Bula Acrux 750 SP - Sharda

Bula Acrux 750 SP

Acefato
12317
Sharda

Composição

Acefato 750 g/kg

Classificação

Inseticida, Acaricida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó solúvel (SP)
Sistêmico

Algodão

Alabama argillacea (Curuquerê)
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro)
Caliothrips brasiliensis (Tripes)
Frankliniella schultzei (Tripes)
Heliothis virescens (Lagarta da maçã)
Tetranychus urticae (Ácaro rajado)

Amendoim

Caliothrips brasiliensis (Tripes)
Empoasca kraemeri (Cigarrinha verde)
Enneothrips flavens (Tripes do bronzeamento)
Stegasta bosquella (Lagarta do pescoço vermelho)

Batata

Macrosiphum euphorbiae (Pulgão das solanáceas)
Myzus persicae (Pulgão verde)
Phthorimaea operculella (Traça da batatinha)

Citros

Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão)
Orthezia praelonga (Cochonilha)
Parlatoria pergandii (Parlatoria)
Selenaspidus articulatus (Cochonilha pardinha)

Feijão

Bemisia tabaci (Mosca branca)
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela)
Empoasca kraemeri (Cigarrinha verde)

Soja

Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)
Caliothrips phaseoli (Tripes do feijoeiro)
Epinotia aporema (Broca das axilas )
Euschistus heros (Percevejo marrom)
Frankliniella rodeos (Tripes)
Frankliniella schultzei (Tripes)
Hedylepta indicata (Lagarta enroladeira das folhas)
Nezara viridula (Percevejo verde)
Piezodorus guildinii (Percevejo verde pequeno da soja)
Rachiplusia nu (Lagarta da soja)

Tomate industrial

Bemisia tabaci (Mosca branca)
Macrosiphum euphorbiae (Pulgão das solanáceas)
Myzus persicae (Pulgão verde)

Tipo: Cartucho (contendo sacos hidrossolúveis )
Material: Papelão com proteção impermeável
Capacidade: 0,1; 0,15; 0,2; 0,25 ; 0,3; 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 5,0; 6,0; 8,0; 9,0; 10,0; 15,0; 20,0; 25,0 kg

Tipo: Fibrolata (contendo sacos hidrossolúveis)
Material: Corpo de papel com tampa e/ou fundo de flandres
Capacidade: 0,5; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 5,0 kg

Tipo: Frasco ( contendo saco hidrossolúveis)
Material: Metálico/ plástico
Capacidade: 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 3,0; 3,5; 4,0; 5,0; 6,0; 8,0; 9,0; 10,0; 15,0; 20,0; 2,5; 25,0 kg

Tipo: Lata(contendo saco hidrossolúvel
Material: Papelão
Capacidade: 0,5; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 5,0 kg

Tipo: Saco (contendo sacos hidrossolúvel)
Material: Polietileno/ Aluminizado/Metálico/ Papel
Capacidade: 0,1; 0,15; 0,2; 0,25 ; 0,3; 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 5,0; 6,0; 8,0; 9,0; 10,0; 15,0; 20,0; 25,0 kg

Tipo: Saco
Material: Hidrossolúvel
Capacidade: 0,05; 0,1; 0,15; 0,25; 0,3; 0,5; 1,0; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5 kg

Tipo: Big-bag
Material: tecido com proteção impermeável
Capacidade: 100,0; 200,0; 250,0; 500,0; 600,0; 625,0; 650,0; 700,0; 800,0; 900,0; 1.000,0; 1.100,0; 1.200,0; 1.500,0 kg

Tipo:Tambor
Material: Metálico (com revestimento anti-corrosivo)/Plástico
Capacidade: 50,0; 100,0; 200,0;. 250,0; 500,0 kg

INSTRUÇÕES DE USO:
ACE 750 SP é um inseticida/acaricida sistêmico, do grupo organofosforado, que contém o ingrediente ativo acefato, 750 g/kg, na formulação Pó Solúvel (SP), indicado para o controle de pragas nas culturas de algodão, amendoim, batata, citros, feijão, soja e tomate rasteiro com fins industriais.
INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÕES:
Recomenda-se iniciar o tratamento, quando as pragas atingirem o nível de dano econômico e repetir se necessário em intervalos de no mínimo 10 dias. Número máximo de aplicações:
- Algodão: 2;
- Amendoim; 1;
- Batata: 3;
- Citros: 1;
- Feijão: 1;
- Soja: 2;
- Tomate (industrial): 3.
MODO DE APLICAÇÃO:
ACE 750 SP deve ser aplicado nas dosagens recomendadas, diluído em água. Aplicar o produto de maneira uniforme dando uma boa cobertura da parte aérea das plantas tratadas.
Equipamentos de aplicação:
ACE 750 SP deve ser aplicado em pulverização terrestre com pulverizador de barra tratorizado munidos de bicos adequados que produzam gotas de 250-350 µm e densidade de 40 gotas/cm². Manter a calda de pulverização sob agitação contínua e o registro do pulverizador fechado durante as paradas e manobras com o equipamento de tal forma a se evitar sobreposição nas áreas tratadas.
Condições climáticas recomendadas:
Temperatura ambiente máxima de 30°C;
Umidade relativa do ar mínima de 55%,
Velocidade do vento: 2 a 10 km/hora.
Observações locais deverão ser realizadas visando reduzir ao máximo as perdas por volatilização ou deriva.
Instruções para preparo da calda de pulverização:
ACE 750 SP é acondicionado em saco hidrossolúvel, que é totalmente dissolvido em contato com a água, não havendo necessidade de abrir ou cortá-lo. A embalagem hidrossolúvel deve ser despejada diretamente no tanque de preparo da solução. Para o uso de sacos hidrossolúveis:
1) Encher o tanque com água limpa com ¼ do volume de calda recomendado.
2) Iniciar agitação no tanque
3) Colocar o saco hidrossolúvel diretamente no tanque, sem cortá-lo ou abri-lo, ao colocá-lo na água ele se dissolverá rapidamente.
4) Adicionar tantos sacos hidrossolúveis quanto necessário para conseguir a dosagem recomendada.
5) Aguardar a completa dissolução do saco hidrossolúvel na água. A agitação contínua é necessária para a boa mistura.
Lavagem do equipamento de pulverização:
Somente utilize equipamentos limpos e devidamente conservados. Após a aplicação do produto, realizar lavagem completa do equipamento. Antes da aplicação, verificar e iniciar somente com o equipamento limpo e bem conservado. Imediatamente após a aplicação, proceder a uma completa limpeza de todo o equipamento para reduzir o risco da formação de depósitos sólidos que possam se tornar difíceis de serem removidos. O adiamento, mesmo por poucas horas, somdnte torna a limpeza mais difícil.
1. Com o equipamento de aplicação vazio, enxaguar completamente o pulverizador e fazer circular água limpa pelas mangueiras, barras, bicos e difusores, removendo fisicamente, se necessário, os depósitos visíveis de produto. O material resultinte desta operação deverá ser pulverizado na área tratada com o respectivo produto.
2. Completar o pulverizador com água limpa. Circular esta solução pelas mangueiras, barras, filtros e bicos. Desligue a barra e encha o tanque com água limpa. Circule pelo sistema de pulverização por 15 minutos. Circular então pelas mangueiras, barras, filtros, bicos e difusores. Esvaziar o tanque na área tratada com o respectivo produto.
3. Remover e limpar os bicos, filtros e difusores em um balde com a solução de limpeza. Enxaguar completamente o pulverizador, mangueiras, barra, bicos e difusores com água limpa no mínimo 3 vezes. Limpar tudo que for associado ao pulverizador, inclusive o material usado para o enchimento do tanque.
4. Tomar todas as medidas de segurança necessárias durante a limpeza. Não limpar o equipamento perto de nascentes, fontes de água ou de plantas úteis. Descartar os resíduos da limpeza de acordo com a legislação Estadual ou Municipal.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão, Batata, Citros: 21 dias
Amendoim, Feijão e Soja: 14 dias
Tomate industrial: 35 dias
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes deste período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
LIMITAÇÕES DE USO:
Uso exclusivamente agrícola. O uso do produto está restrito ao indicado no rótulo e bula. Utilizar somente as doses recomendadas. Durante a aplicação do produto deve-se evitar que a deriva atinja outras áreas e/ou culturas. A calda deve ser aplicada no mesmo dia da preparação. Não aplicar o produto em dias chuvosos ou com prenúncio de chuva. Não aplicar o produto através de pulverizador costal. Não aplicar o produto através de sistemas de irrigação.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado. Aviso ao Usuário: ACE 750 SP deve ser utilizado exclusivamente de acordo com as recomendações da bula/rótulo. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.

Qualquer agente de controle de inseto pode se tomar menos efetivo ao longo do tempo, se o inseto desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência à Inseticida - IRAC-BR, recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticida, visando prolongar a vida útil dos inseticidas:
• Qualquer produto para controle de inseto, da mesma classe ou modo de ação, não deve ser utilizado em gerações consecutivas da praga.
• Usar somente as doses recomendadas na bula/rótulo.
• Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência a Inseticidas.