Bula BORAL FULL

acessos
Tebuthiuron
12916
FMC - Campinas

Composição

Sulfentrazone 265 g/L Triazolona
Tebuthiuron 310 g/L Uréia

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Seletivo, Sistêmico
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Beldroega
(Portulaca oleracea)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Capim colonião
(Panicum maximum)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Carrapicho rasteiro
(Acanthospermum australe)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Corda de viola
(Ipomoea hederifolia)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Falsa serralha
(Emilia sonchifolia)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Malva branca
(Sida cordifolia)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Tiririca
(Cyperus rotundus)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
2,5 a 3 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio ( em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes

Tipo : Bag in box
Material: fibra de papel com bolsa plástica interna
Capacidade: 1,0;5,0;10;20;1.000;1.250 L

Tipo : Bombona
Material: COEX/ PEAD/ PET; Plástico
Capacidade:5,0;10;20;25;50 L

Tipo : Bulk
Material:COEX/ PEAD/ PET; Plástico com estrutura metálica; ferro revestido com resina epóxi; metal/ plástico com palllet de madeira; metal/plástico com pallet de metal
Capacidade:500;1.000;2.000;3.000;4.000;5.000;10.000 L

Tipo : Conatiner
Material: COEX/PEAD/PET; metal/plástico com pallet de plástico; metal/plástico com pallet de metal; plástico com estrutura metálica;metálico
Capacidade:100;200;300;400;500;945;1.000 L

Tipo : Contentor Intermediário (IBC)
Material: Plástico com estrutura metálica COEX/PEAD/PET
Capacidade:100;200;300;400;500;945;1.000 L

Tipo : Farm- Pack
Material:COEX/PEAD/PET; metal/plástico com pallet de plástico; metal/plástico com pallet de metal; plástico com estrutura metálica;metálico
Capacidade:100;200;300;400;500;945;1.000 L

Tipo :Frasco
Material: Plástico; Poly-nylon; COEX/PEAD/PET
Capacidade:0,2;0,25;,03;0,5;1,0;1,5;2,0;2,5;3,0;5,0 L

Tipo : Isocontainer
Material: metálico
Capacidade:100;200;300;400;500;945;1.000 L

Tipo : Isotanque
Material:Metálico
Capacidade:100;200;300;400;500;945;1.000 L

Tipo: Mini-Bulk
Material:COEX/ PEAD/ PET; Plástico com estrutura metálica; ferro revestido com resina epóxi; metal/ plástico com palllet de madeira; metal/plástico com pallet de metal
Capacidade:100;200;300;400;500 L

Tipo: Tambor
Material: Metálico; Plástico; COEX/PEAD/PET; Polietileno; Poly-nylon; Ferro revestidocom resina epoxi
Capacidade:5,0;10;20;25;50;100;200;300;400 L

INSTRUÇÕES DE USO
Boral Fuil é um herbicida pré-emergente seletivo condicional de ação sistêmica, recomendado para o controle de plantas infestantes na cultura da cana-de-açúcar.
NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO
Boral Full pode ser aplicado em qualquer estação do ano, tanto nas águas como na seca. Aplicado em solo úmido, Boral Full atuará imediatamente no controle das plantas infestantes que começam a germinar. Aplicado em solo seco, Boral Fuil permanecerá na superfície do solo, aguardando a ocorrência de chuvas para começar a atuar no controle das plantas infestantes. O produto deve ser aplicado antes ou após o plantio (em cana-planta) ou depois do corte (em cana-soca) em pré-emergência das plantas infestantes. Cultivos mecânicos, com cultivadores de dentes ou de discos, efetuados de acordo com as necessidades da cultura, não afetarão a atividade do Boral Full, desde que realizados após a ocorrência de chuvas (30 mm) e com boa qualidade de operação do cultivo.
Uma única aplicação no ciclo da cultura da cana-de-açúcar é suficiente para eliminar as plantas infestantes.
MODO DE APLICAÇÃO
CANA-DE-AÇÚCAR
Aplicar o Boral Full na pré-emergência da cultura da cana-de-açúcar e das plantas infestantes. Caso ocorram aplicações em cana-de-açúcar já brotada, poderá ocorrer clorose localizada pela ação do contato com o Boral Full, havendo recuperação total da planta. Deve-se evitar aplicação em cana-de-açúcar em pós-emergência com mais de 20 cm de altura.
PREPARO DA CALDA
Colocar água limpa no tanque do pulverizador até a metade de sua capacidade, após o mesmo estar calibrado com a correta vazão. Adicionar Boral FulI na dose calculada de acordo com a dose recomendada. Acionar o agitador e completar com água o tanque de pulverização. Ao aplicar o produto não se faz necessário usar o agitador.
EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO
A aplicação de Boral Full poderá ser efetuada através de equipamentos manuais, tratorizados e aeronaves agrícolas.
Equipamentos terrestres:
Bicos: bicos de jato plano (leque) com ângulo de jato de 110° e dos tipos (LP, DG, TK, TF ou ADI), dentre outros de boa qualidade.
Todos os bicos da barra de aplicação deverão estar à mesma altura em relação ao solo Pressão: -Pulverizadores manuais e tratorizados: de 20 a 40 psi.
-Equipamentos com bicos de jato plano convencional: não ultrapassar a pressão de 40 psi. -Não utilizar bicos de jato plano uniforme (ex.: 110.02 E) a não ser em aplicações exclusivamente na linha de plantio ou de uma única faixa.
Volume de calda: 200 a 300 L/ha.
Diâmetro e densidade de gotas: DMV de 450 pm e densidade mínima de 20 gotas/cm2.
Faixa de deposição: utilizar distância entre bicos na barra de aplicação de forma a permitir maior uniformidade na distribuição de gotas, sem áreas com falhas ou excesso.
Aeronaves agrícolas:
Bicos: bicos de jato piano da série 8010 ou 8015.
Diametro e densidade de gotas: DMV de 420 a 480 pm e densidade mínima de 20 gotas/cm2. Número de bicos:
- Aviões Ipanema: 40 a 42 bicos, fechando de 4 a 5 em cada extremidade das asas e três intermediários de cada lado próximo a fuselagem, mantendo em operação os oito bicos sob a fuselagem (barriga), e posicionados no mesmo ângulo dos bicos das asas.
- Outros modelos de aeronaves agrícolas: utilizar a deposição que permita uma uniformidade de distribuição das gotas.
Altura de vôo: 3 a 5 metros em relação ao nível do solo.
Volume de aplicação: 30 a 40 L/ha
Faixa de deposição:
- Aviões Ipanema e similares: faixa máxima de 15 m.
Aviões grandes: não devera exceder 22 m.
Ângulo da barra: entre 120 e 135° (UR > 70%). Aumentar o ângulo com a redução da umidade relativa do ar (UR).
Condições climáticas: - Temperatura ambiente: máximo 28°C
- Umidade relativa do ar (UR): mínima 70% - Velocidade do vento: 2 a 10 km/hora.
Equipamento manual (costal):
Utilizar preferencialmente equipamentos com pressão constante que permitam uma distribuição homogênea do herbicida. Utilizar bico (1 ou 2) leque Teejet 80.03 ou 80.04 ou bico Floodjet tipo TK-2 ou TK-3, com pressão entre 25 e 30 lb/pol`, com o volume de calda de 250 a 350 L /ha. Não pulverizar quando a velocidade do vento for superior a 10 km/h.
Se houver erro de aplicação ou aplicação fora das recomendações acima descritas, que possibilite a deriva do produto para culturas sensíveis (girassol, milho, hortas, pomares, viveiros, casas de vegetação (estufas), jardins, videiras, arvoredos, vegetações fibeirinhas e outras nativas), poderá ocorrer branqueamento das partes atingidas, em função do modo de ação do produto.
INTERVALO DE SEGURANCA
Não é especificado devido a modalidade de use do produto ser a aplicação antes da emergência das plantas daninhas e da cultura.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E AREAS TRATADAS
(Vide as recomendações aprovadas pelo Órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS).
LIMITAÇÕES DE USO
• Na aplicação em cana-de-açúcar recém-germinada ou brotada podem ocorrer cloroses iniciais e "queimas" com manchas vermelhas localizadas nas folhas, onde houver contato do produto com as folhas ou brotações, porém com recuperação rápida sem afetar o desenvolvimento da planta e sua produtividade. Portanto, deve-se evitar aplicação em cana-de-açúcar em pós-emergência contendo mais de 20 cm de altura.
• Evitar sobreposição de faixas de aplicação; se isto ocorrer, poderá haver danos à cultura da cana-de-açúcar.
• A tolerância de novas variedades ao produto deverá ser estabelecida antes de ser usado em larga escala.
• Culturas intercalares à cana-de-açúcar ou rotacionais, não devem ser praticadas dentro de 24 meses após a última aplicação de Boral Full. A implantação de culturas intercaladas ou rotacionais como soja, amendoim, crotalária, sorgo, algodão e milho, dentre outras, será condicionada ao estrito seguimento das doses recomendadas para a cana-de-açúcar. com a conseqüente redução de doses nas aplicações seguintes.
• Não utilizar Boral Full nas calçadas, estradas, gramados, pátios, quadras de tênis ou áreas similares, onde se estendam as raízes de árvores ou de outras plantas que se desejam conservar, ou em locais onde o produto possa ser arrastado, entrando em contato com essas raízes.
• Na ocorrência de chuvas excessivas após aplicação de Boral Fuli em solos altamente arenosos, poderá ocorrer leve clorose nas folhas da cultura, entretanto, estas recuperam-se sem afetar o desenvolvimento da planta ou sua produtividade.
Fito toxicidade: o produto utilizado dentro das recomendações indicadas nesta bula não induz efeitos fito tóxicos á cultura da cana-de-açúcar.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANIVISA/MS.

I. PRLCAUCOES DE L.S0 E ADVERTENCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTECAO AO MEIO AM BI ENTE:
Altamente Perigoso ao Melo Ambiente (CLASSE I)
Muito Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE II) I l Perigoso ao Melo Ambiente (CLASSE III)
Não Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSL IV)
Este produto ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
Este produto ALTAMENTE MOVEL. Apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir, principalmente, águas subterrâneas.
- Este produto ALT.AM NIL TOXIC() para algas.
- Este produto ALTAMENTE TOXICO para plantas gut: se deseje preservar. Não aplique 0 PRODUTO próximo a áreas de preservação ou onde possa ocorrer superficial para essas Áreas ou atingir corpos hídricos.
Evite a contaminação ambiental
- Preserve a Natureza,
Não utilize.equipamentos vazamento
Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
Não lave as embalagens nu equipamento aplicador em lagos, fortes, rios e demais corpos d'água. Evite. a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna. a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em areas situadas a uma distância inferior a 50() (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público é de 250 (duzentos c cinqüenta) metros mananciais de água, moradias isoladas.,agrupamentos de animais e vegetação suscetível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes as atividades aeroagricolas.
2. (INSTRUCOES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANI)0 SUA CONSERVAçãO E PREVEN00 CONTRA ACIDENTES:
Mantenha o produto em sua embalagem original sempre fechada.
O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas,rações ou outros materiais.
A construção deve ser de alvenaria ou di: material não combustível.
O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
Tranque o local evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843 da Associação Brasileira Normas TECNICAS- ABNT.
Observe as disposições constantes da legislação estadual c municipal.
3, INSTRUCOES EM CASO DE ACIDENTES: - Isole e sinalize a área com aminada,
Contate as autoridades locais competentes e a empresa FMC Química do Brasil Ltda. — telefone: (XX34)33 19- 3019.
- Utilize o equipamento de proteção individual - CPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e mascara com filtros).
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre ,bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
• Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com o auxílio de unia pá e
Coloque cm recipiente lacrado e identificado devidamente. 0 produto derramado não deverá ser mais utilizado.
Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
• Solo: retire a% camadas de terra contaminada ate atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em uni recipiente, lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima. • Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO,ou pt químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicações.
4. (PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO)'. TRANSPORTE E DES1'INAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UUTI I,IZAÇÃO OU EM DESUSO:
EMJ ALAGEM RÍG (]A LAVÁVEL
• LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's — Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto. • Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa á embalagem até' do seu volume:
- Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos.;
Despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

• Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o.jato dc água:
Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 3() segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adut.ar os seguintes procedirnentos :
- 1iiediatame ate a1u7s o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos .
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob
Pressão direcionando o jato ele água para todas as paredes internas da embalagem, por 3lt
segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador:
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Cavabum ou Lavagem sob Pressão, essa embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
m armazenamento das embalagens vazias, ate: sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em] local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva c com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias,
• DEVOLUCAO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com
tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, c ainda esteja dentro de sett prazo de validade. será facultada a devolução da embalagem em ate 6 meses após o termino do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano apos a devolução da embalagem vazia,
• TRANSPORTE
As embalagens vazias podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos. rações, animais e pessoas.
EMBALACEMALUMAA0 LAVAVEL
• ESTA EMBALM; EM NAO PODE SER LAVADA
• ARMAZENAMENTO DA EMBALACEM VAZIA
O armazenamento das embalagens vazias, ate sua devolução pelo usuário. deve ser efetuado em local coberto ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no o local onde são guardadas as embalagens- cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.
• DEVOLUCAO DA EMBALACEM VAZIA
No prazo de ate um ano da data da compra, 6 obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde h i adquirido o produto ou no local indicado na nova fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produtos não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de desse prazo de validade, facultada devolução da embalagem cm ate 6 meses após n termino do prazo de validade.
Usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo) de um ano após a devolução da embalagem vazia.
• TRANSPORTE
As embalagens vazias podem ser transportadas junto com alimentos,bebidas, medicamentos,
rações, animais c pessoas.
E.MBALACEM Flexivel
• ESTA EMBALACEM NAO PODE SER LAVADA
• ARMAZENAMENTO l) EMBALACEM VAZIA:
0 armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em loco I coberto, ventilado, ao abrigo do chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, cm sacos plástico Transparente (linhagens Padronizadas - modelo AIIN T), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.
• DEVOLLICAO DA EMBALACEM VAZIA
No prazo de ate um ano da data da compra, 6 obrigatória a devolução da embalagem vazia. com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e. ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até f meses após o término do prazo de validade.
() usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
• TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, (bebidas, anedie;?nunca,`, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas 6 modelo ABNT). devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de distribuição.
EMBALAGEM SECLINDÁRIA(NÃ() CONTAMINADA
• ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
0 armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilação, ao abrigo de chuva e. com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
• DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
• TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junta com alimentos, bebidas, medicamentos, raçôes animais e pessoas.
DESTINAÇÃO FINS ELAS EI49BAL GFNS VAZIA,
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realidade pela Empresa Regístrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
• É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM LISTA EMBALAGEM VAZIA 011 O FRACIONAMENTO E REEMBALAGF.M DESTE PRODUUTO.
(• EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA LIESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS I)E PRODUTOS:
A Destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causam contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
Produto IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
('uso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rotulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente,
S. TRANSPORTE DE AGROTÚXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito as regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui a acompanhamento da ficha dc emergência do produto, hem como determina alue os a rotóxieos mio podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações medicamentos e outros materiais.
6. RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir pare o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes.
Como pratica de manejo de resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados pare a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um Engenheiro Agrônomo.

m uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas daninhas resistentes a esse mecanismo de ação.
Como pratica de manejo de resistência de plantas daninhas, deverão ser aplicados, alternadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados pare a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um Engenheiro Agrônomo.