Bula Trop - Adama

Bula Trop

Glifosato
3495
Adama

Composição

Glifosato - Sal de Isopropilamina 480 g/L
Equivalente ácido de Glifosato 355,67 g/L

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Não seletivo, Sistêmico, Pós-emergência

Algodão

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)
Triticum aestivum (Trigo voluntário) (Trigo)

Arroz

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Oryza sativa (Arroz vermelho) (Arroz vermelho)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)
Triticum aestivum (Trigo voluntário) (Trigo)

Café

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Cana-de-açúcar

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Saccharum officinarum (Cana de açúcar)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Citros

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Eucalipto

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Maçã

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Milho

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Oryza sativa (Arroz vermelho) (Arroz vermelho)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)
Triticum aestivum (Trigo voluntário) (Trigo)

Pinus

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Seringueira

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Soja

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Oryza sativa (Arroz vermelho) (Arroz vermelho)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)
Triticum aestivum (Trigo voluntário) (Trigo)

Trigo

Acanthospermum australe (Carrapicho rasteiro)
Acanthospermum hispidum (Carrapicho de carneiro)
Aeschynomene rudis (Angiquinho)
Ageratum conyzoides (Mentrasto)
Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Amaranthus viridis (Caruru comum)
Andropogon bicornis (Capim rabo de burro)
Avena strigosa (Aveia preta)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria decumbens (Capim braquiária)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Cynodon dactylon (Grama seda)
Cyperus rotundus (Tiririca)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Digitaria insularis (Capim amargoso )
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Hyptis suaveolens (Cheirosa)
Ipomoea grandifolia (Corda de viola)
Ipomoea purpurea (Corda de viola)
Leonurus sibiricus (Rubim)
Lepidium virginicum (Mastruço)
Lolium multiflorum (Azevém)
Panicum maximum (Capim colonião)
Paspalum dilatatum (Capim melado)
Pennisetum setosum (Capim custódio)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)
Rhynchelitrum repens (Capim favorito)
Setaria geniculata (Capim rabo de raposa)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida glaziovii (Guanxuma branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Sonchus oleraceus (Serralha)
Sorghum arundinaceum (Sorgo selvagem)
Sorghum halepense (Capim massambará)

Embalagens plásticas para 100, 150, 250 e 500 mL. Frascos plásticos com 200 mL, 1 e 2 L. Frasco metálico de 2 L. Galão plástico com 5 e 20 L. Galão plástico e metálico de 50 L. Bombona plástica de 10 L. Tambor plástico com 100 e 200 L. Tanque portátil metálico de 20000 L.

INSTRUÇÕES DE USO:
O TROP é um herbicida pós-emergente, sistêmico, de ação total, não seletivo, recomendado para as seguintes indicações:
a)Controle de plantas infestantes em áreas cultivadas em aplicações dirigidas nas culturas de café, citros, maçã e cana-de-açúcar.
b)Controle das plantas infestantes em aplicação em área total antes da semeadura nas culturas da soja, milho, algodão, trigo e arroz, no sistema de plantio direto ou mínimo.
c)Eliminação das soqueiras de cana-de-açúcar, nas reformas dos canaviais ou para o sistema de cultivo mínimo ou plantio direto da cana-de-açúcar.
d)Uso como maturador em aplicação total sobre a cultura da cana-de-açúcar.
e)Controle não seletivo em pós-emergência de plantas infestantes nas áreas de implantação de espécies florestais de Eucalipto e Pinus (Pré-Plantio).
f)Controle não seletivo em pós-emergência de plantas infestantes nas aplicações entrelinhas, para a limpeza após a implantação de espécies florestais de Eucalipto e Pinus (Pós-emergência).
g)Controle, através de aplicação em pós-emergência das plantas infestantes constantes do quadro abaixo, em florestas implantadas (Pinus e Eucalipto).
h)Controle em cobertura total das plantas infestantes, na aplicação de manejo de áreas agrícolas, em condições de pousio, quando da implantação das culturas registradas indicadas.

CULTURAS, PLANTAS DANINHAS CONTROLADAS E DOSES:
Vide a seção “Indicações de Uso/Doses”

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
O produto deve ser aplicado sobre as plantas infestantes anuais quando as mesmas estiverem nos estádios mais ativos de vegetação, entre a fase jovem até a formação dos botões florais.

Para as espécies perenes é melhor aplicar o produto próximo e/ou durante a floração. Sendo aplicado nestes estádios, uma só aplicação pode ser suficiente para o controle.

Para as espécies anuais, a aplicação das doses menores ou maiores irá depender da fase de desenvolvimento das plantas infestantes.

Para as espécies perenes as doses menores são recomendadas para as plantas infestantes que estiverem na fase inicial de desenvolvimento e as doses maiores quando as plantas infestantes estiverem na fase adulta ou perenizada.

TROP, aplicado no período adequado, conforme as recomendações, controlará as plantas infestantes, com única aplicação.

Para as espécies Oryza sativa e Echinochloa crusgalli, por serem espécies mais tolerantes, aplicar 4,0 L/ha quando no estádio de até 20 cm; nos estádios de 20 a 40 cm, aplicar as doses de 4,0 a 5,0 L/ha e a partir de 40 cm aplicar a dose de 6,0 L/ha.

Para as espécies Brachiaria decumbens, Panicum maximum e Sorghum halepense, que também são consideradas espécies tolerantes, recomenda-se aplicar 2,0 L/ha até o estádio de 20 cm; 3,0 L/ha para o estádio de 30 cm; 4,0 L/ha para o estádio de até 40 cm e a partir de 40 cm, aplicar a dose de 5,0 L/ha.

Para as espécies Andropogon bicornis, Cynodon dactylon e Digitaria insularis deverá ser utilizada a dose de 3,0 L/ha até o estádio de 30 cm; 4,0 L/ha para o estádio de até 40 cm e até 50 cm a dose aplicada deverá ser de 5,0 L/ha.

Para a espécie Sida rhombifolia a dose de 2,0 L/ha deve ser usada quando a planta estiver até o estádio de 20 cm; a dose de 3,0 L/ha quando a planta estiver até o estádio de 30 cm e a partir de 30 cm a dose será de 4,0 L/ha.

Para a espécie Cyperus rotundus, a dose de 3,0 L/ha somente deve ser utilizada quando a infestação for de baixa densidade populacional, no estádio máximo de 4 folhas, sendo a invasão recente na área e oriunda da fonte de inócuo de outra localidade, em primeiro surgimento, e que não possua sistema radicular profundo. As doses maiores que 4,0 L/ha até a dose máxima de 5,0 L/ha devem ser utilizadas quando as infestações da já se encontram instaladas em densidade média a alta e em vários estádios vegetativos.

No sistema de plantio direto ou cultivo mínimo nas culturas de algodão, arroz, cana-de-açúcar, milho, soja e trigo, o controle das plantas infestantes é feito uma única vez, antes da semeadura ou plantio das culturas.

Para as culturas de café, cana-de-açúcar, citros e maçã, o controle em pós-emergência das plantas infestantes é feito em jato dirigido, de modo a evitar o contato do TROP com as folhas das culturas, ramos ou caules sensíveis.

Na cultura da seringueira o controle de plantas infestantes deve ser feito na dose máxima de 5 litros de produto comercial por hectare.

O uso de TROP na cultura da cana-de-açúcar pode ser feito nas seguintes condições:
a) Aplicação entre Linhas: Normalmente esta aplicação é realizada quando ocorre a presença de plantas infestantes perenes, como tiririca, capim-colonião, capim-massambará ou grama-seda. A aplicação deve ser feita dirigida às plantas infestantes, nas doses recomendadas e com equipamentos que evitem o contato do produto com as folhas da cultura.
Para as plantas infestantes como capim-massambará e grama-seda, que além das sementes são também disseminadas através de rizomas, poderá ocorrer rebrotes que posteriormente poderão requerer novas aplicações.
b) Reforma do canavial (eliminação de soqueiras): Nestas aplicações o TROP deve ser aplicado em área total, quando ocorrer infestações de plantas infestantes entre as linhas, ou poderá ser aplicado somente sobre as linhas da cultura na ausência de plantas infestantes. A época ideal é quando as soqueiras de cana-de-açúcar estiverem com 80 a 120 cm de altura utilizando a dose de 4,0 a 6,0 L/ha. Não aplicar logo após a roçagem, sendo necessário aguardar até o aparecimento de área foliar suficiente para absorver a dose letal.
c) Maturador da Cana-de-Açúcar: O TROP pode ser utilizado como maturador em cana-de-açúcar, podendo ser aplicado em qualquer época da safra, sendo mais comum no final da safra, com o objetivo mínimo de manter um bom nível de maturação, evitando a queda natural que ocorre com o início da época de chuva, podendo ainda elevar o potencial natural de maturação tanto da cana de ano, ano e meio ou cana soca.
O período de aplicação do TROP nesta modalidade pode ser manejado em função das características industriais, adequando-se as doses de acordo com os níveis dessas características e o tempo entre a aplicação e a colheita, onde as doses de 0,7 L/ha, são para as áreas que se deseja colher aos 30 dias, e as doses menores como 0,4 L/ha, para áreas com colheita desejada a partir de 30 dias. O momento exato de realizar a colheita deverá estar sempre associado às análises laboratoriais dos níveis das características industriais, de acordo com os aumentos significativos desses níveis de retorno econômico.
Melhores resultados são obtidos nas doses de 0,4 a 0,7 L/ha, aplicado via aérea, utilizando-se barra com bicos convencionais, com um consumo de 30 a 40 L/ha de calda.
Em cana pronta para florescer, não se deve realizar a aplicação quando o processo de florescimento estiver em fase adiantada (cartucho).
O período de carência entre a aplicação do TROP como maturador e a colheita de cana-de-açúcar é de 30 dias.

Para as espécies florestais Eucalipto e Pinus, o controle das plantas infestantes pode ser feito nas seguintes condições:
a) Aplicação em jato dirigido: Normalmente esta aplicação é realizada quando ocorre a presença de plantas úteis. A aplicação deve ser feita dirigida às plantas infestantes, nas doses recomendadas e com equipamentos que evitem o contato do produto com as folhas, ramos ou caules jovens das plantas úteis.
b) Aplicação em área total: Nestas condições deve ser aplicado em área total, onde se necessita controle de todas as plantas infestantes existentes e onde não existem plantas úteis a serem protegidas. Não aplicar logo após a roçagem, sendo necessário aguardar até o aparecimento de área foliar suficiente para absorver a dose letal.

MODO DE APLICAÇÃO:
1)Aplicação terrestre: O TROP pode ser aplicado através de pulverizadores costais manuais, costais pressurizados e pulverizadores tratorizados convencionais, equipados com filtros adequados ao tipo de bico, pressão e volume de calda desejado, de acordo com as condições do ambiente.

Bico leque séries: 8001 – 1004 :
. Pressão: 30 lib/pol²
. Espaçamento: 50 cm
. Velocidade: 4,0 km/h
. Volume de calda: 100-400 l/ha (Bicos 8001 e 11001 – 100 l/ha; Bicos 8002 e 1002 – 200 l/ha, Bicos 8003 e 1003 – 300 l/ha, Bicos 8004 e 1004 – 400 l/ha).

Turbofloodjet TF02, TF04:
Pressão: 30 lib/pol²
Espaçamento: 50 cm
Velocidade: 4,0 km/h
Volume de calda:200-400 l/ha (TF02 – 200 l/ha e TF04 – 400 L/ha).

As pulverizações devem cobrir uniformemente as plantas infestantes, evitando escorrimentos, que só causam perda e mau funcionamento do produto.
Podem ser utilizados de 100 a 400 L/ha de calda, quantidade esta que pode ser variável em função do estádio e grau de infestação das plantas infestantes. Deve-se sempre utilizar água limpa.
No plantio das culturas indicadas, as aplicações de limpeza (manejo) devem ser em área total 7 a 15 dias antes do plantio e 20 a 30 dias para a cana-de-açúcar quando houver a presença das soqueiras.
Pode-se usar o produto para controle não seletivo das plantas infestantes, nestes casos, as aplicações podem ser feitas em área total ou apenas dirigidas sobre as áreas infestadas.

2)Aplicação Aérea: Deve ser realizada através de aeronaves de asa fixa, modelos Ipanema, Airtractor ou outro, desde que adequado para esta finalidade. A aeronave deve estar equipada com uma barra com bicos do tipo D-20, core 46 ou semelhante, sendo a largura da faixa de deposição de 15 a 20 m, pressão de 15 a 30 psi proporcionando um volume de calda de 30 a 50 L/ha e a altura de vôo com 4 a 5 metros acima do alvo.
Os bicos utilizados deverão promover uma cobertura uniforme sem escorrimento do produto e deverá proporcionar sobre o alvo, no mínimo 20 gotas/cm² com DMV de 420 a 450 µ.
Não utilizar bicos rotativos tipo micronair em aplicações aéreas.
Para outros modelos de aeronaves, ainda em uso no Brasil, deverão ser efetuadas correções no equipamento para atender os parâmetros exigidos, quanto ao tipo de bico, ângulo a utilizar, pressão de trabalho e o volume de calda/ha, sendo a faixa de deposição condicionada ao desempenho aerodinâmico da aeronave.
A aplicação aérea só é recomendada na implantação de espécies florestais como Eucalipto e Pinus em aplicação em pré-plantio.
TROP não é recomendado para aplicação aérea em pós-plantio culturas de Pinus e Eucalipto. Neste caso aplica-se o produto em jato dirigido, de modo a evitar o contato do produto com as partes sensíveis das plantas como folhas e ramos ou caules jovens.

ATENÇÃO: A aplicação aérea somente deve ser realizada quando não existe o risco de ocorrer contato da pulverização com culturas sensíveis ao produto TROP. Portanto a indicação desta modalidade de aplicação deve ser previamente avaliada pelo Engenheiro Agrônomo ou Técnico Responsável.

- Condições Climáticas:
O produto não deve ser aplicado sob condições de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
Ocorrência de chuvas no período de até 5 horas após a aplicação pode afetar a eficiência do produto. Este intervalo de tempo é necessário para a absorção do produto pelas folhas e sua translocação pela planta.
A aplicação de TROP em plantas que estão em estresse devido à estiagem prolongada, poderá reduzir a eficiência dos resultados.
As aplicações deverão ser realizadas nos primeiros horários da manhã, evitando as horas mais quentes do dia e retornando nos finais de tarde.
É aconselhável aplicar quando a umidade relativa for superior a 55% e a temperatura de 15 a 28° C.
Evitar aplicações com ventos superiores a 6,0 km/hora ou fazer uso de equipamentos que reduzam significativamente a deriva em condições adversas, evitando o contato com as culturas e áreas vizinhas.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão, Arroz, Cana-de-açúcar (pós-emergência), Milho, Trigo: Intervalo de segurança não determinado, devido à modalidade de uso.
Café e maçã: 15 dias.
Cana-de-açúcar (maturador) e Citros: 30 dias.
Eucalipto, Pinus e Seringueira: UNA (Uso Não Alimentar).

LIMITAÇÕES DE USO:
- O produto é de controle não seletivo, portanto, não deve entrar em contato com as folhas das culturas indicadas.
- Seguindo as instruções de uso, o produto não causa fitotoxicidade às culturas indicadas.
- O uso de água barrenta pode diminuir efetivamente a ação do produto.
- O produto também pode não apresentar efeito completo em plantas infestantes localizadas nas margens de estradas não pavimentadas, pois devido ao tráfego de veículos, uma camada de poeira/argila deposita-se sobre as folhas, adsorvendo e inativando total ou parcialmente a ação do produto.
- O produto não deve ser aplicado em rebrotes (após roçagem), antes que estes rebrotes tenham estruturas vegetativas com capacidade para absorver a dose letal para o seu perfeito controle (especialmente para as plantas infestantes perenes).
- O TROP não possui ação residual no solo, assim poderão ocorrer reinfestações oriunda das sementes existentes e a reinfestação é dependente dos fatores climáticos, culturais e densidade populacional no banco de sementes.
- O TROP não deve ser aplicado em plantas infestantes que estejam com efeito do estresse hídrico, quer seja condições de seca ou excesso de água.
- Não armazenar a solução herbicida em recipientes de ferro galvanizado, ferro ou aço comum.
- Sob ameaça de chuva, suspenda a aplicação.
- Evitar pastoreio ou ingestão de plantas por animais logo após a aplicação de TROP.

PRECAUÇÕES GERAIS: Antes de usar leia com atenção as instruções: Utilize equipamentos de proteção individual para seu manuseio. Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos. Não utilize equipamentos de proteção individual e de aplicação danificados e/ou defeituosos. Não desentupa bicos, orifícios, tubulações e válvulas com a boca. Não manipule e/ou carregue embalagens danificadas. Aplique somente as doses recomendadas pelo fabricante.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA: use protetor ocular (óculos ou viseira facial), máscara apropriada, luvas e botas de borracha e macacão com mangas compridas. Mantenha pessoas, principalmente crianças e animais domésticos longe do local de trabalho. Não entre em contato direto com o produto. Distribua o produto da embalagem original do fabricante e procure evitar sobras. Mantenha as eventuais sobras do produto em suas embalagens originais. Evite derrames ou a contaminação do equipamento durante o seu abastecimento.

PRECAUÇÕES DURANTE O USO: use botas de borracha e macacão com mangas compridas na pulverização tratorizada; além destes, use luvas de borracha, chapéu de aba larga na pulverização com equipamento costal. Não aplique o produto nas horas mais quentes do dia, contra ou na presença de ventos fortes e evite sua deriva. Mantenha pessoas, principalmente crianças e animais domésticos longe da área de aplicação.

PRECAUÇÕES APÓS O USO: não reutilize embalagens vazias. Após o uso e esgotamento, certifique-se de que as embalagens foram lavadas três vezes (tríplice lavagem); inutilize-as e dê destino adequado as mesmas. Mantenha as embalagens com sobras de produtos adequadamente fechadas, em local de armazenamento próprio e trancado, longe do alcance de crianças e animais. Recolha, limpe e guarde os equipamentos de proteção individual utilizados. Tome banho, troque e lave as suas roupas. Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. Mantenha pessoas, principalmente crianças e animais domésticos longe da lavoura até a secagem completa da calda de aplicação. Fora deste período, utilize botas de borracha e macacão com mangas compridas.

ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: O Glifosato é absorvido lentamente pelo trato gastro-intestinal, em doses orais de 6 a 8 mg/kg, 80% apareceu nas fezes. O material remanescente após 05 dias foi recuperado em grande parte no cólon. A excreção urinária foi de 07 a 11% da dose e menos de 01% foi encontrado no ar expirado (C02).

SINTOMAS DE ALARME: Podem ocorrer irritações locais e/ou reações alérgicas e dermatites de contato; dor na boca e garganta, irritação da mucosa oral, esofágica e gástrica, vômitos e diarréia que podem evoluir para choque; irritações na garganta e no trato respiratório superior. Associados a confirmação de exposição ao produto, esses sintomas indicam intoxicação.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: provoque vômito, procure o médico, Ievando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: lave-os com água em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: lave-a com água e sabão em abundância e, se houver irritação, procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: procure local arejado e vá ao médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Medidas Terapêuticas. A critério médico, utilizar antídotos de ação ampla, que modifiquem a toxicocinética e/ou a toxicodinâmica do produto, como Xarope de Ipeca (emese), Carvão Ativado, (absorção digestiva) e Purgativos Salinos (catarse). O tratamento deve ser instituído somente a critério médico e envolve a lavagem gástrica em caso de ingestão de grandes quantidades do produto e a higienização das áreas do corpo do paciente atingidas, dando atenção especial as regiões que sofreram maior depósito ou que podem reter o produto (cabelo, ouvido, axilas, umbigo, unhas e genitais). Cuidados de suporte. Examinar cuidadosamente o paciente, se sinais de irritação oral ou esofageana estiverem presentes ou houverem evidências de alterações do SNC, não induza emese.

INSTRUÇÕES GERAIS: Este produto é PERIGOSO - CLASSE III - ao meio ambiente. Evite a contaminação ambiental- Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contacte as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize os EPI's (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada; Em caso de derrame, estancar o escoamento não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de água naturais, siga as instruções: Piso Pavimentado: recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada; Corpos d'água: interromper imediatamente o consumo humano e animal e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido; Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2, ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 metros de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 metros, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres: CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Observar legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas inadequadas, consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes.
Como prática de manejo e resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrada para cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.

CORROSIVO AO FERRO COMUM E/OU GALVANIZADO.