Bula Biobac - Arysta Lifescience

Bula Biobac

Bacillus subtilis linhagem Y1336
26816
Arysta Lifescience

Composição

Bacillus subtilis Linhagem Y1336 500 g/kg

Classificação

Fungicida microbiológico, Bactericida microbiológico
IV - Produto Pouco Tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato, Amplo espectro

Abacate

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Acelga

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Aipo

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Alcachofra

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Alface

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Algodão

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Alho

Alternaria porri (Mancha púrpura)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Alho-poró

Alternaria porri (Mancha púrpura)

Amendoim

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Arroz

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Batata

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Berinjela

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Beterraba

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Brócolis

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Café

Hemileia vastatrix (Ferrugem do cafeeiro)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Caqui

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Cebola

Alternaria porri (Mancha púrpura)
Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Cebolinha

Alternaria porri (Mancha púrpura)

Cenoura

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Chicória

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Citros

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Couve

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Couve-flor

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Crisântemo

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Ervilha

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Eucalipto

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Feijão

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Feijão vagem

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Framboesa

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Fumo

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Girassol

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Goiaba

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Gramados

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Helicônia

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Jiló

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Kiwi

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Maçã

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Neofabraea perennans (Olho-de-boi)

Mamão

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Manga

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Melancia

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Melão

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Milho

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Morango

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Pepino

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Pera

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Pêssego

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Pimentão

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Repolho

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Sorgo

Rhizoctonia solani (Damping-off)

Tomate

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Uva

Botrytis cinerea (Mofo cinzento)

Tipo de embalagem: Saco
Material: Polietileno
Capacidade: 0,1; 0,2; 0,25; 0,3; 0,35; 0,4; 0,45; 0,5; 1; 2; 2,5; 3; 5; 10; 15; 20; 25 e 50 kg

Tipo de embalagem: Saco
Material: Papel, plástico ou metálico
Capacidade: 0,1; 0,2; 0,25; 0,3; 0,35; 0,4; 0,45; 0,5; 1; 2; 2,5; 3; 5; 10; 15; 20; 25 e 50 kg

Tipo de embalagem: Frasco
Material: Plástico ou metálico
Capacidade: 0,1; 0,2; 0,25; 0,3; 0,35; 0,4; 0,45; 0,5; 1; 2; 2,5; 3; 5; 10; 15; 20; 25 e 50 kg

Tipo de embalagem: Caixa
Material: Papelão
Capacidade: 0,1; 0,2; 0,25; 0,3; 0,35; 0,4; 0,45; 0,5; 1; 2; 2,5; 3; 5; 10; 15; 20; 25 e 50 kg

Tipo de embalagem: Tambor
Material: Plástico ou Metálico
Capacidade: 20; 25; 50; 100; 200 e 250 kg

Tipo de embalagem: Container
Material: Metálico ou em estrutura de madeirite naval com bolha de polietileno
Capacidade: 100; 20 ; 500 e 1000 kg

Tipo de embalagem: Big- bag
Material: Tecido com proteção impermeável
Capacidade: 100; 200; 500; 1000; 1100; 1200; 1300; 1500; 2000; 5000 e 10000 kg

INSTRUÇÕES DE USO:
BIOBAC é um fungicida microbiológico com ação de contato e amplo espectro de ação, que deve ser aplicado em pulverização foliar. BIOBAC tem seu uso autorizado para controle dos alvos biológicos indicados abaixo em qualquer cultura na qual ocorram. Produto com eficácia agronômica comprovada para as culturas: alface, batata, café, cebola, maçã, morango e violeta.
MODO DE APLICAÇÃO:
Evidenciado o efeito protetor, deve-se fazer uso preventivo de BIOBAC. Recomenda-se utilizar as menores dosagens em situações de menor pressão de inoculo e/ou em condições climáticas menos favoráveis ao desenvolvimento das doenças. As aplicações preventivas podem ser repetidas com intervalo de 7 dias, usando-se volume de calda e tamanho de gotas adequado à boa cobertura das partes das culturas (folhas, flores e/ou frutos), conforme indicado na tabela acima. Nas aplicações foliares, utilizar adjuvantes conforme recomendação do fabricante, exceto para as hortaliças folhosas como alface.
O produto deve ser pulverizado através de aplicações foliares terrestres, proporcionando uma boa cobertura e penetração do produto.
Nas culturas de alface, batata, berinjela, cebola, cenoura, couve-flor, escarola, eucalipto, feijão, feijão-vagem, girassol, melão, morango, pepino, pimentão, salsão, tomate uva, framboesa, caqui, goiaba, kiwi, maçã, manga, pêssego e pera, o volume de calda necessário é de 200 a 1000 L/ha, dependendo do porte das plantas.
Na cultura do citros, o volume de calda necessário é de 800 a 2000 L/ha, dependendo do porte das plantas.
Na cultura do café, o volume de calda necessário é de 400 a 600 L/ha, dependendo do porte das plantas.
Observações locais deverão ser efetuadas visando evitar a deriva do produto para áreas vizinhas.
Adicionar a quantidade recomendada de BIOBAC no tanque pulverizador com ¼ (25%) de sua capacidade com água limpa e completar o volume, mantendo a calda sob contínua agitação. A agitação deve ser constante durante a preparação e aplicação do produto. Caso aconteça algum imprevisto que interrompa a agitação do produto possibilitando a formação de depósitos no fundo do tanque do pulverizador, agitar vigorosamente a calda antes de reiniciar a operação.
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:
- Evitar efetuar pulverizações nas horas mais quentes do dia (temperaturas superior a 30 ºC);
- Velocidade do vento: até 10 km/h.
- UR: 60%
- Evitar efetuar pulverizações em condições de inversões térmicas ou de calmaria total que podem ocorrer no início do dia, fim de tarde ou após chuvas prolongadas intensas.
- Durante as pulverizações, observar a direção e intensidade dos ventos.
- A velocidade do trator deve ser em torno de 6 km/h.
EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:
Para hortaliças, culturas de pequeno porte ou viveiros (alface, berinjela, cebola, cenoura, couve-flor, escarola, morango, pimentão, tomate, flores, eucalipto, entre outras), em cultivos protegidos como estufas ou sistema de túneis baixos, sistema semi-hidropônico ou por gotejamento, utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado ou tratorizados, dotados com bicos de jato cônico, com pressão de trabalho suficiente (60 a 150 libras/pol2 ) para proporcionar tamanho de gotas adequado (50 a 200 µm) à boa cobertura das plantas, densidade acima de 100 gotas/cm2 . Para frutíferas ou culturas de porte arbóreo/arbustivo (framboesa, café, caqui, citros, goiaba, kiwi, maçã, manga, pêssego, pera, entre outras), utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado, tratorizado ou atomizador, dotados com bicos de jato cônico, com pressão de trabalho (100 a 150 libras/pol2 ) suficiente para proporcionar tamanho de gotas (50 a 200 µm) adequado à boa cobertura das plantas, densidade acima de 100 gotas/cm2 . Para culturas conduzidas em espaldeira (uva, entre outras), utilizar pulverizadores manual, pressurizado, motorizado, turbo atomizadores ou pulverizadores de pistola com pressão de trabalho suficiente para proporcionar tamanho de gotas entre 50 e 200 µm em densidade maior que 100 gotas/cm2 .
INTERVALO DE SEGURANÇA
Intervalo de segurança não determinado em função da não necessidade de estipular o limite máximo de resíduo (LMR) para este produto.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
A reentrada de pessoas na cultura só deve ser permitida após a completa secagem da calda de pulverização aplicada (24 horas). Caso seja necessária a reentrada na lavoura antes deste período, é obrigatório utilizar os mesmos equipamentos de proteção individual (EPI) utilizados durante a aplicação.
LIMITAÇÕES DE USO:
O produto não é fitotóxico quando utilizado nas doses e condições recomendadas. Armazenar o produto em ambiente seco. Mantê-lo sempre em sua embalagem original. Manter sempre a embalagem fechada quando não estiver em uso.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. Uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Para o manejo da resistência e um melhor controle das doenças, recomenda-se alternar o uso de BIOBAC com outros princípios ativos registrados para as culturas, bem como medidas disponíveis e viáveis de controle. Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. A vida útil dos fungicidas pode ser prolongada através das seguintes estratégias:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações sucessivas na mesma doença;
- Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula;
- Consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das recomendações locais para o manejo de resistência;
- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas biológicos e químicos, manejo da irrigação, etc) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID).