Bula No-Nema - Biovalens

Bula No-Nema

acessos
Bacillus amyloliquefaciens, isolado BV03
34518
Biovalens

Composição

Bacillus amyloliquefaciens 42 g/L Nematicida microbiológico

Classificação

Nematicida Microbiológico
IV - Pouco tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Nematicida microbiológico

Alface Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Nematóide das galhas
(Meloidogyne incognita)
0,5 a 4 L p.c./ha 60 a 600 L de calda/ha - Realizar no máximo cinco aplicações com intervalo de 7 dias. Não determinado. A primeira aplicação pode ser feita em sulco de plantio e as demais necessárias realizada no solo

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

O produto NO-NEMA deve ser diluído em água e aplicado via terrestre através de pulverização ou via drench (esguicho) no solo visando a área que irá receber as mudas e ou sementes (sulco de plantio ou cova). O produto deve ser aplicado no momento do plantio ou transplante das culturas, evitando que o sulco de plantio ou cova fiquem abertos por longos períodos e expostos a radiação solar após a aplicação do produto. Utilizar a dose mais alta em regiões com histórico de nematóides e/ou em condições mais favoráveis ao desenvolvimento destes alvos (histórico de alta pressão, temperaturas e precipitações altas). As menores doses devem ser utilizadas em locais de menor pressão e/ou em condições climáticas menos favoráveis ao desenvolvimento da praga.

MODO DE APLICAÇÃO:

Aplicação terrestre: A aplicação deve ser realizada através de pulverizador costal ou de barra tratorizado, calibrado para trabalhar com pressão e volume de calda constante. Devem ser equipados com pontas que reduzam perdas por deriva e promovam uma cobertura homogênea sobre o solo, conforme as recomendações do fabricante. Independente da cultura indica-se que a aplicação seja realizada com o solo úmido ou, caso necessário, com leve irrigação após a aplicação do produto. O volume de calda deve seguir os parâmetros mais indicados para a cultura a ser utilizada. Seguir a recomendação de um Engenheiro Agrônomo de acordo com as características de cada cultura, podendo variar de 60 a 600 L/ha.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:

- Evitar efetuar pulverizações nas horas mais quentes do dia (temperatura superior a 30°C).
- Velocidade do vento: até 10km/h.
- UR: 60%
- Evitar efetuar pulverizações em condições de inversões térmicas ou de calmaria total que podem ocorrer no início do dia, fim de tarde ou após chuvas prolongadas intensas.
- Durante as pulverizações, observar a direção e intensidade dos ventos.
- A velocidade do trator deve ser em torno de 6km/h.

EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:

A escolha dos equipamentos a serem utilizados para aplicação deste produto poderá sofrer alterações a critério do Engenheiro Agrônomo, tomando-se o cuidado de evitar sempre a deriva e perdas do produto por evaporação. Preparo da calda: Primeiro passo - limpeza do tanque e bicos de pulverização: A limpeza deve ser realizada antes do preparo da calda de pulverização. Possui objetivo de eliminar resíduos de herbicidas, inseticidas e/ou fungicidas químicos. Deve ser realizada com sabão neutro, longe de lagos e rios. Os resíduos devem ser descartados em local apropriado de acordo com a legislação. Segundo passo - Preparo da calda de pulverização:

1. Transferir água para o tanque de pulverização até 50% de sua capacidade.
2. Transferir o produto NO-NEMA para o tanque de pulverização, utilizando filtros na linha de transferência.
3. Manter tanque de pulverização sob agitação.
4 . Transferir água para o tanque de pulverização até 100% de sua capacidade. Observação: A aplicação deve ser realizada logo após o preparo da calda de pulverização e o equipamento utilizado deve realizar a agitação constante da calda.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Não determinado em função da não necessidade de estipular o LMR para este ingrediente ativo.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NA CULTURA E ÁREAS TRATADAS:
A reentrada de pessoas nas culturas poderá ocorrer após 24 horas após a aplicação. Caso haja necessidade de reentrada na lavoura ou áreas tratadas antes deste prazo, usar macacão com tratamento hidrorrepelente de mangas compridas, luvas e botas de borracha, os Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

LIMITAÇÕES DE USO:
Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. A fim de prevenir a degradação do produto, recomenda-se realizar a aplicação do produto sempre no final da tarde, evitando os horários mais quentes do dia.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS: (VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA)

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM UTILIZADOS:
(Vide Modo de Equipamento de Aplicação).

DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:
(VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE)

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:
(VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE)

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA A UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
(VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE)

Precauções quanto a saúde:

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

Precauções quanto ao Meio ambiente:

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS / MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS:

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitóides), controle microbiano, controle por comportamento, uso de variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos com mecanismo de ação distinto.

INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA:

Qualquer agente de controle de pragas pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o organismo alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Recomenda-se as seguintes estratégias de manejo de resistência, visando prolongar a vida útil dos produtos: - Qualquer produto para controle de praga da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga. - Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula. - Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o Manejo Integrado de Pragas (MIP). - Incluir outros métodos de controle (ex. Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de MIP, quando disponível e apropriado.