238,3 pontos (base 100 = janeiro de 2000) contra 243,1 pontos em fevereiro. No início de abril, o índice IPO ainda tendia a descer para 232 pontos.

Produção mundial

De acordo com as últimas estimativas da FAO, a produção mundial de arroz em 2020 teria aumentado 2,1% para 773,5 Mt (513,6 Mt base beneficiado). A produção asiática aumentou graças à extensão das áreas plantadas e melhores rendimentos na China e na Índia. Na Índia, a produção teria aumentado 3,5%, enquanto na China estima-se que tenha crescido apenas 0,5%. Na Tailândia, a produção melhorou em 3,7%, apesar da seca sofrida em meados do ano. Nos Estados Unidos, a safra cresceu 22% em relação ao ano anterior. Na América Latina, a produção também se recuperou, principalmente no Brasil.

Na África Subsaariana, a produção de arroz foi atingida porinundações no final do ciclo de colheita, especialmente nas  regiões ocidentais, e não deve melhorar muito em comparação com 2019, o que aumentará significativamente as necessidades de importação em 2021.

Comércio e estoques mundiais

Em 2020, o comércio mundial cresceu 2,9%, para 45,5 Mt contra 44,2 Mt em 2019. As necessidades de importação foram maiores na América Latina e no Caribe devido a um salto no consumo de arroz relacionado à pandemia de Covid-19. A Índia, o maior exportador do mundo, viu suas exportações dispararem em 50% graças a preços extremamente competitivos. Em contraste, as vendas tailandesas caíram novamente em 25%, atingindo o nível mais baixo em vinte anos. O Vietnã resistiu melhor à onda
indiana, com queda de apenas 4,5%, subindo para o segundo lugar no ranking mundial e ultrapassando a Tailândia pela primeira vez em sua história. Em 2021, as previsões indicam uma recuperação significativa no comércio mundial de 6% para 48,2 Mt, 2,7 Mt a mais do que em 2020.

Uma forte demanda de importação espera-se no Bangladesh e nos países africanos como Nigéria, Costa do Marfim e Senegal. Os estoques mundiais de arroz no final de 2020 diminuíram de 1,5%, para 182,7 Mt contra 185,3 Mt em 2019. No entanto, eles permanecem em níveis satisfatórios, representando 36% das necessidades mundiais. Essa queda afetou principalmente a China, mas suas reservas ainda são importantes, equivalentes a 70% de seu consumo anual. Por outro lado, os estoques dos principais países exportadores devem aumentar novamente em 2020/21 para chegar a 53 Mt, ou 30% dos estoques mundiais.

Entretanto, os estoques deveriam ser reduzidos nos principais países importadores, especialmente nos países africanos. Em 2021, os estoques mundiais poderiam permanecer estáveis em torno de 182,7 Mt.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink