Safrinha pode ter perda de 20%

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Pixabay
OFERTA

Safrinha pode ter perda de 20%

Reduziria a segunda safra entre 68 e 70 milhões de toneladas
Por: -Leonardo Gottems

Continua a preocupação a estiagem prolongada e com o tempo seco que afetam a segunda safra de milho no Brasil, a popularmente chamada “safrinha”. O último boletim do Deral-PR (Departamento de Economia Rural do Paraná) confirmou que algumas regiões do estado da região Sul estão sem chuvas expressivas e de grande abrangência há 50 dias, aponta a Consultoria AgResource Brasil.

“Se a perspectiva de pouca chuva durar até maio, há possibilidade de queda de 20% na produção do cereal, o que reduziria a segunda safra entre 68 e 70 milhões de toneladas, com a colheita total de milho atingindo entre 91 e 93 milhões de toneladas”, apontam os analistas de mercado. 

De acordo com os especialistas, isso cortaria as exportações brasileiras de milho para a temporada 2020/2021 em nove a doze milhões de toneladas. “Isso abriria uma possibilidade de embarques para os Estados Unidos e Ucrânia de agosto a janeiro. Além disso, o Brasil importaria cada vez mais toneladas de milho argentino até julho”, projeta a Consultoria.

A outra atenção do mercado, ressaltam os analistas de mercado da AgResource Brasil, são para as condições climáticas nos Estados Unidos, que está iniciando o plantio de soja e milho. “Por lá, o tempo seco no médio prazo preocupa e temperaturas abaixo de 0°C no cinturão produtor. Porém, os mapas indicam a chegada de chuvas no meio-oeste e a entrada de uma massa de ar seco, o que pode aumentar o ritmo de semeadura no país”, concluem os especialistas.

Clima

Ainda de acordo com a AgResource Brasil, a última atualização de modelo climático norte-americano (GFS) e europeu (ECM) mantém a previsão de tempo para Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás e Mato Grosso nos próximos 10 dias: “Além disso, os mapas diminuem as chances de chuvas, que haviam sido previstas anteriormente para o Rio Grande do Sul”.

“A previsão do tempo indica um aprofundamento da seca e da perda de umidade, o que deve acabar em cortes significativos de rendimento do milho safrinha. A falta de chuva é sustentada pela oscilação dos padrões tropicais (MJO) que se posiciona na região tropical e oferece chuvas no Norte da América do Sul, porém reduzindo as mesmas no Sul”, finalizam os analistas.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink