Bula Dicamax

acessos
Dicamba
17816
Basf

Composição

Dicamba 480 g/L Ácido benzóico

Classificação

Herbicida
II - Altamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Sistêmico, Pós-emergência, Hormonal
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Buva
(Conyza bonariensis)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Carrapicho beiço de boi
(Desmodium tortuosum)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Caruru gigante
(Amaranthus retroflexus)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Erva de touro
(Tridax procumbens)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Fedegoso branco
(Senna obtusifolia)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Losna
(Artemisia verlotorum)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Maria Mole
(Senecio brasiliensis)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Picão preto
(Bidens pilosa)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Rubim
(Leonurus sibiricus)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Serralha
(Sonchus oleraceus)
1 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura. 7 dias Aplicação do produto em pré-plantio da cultura e pós-emergência das plantas daninhas. Usar a dose mais elevada em infestações maiores e/ou estádio mais avançado das plantas daninhas
Soja Dessecação Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Soja
(Glycine max)
1 a 4 L p.c./ha 200 L de calda/ha - Uma única aplicação, observando-se intervalo mínimo de 7 dias antes da colheita (estádio R 7.5). Não determinado devido a modalidade de emprego. A aplicação em dessecação em pré-colheita da cultura deve ser realizada quando a soja estiver fisiologicamente madura

Frasco plástico de 100; 250; 500 e 600 mL;
Frasco plástico de 1; 1,5 e 1,6 L;
Bombona plástica de 2; 2,5; 3; 5; 10; 20; 50 e 100 L;
Bag-in-box de papelão ou plástico de 100; 250; 500 e 600 mL;
Bag-in-box de papelão ou plástico de 1; 1,5; 1,6; 2; 2,5; 5; 10 e 20 L;
Stand-up pouch com tampa plástico ou plástico metalizado de 100; 250; 500 e 600 mL
Stand-up pouch com tampa plástico ou plástico metalizado de 1; 1,5; 1,6; 2; 2,5; 5; 10 L;
Lata/balde plástico ou metálico de 1; 5; 10 e 20 L;
Tambor plástico ou metálico de 50; 100; 190; 200 e 210 L;
Tanque/ Container intermediário de plástico, metal ou fibra de papel com bolsa plástica interna ou metal/plástico ou metal / plástico com pallet de madeira de 950; 960; 970; 980; 990; 1000; 1800; 2000; 2700 e 3000 L;
Tanque / Isocontainer/ Caminhão tanque metálico de 5000; 10000; 15000; 16000; 17000; 18000; 19000; 20000; 21000; 22000; 23000; 24000; 25000; 29000 e 30000 L.

INSTRUÇÕES DE USO:
DICAMAX é um herbicida hormonal, sistêmico, pós-emergente, derivado do grupo dos ácidos benzôicos, que simula a ação dos hormônios auxínicos, específico para controle de plantas daninhas de folhas largas. É absorvido por folhas e raízes via floema e xilema, sendo transportado a todas as partes da planta de forma rápida, acumulando-se nas áreas de crescimento ativo, inibindo seu desenvolvimento. As aplicações devem ser feitas em plena atividade de crescimento vegetativo e nas condições recomendadas, requerendo um período mínimo de 4 horas para ser completamente absorvido pelas plantas. Em condições de estresse hídrico diminui sua translocação dentro das plantas.
DICAMAX é recomendado no controle de plantas daninhas no pré-plantio da cultura de soja cultivada no sistema de plantio direto ou cultivo mínimo.
DICAMAX11 também é recomendado em aplicação de dessecação em pré-colheita da cultura da soja com o objetivo de antecipar e/ou homogeneizar a colheita.
NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
• A aplicação do produto em pré-plantio da cultura da soja e na pós-emergência das plantas daninhas deverá observar o intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação e a semeadura.
• A aplicação em dessecação em pré-colheita da cultura deve ser realizada quando a soja estiver fisiologicamente madura observando-se o intervalo de no máximo 7 dias antes da colheita (estádio R7.5).
• Para cada modalidade de uso, uma única aplicação é suficiente para se obter os efeitos desejados. • Melhores resultados podem ser observados quando:
- As aplicações são realizadas em plantas daninhas em estádio inicial de desenvolvimento (até 10 cm); - Ocorre uma boa cobertura das plantas daninhas com a calda da pulverização;
- As plantas daninhas estão fisiologicamente ativas;
- As aplicações são feitas em condições climáticas adequadas.
• As aplicações onde o manejo é feito previamente com herbicidas a base de glifosato tem mostrado excelente complementação para o controle de plantas daninhas.
MODO DE APLICAÇÃO:
Aplicação Terrestre: Quando este produto for utilizado nas doses e modalidade de uso recomendadas, não causará danos à cultura indicada. As recomendações a seguir relacionadas são importantes para uma correta aplicação:
- Equipamento de aplicação: utilizar equipamento de pulverização tratorizado provido de barras. Ao aplicar o produto, siga sempre as recomendações da bula para que haja sempre urna boa cobertura da pulverização sobre as plantas daninhas e evite sobreposição das faixas de pulverização. Calibre o equipamento de aplicação para assegurar uma distribuição uniforme na dose correta ao alvo desejado.
- Bicos: a seleção correta do bico é um dos parâmetros mais importantes para redução da deriva. Use bicos que forneçam gotas de categoria média a grossa em torno de 250 a 450 micras de diãmetro. Para evitar possível efeito de deriva, recomenda-se utilizar bicos com indução de ar como AIXR, TTI, ULD. Gotas maiores reduzem o potencial de deriva. Caso tenha dúvida quando a pressão correta e o tamanho das gotas consulte a recomendação do fabricante do bico.
- Altura de barras de aplicação: a altura ideal da barra é entre 50 a 60 cm acima do dossel de plantas daninhas a serem controladas. Diminuir a altura da barra reduz a exposição de gotas às condições ambientais, como a evaporação e vento. Controladores automáticos de altura da barra são recomendadas para manter a altura ideal do bico com relação ao alvo.
- Velocidade do vento: a faixa ideal para pulverização está entre 05 a 15 Km/h dependendo da configuração do sistema de aplicação e da susceptibilidade das culturas vizinhas. O terreno pode influenciar os padrões de vento. Um aplicador familiarizado com os padrões de ventos locais minimiza possíveis riscos da pulverização atingir áreas não alvo.
- Velocidade do equipamento: selecione uma velocidade entre 12 e 25 km/h observando o volume e a pressão de pulverização desejada. Velocidades mais baixas, geralmente resultam em uma melhor cobertura e deposição na área alvo.
- Volume de aplicação: recomenda-se o volume de calda de 200 litros/ha;
- Pressão de trabalho: Observar sempre a recomendação do fabricante, se assegurando uma a pressão de trabalho de 1.5 a 5bar (40 a 80 PSI) Para muitos tipos de bicos, baixa pressão produz gotas maiores. Quando for necessário elevar o fluxo, use bicos que permitam maior vazão ao invés de aumentar a pressão. Caso o equipamento possua sistema de controle de aplicação, assegure que os parâmetros de aplicação atendam a recomendação de uso.
- Período de chuvas: chuva dentro de 04 horas após aplicação pode afetar o desempenho produto. Evite aplicar logo após a ocorrência de chuva ou sereno da manhã, enquanto as plantas daninhas estiverem molhadas.
- Temperatura e umidade: Aplique apenas em condições ambientais favoráveis. Baixa umidade e altas temperaturas aumentam a evaporação da água de pulverização, reduzindo o tamanho da gota e aumentando o potencial de deriva. Evite pulverizar durante condições de baixa umidade (menores que 70%) e altas temperaturas (maiores que 300C). Não aplicar o produto em temperaturas muito baixas ou com previsão de geadas.
- Preparação da calda: Coloque água limpa no tanque do pulverizador até 3/4 de sua capacidade de tal forma que atinja a altura do agitador (ou retorno) acionado, adicione a quantidade recomendada de DICAMAX®. Com o agitador ligado complete o volume do tanque com água e mantenha sob constante agitação durante a pulverização. A aplicação deve ser realizada no mesmo dia da preparação da calda.
- Limpeza de tanque: logo após o uso limpe completamente o equipamento de aplicação (tanque, barra, bicos e filtros) realizando a tríplice lavagem antes de utilizá-los na aplicação de outros produtos.
O aplicador é responsável por considerar estes fatores na tomada de decisão de aplicação, evitando assim pulverização de produto em áreas não alvo. Seguir as recomendações de aplicação da bula para evitar riscos de deriva. Todos os equipamentos de aplicação devem ser corretamente calibrados. O aplicador deve estar familiarizado com todos os fatores que interferem na ocorrência da deriva.
Para maiores esclarecimentos consulte representante técnico da BASE S.A.
LIMITAÇÕES DE USO:
1. Não é recomendada a pulverização aérea de DICAMAX®.
2. Respeitar o intervalo mínimo de 30 dias entre a aplicação em pré-plantio e o plantio da soja.
3. Somente as seguintes culturas poderão ser plantadas em rotação com a cultura da soja após a dessecação pré-colheita com DICAMAX': arroz, trigo, cevada, aveia, azevém, amendoim, ervilha, tremoço, milho, cana de açúcar, sorgo
4. Algodão, feijão, soja, crucíferas, leguminosas, cítricos, café, maçã, girassol, tomate, batata, uva, pepino, tabaco, flores ornamentais, são culturas susceptíveis a este herbicida. Uma forma de evitar potenciais efeitos adversos é criar uma área de bordadura de no mínimo 50 m entre a área de aplicação e estas culturas.
5. Não aplicar o herbicida quando existem inversões de temperatura, já que estas aumentam o potencial de atingir culturas não alvo através das gotículas que podem permanecer em suspensão no ar por mais tempo após a aplicação. Essas gotículas suspensas podem se mover em direções imprevisíveis por causa dos ventos variáveis.

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES. PRODUTO PERIGOSO.
USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.
PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção (EPI) recomendados.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados
Não utilize equipamentos com vazamento ou defeitos.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não distribua os produtos com as mãos desprotegidas.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.
PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
Produto irritante para os olhos.
Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as'orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral e luvas de nitrila.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
PRECAUÇÔES DURANTE A APLICACAO:
Evite o Maximo possível o contato com a área tratada.
N5o aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
Verifique a direção do vento, aplique o produto de forma a evitar o contato do aplicador com a nevoa do produto, conforme equipamento de aplicação.
Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita.
A pulverização do produto produz neblina.
Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; mascara com filtro combinado filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2 ; Óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
PRECAUCOES APOS A APUCACAO:
Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. AREA TRATADA" e manter os avisos ate o final do período de reentrada.
Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do termino do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o use durante a aplicação. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Antes de retirar os equipamentos de proteg5o individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
Os equipamentos de proteg5o individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, Óculos, avental, botas, macacão, luvas e mascara. •
Tome banho imediatamente ap6s a aplicag5o do produto
Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas-e avental impermeável.
Faça a manuteng5o e lavagem dos equipamentos de proteg5o após cada aplicação do produto. Fique atento ao tempo de use dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante. N5o reutilizar a embalagem vazia.
No descarte de embalagens utilize equipamento de proteg5o individual — [PI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.
PRIMEIROS SOCORROS:
Procure logo um serviço medico de emergência levando a embalagem, rotulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
INGESTAO: se engolir o produto, não Provoque Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não de nada para beber ou corner.
OLHOS: em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
PELE: em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sab.5o neutro.
INALACAO: se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar deve proteger-se da contamina0o usando luvas e -,avental impermeáveis, por exemplo.
TELEFONES PARA OS CASOS DE EMERGÊNCIA:
BASF S.A. Guaratinguetá S.P.
(08000) 11.2273 pu (OXX12) 3128.1357
CENTROS DE- INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS :
CCI- UNICAMP: (OXX19) 3788-7573 / 3788-7290
Curitiba-PR: (Oxx41) 264-8290 / 363-7820 / (0800) 41 01 48 Porto Alegre - RS: (OXX51) 3217-1751 / (0800) 780200 São Paulo - SP: (OXX11) 5012-5311 /(0800) 771 3733

- INTOXICAÇÕES POR DICAMBA
INFORMAÇÕES MÉDICAS
As informações presentes nesta tabela são para uso exclusivo do profissional de saúde. Os procedimentos descritos devem ser realizados somente em local apropriado (hospital, centro de saúde, etc.).
EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
EFEITOS AGUDOS:
DL50 Aguda Oral > 2000 mg/kg peso corpóreo
DL50 Aguda Dermal > 2000 mg/kg peso corpóreo
CL50 inalatória: não determinada em função das características físico-químicas
Irritação dérmica em coelhos: não irritante
Irritação ocular: moderado irritante da mucosa ocular, causando vermelhidão, edema e secreção da conjuntiva.
Sensibilização cutânea: não causa sensibilização dérmica em cobaias
EFEITOS CRONICOS:
Nenhum efeito foi observado em ratos alimentados com dicamba por 90 dias com. doses ate aproximadamente 500 mg/kg/dia. Com doses próximas de 1000 mg/ ,kg/dia, foram observados menor ganho de peso corporal, e alterações no peso, core tamanho do fígado. Em estudos crônicos em ratos pela via oral, dicamba mostrou ser um proliferador de peroxissomos, que pode aumentar o risco de tumores hepáticos. Em estudos crônicos pela via dérmica em coelhos, irritação dérmica dose-dependente foi observada no local de aplicac5o. Nenhuma toxicidade sistêmica foi observada. Não foram encontradas informações sobre a toxicidade cr6nica de dicamba em seres humanos.
Não classificado quanto sua carcinogenicidade para humanos. Em um estudo realizado em culturas de linfócitos humanos provou-se que dicamba e um agente que causa danos no DNA. Não há evidencia de produzir desregulação endócrina.
EFEITOS ADVERSOS CONHECIDOS
Por nao se tratar de produto com finalidade terapêutica, não ha como caracterizar efeitos adversos.
SINTOMAS DE ALARME:
Não são conhecidos sintomas de alarme, sendo recomendada a suspensão do use do produto se surgirem quaisquer sintomas durante a sua manipulação.




De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA/MMA.

O manejo de plantas daninhas é um procedimento sistemático adotado para minimizar a interferência das plantas daninhas e otimizar o uso do solo por meio da combinação de métodos preventivos de controle. A integração de métodos de controle: (1) cultural (rotação de culturas, variação do espaçamento e uso de cobertura verde, (2) mecânico ou físico (monda, capina manual, roçada, inundação, cobertura não viva e cultivo mecânico), (3) controle biológico e (4) controle químico tem como objetivo mitigar o impacto dessa interferência com o mínimo de dano ao meio ambiente.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes resistentes a esse mecanismo de ação. Como práticas de manejo de resistência de plantas infestantes deverão ser aplicadas, alternadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo