Bula Aminol 806

acessos
2,4 - D Amina
195
Adama

Composição

2,4-D-dimetilamina 806 g/L Ácido ariloxialcanóico

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Seletivo, Sistêmico
Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Beldroega
(Portulaca oleracea)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Caruru de espinho
(Amaranthus spinosus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Mastruço
(Lepidium virginicum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Mostarda
(Brassica rapa)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Picão preto
(Bidens pilosa)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Rubim
(Leonurus sibiricus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Serralha
(Sonchus oleraceus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência do arroz
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Caruru de espinho
(Amaranthus spinosus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Mastruço
(Lepidium virginicum)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Mostarda
(Brassica rapa)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Picão preto
(Bidens pilosa)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Rubim
(Leonurus sibiricus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Serralha
(Sonchus oleraceus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar em pós-emergência da planta infestante em jato dirigido nas entrelinhas do café. Aplicar em época quente logo após a arruação ou esparramação
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Beldroega
(Portulaca oleracea)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Caruru de espinho
(Amaranthus spinosus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Mastruço
(Lepidium virginicum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Mostarda
(Brassica rapa)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Picão preto
(Bidens pilosa)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Rubim
(Leonurus sibiricus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Serralha
(Sonchus oleraceus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura. Não determinado. Aplicar em pós-emergência da cultura, em época quente, quando a cana atingir 30 cm de altura
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Beldroega
(Portulaca oleracea)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Caruru de espinho
(Amaranthus spinosus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Mastruço
(Lepidium virginicum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Mostarda
(Brassica rapa)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Picão preto
(Bidens pilosa)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Rubim
(Leonurus sibiricus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Serralha
(Sonchus oleraceus)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
0,5 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em área total em pós-emergência das plantas infestantes e do milho. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 4 a 5 folhas
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Caruru de espinho
(Amaranthus spinosus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Mastruço
(Lepidium virginicum)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Mostarda
(Brassica rapa)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Picão preto
(Bidens pilosa)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Rubim
(Leonurus sibiricus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Serralha
(Sonchus oleraceus)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso permitido somente em pré-plantio. A aplicação deve ser feita de 10 a 15 dias antes do plantio da cultura da soja, a fim de evitar possível fitotoxicidade nas culturas
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Beldroega
(Portulaca oleracea)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Caruru de espinho
(Amaranthus spinosus)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Mastruço
(Lepidium virginicum)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Mostarda
(Brassica rapa)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Picão preto
(Bidens pilosa)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Rubim
(Leonurus sibiricus)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Serralha
(Sonchus oleraceus)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
0,5 a 0,75 L p.c./ha 180 a 360 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determinado. Aplicar em pós-emergência das plantas infestantes de folha larga

Embalagens: 1, 5, 10, 20, 100, 200 e 20.000 L.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO: O Aminol 806 é um herbicida de pós-emergência indicado para o controle das plantas daninhas nas culturas de: cana-de-açúcar, milho, arroz, trigo, soja (plantio direto - aplicação de limpeza) e café.

CULTURAS, DOSES (l/ha) E OBSERVAÇÕES: CANA-DE-AÇÚCAR, MILHO E ARROZ: 0,5 a 1,5 l/ha. Observações: para a cultura de cana-de-açúcar utilizar as dosagens de 1,0 a 1,5 litros do produto comercial/ha. Utilizar as doses maiores para as plantas daninhas que estiverem em estádios mais avançados. TRIGO: 0,5 a 0,75 l/ha. Observação: utilizar as doses maiores quando as plantas daninhas estiverem em estádios mais avançados. CAFÉ E SOJA (Plantio direto): 1,0 a 1,5 l/ha. Observação: utilizar as doses maiores quando as plantas daninhas estiverem em estádios mais avançados.

ÉPOCA DE APLICAÇÃO E FREQÜÊNCIA:

CANA-DE-AÇÚCAR: Na pós-emergência, aplicar em época quente, quando a cana atingir 30cm de altura. Não há necessidade de aplicação dirigida, repetir a aplicação após cada corte da cana em pós-emergência da cultura respeitando as dosagens e plantas daninhas no estádio de até 10 folhas; Não adicionar espalhante adesivo ou óleos.

MILHO: Aplicar em área total em pós-emergência das plantas daninhas e do milho para controle de plantas daninhas de folhas largas. A aplicação deve ser feita quando o milho atingir o estádio de 5 a 6 folhas; Não associar espalhantes ou qualquer outro aditivo à calda herbicida. Respeitar as dosagens recomendadas e o estádio das plantas daninhas de até 10 folhas.

ARROZ E TRIGO: Fazer uma aplicação em pós-emergência, no intervalo compreendido entre o perfilhamento e emborrachamento da cultura. Para uma melhor ação herbicida o solo deve estar úmido no momento da aplicação. Não associar espalhante adesivo ou óleos à calda herbicida; Aplicar o produto com as plantas daninhas no estádio de até 10 folhas.

SOJA (PLANTIO DIRETO): A aplicação deve ser feita 10 a 15 dias antes do plantio, visando o controle em pós-emergência das plantas daninhas de folhas largas existentes na área, com a altura variando no estádio de até 10 folhas.

CAFÉ: Para controle de plantas daninhas em pós-emergência, aplicar logo após a arruação ou esparramação; Para controle de plantas daninhas de folhas largas em pós-emergência, aplicar em época quente após a arruação ou esparramação, quando a planta daninha atingir de 5 a 10 cm de altura.

FORMA DE APLICAÇÃO: O Aminol 806 é aplicado em pulverização com água, através de equipamento costal manual ou motorizado, ou equipamento tratorizado. A aplicação é feita em pós-emergência das plantas daninhas de folhas largas.

PARA PULVERIZADOR DE BARRA: Tipo de bico leque: 8002, Pressão (lb/pol2): 40 lb/poi2, Velocidade (km/hora): 5 km/hora, Espaçamento entre bicos: 50 cm, Volume da água (l/ha): 180 l/ha. Tipo de bico leque: 8003, Pressão (lb/pol2): 40 lb/poi2, Velocidade (km/hora): 5 km/hora, Espaçamento entre bicos: 50 cm, Volume da água (l/ha): 270 l/ha. Tipo de bico leque: 8004, Pressão (lb/pol2): 40 lb/poi2, Velocidade (km/hora): 5 km/hora, Espaçamento entre bicos: 50 cm, Volume da água (l/ha): 360 l/ha. Em caso de uso de outros equipamentos, providenciar uma boa cobertura de pulverização nas plantas daninhas. A critério do Engenheiro Agrônomo ou Técnico Responsável as condições de aplicação poderão ser alteradas.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS: Observações locais deverão ser feitas visando reduzir ao máximo as perdas por deriva ou volatilização.

INTERVALO DE SEGURANÇA (dias): cana-de-açúcar: não especificado por ser de uso em pós-emergência até 3 meses após o plantio ou corte. Milho: não especificado por ser de uso desde a fase de pré-emergência até o milho atingir uma altura de 25 cm. Arroz, Trigo: não especificado por ser de uso até a fase de emborrachamento. Soja (plantio direto - aplicação de limpeza): uso permitido somente em pré-plantio. Café: 30 dias

FITOTOXICIDADE: Não fitotóxico quando usado conforme indicações de uso. São sensíveis todas as culturas dicotiledôneas, como as hortaliças, plantas ornamentais, bananeiras, no caso de contato direto com as folhas.

OUTRAS RESTRIÇÕES A SEREM OBSERVADAS: Pequenas quantidades e até mesmo a névoa de pulverização podem causar danos muito sérios em espécies suscetíveis. Assim, o produto não deve ser aplicado em espécies úteis e nem se deve permitir que sua pulverização atinja essas espécies. A pulverização ou sua deriva não deve atingir culturas de algodão, amendoim, batatinha, tomate, plantas ornamentais, plantas frutíferas, hortaliças e outras sensíveis a herbicidas hormonais. Não contaminar canais de irrigação ou depósitos de água para o consumo animal ou doméstico. As aplicações realizadas em pulverizações, com equipamentos motorizados ou manuais, só devem ser feitas quando não houver perigo de atingir as espécies acima mencionadas (suscetíveis). Após a utilização do produto, lavar muito bem o equipamento antes de utilizá-lo novamente. Este produto não deve ser armazenado perto de comidas, rações, fertilizantes, sementes, inseticidas, fungicidas e outros defensivos que possam ser usados em plantas suscetíveis ao 2,4 - D. As embalagens usadas do produto não devem entrar em contato, ou serem utilizadas para transporte de material que possa entrar em contato com espécies suscetíveis, devendo ser inutilizadas logo após o uso (vide ítem Destinação Adequada de Resíduos e Embalagens). Uma aplicação de Aminol 806 em quantidade excessiva pode inibir temporariamente a germinação das sementes. NOTA: O Aminol 806 não deve ser misturado com óleo. Os Pulverizadores utilizados na aplicação de 2,4 - D não podem ser utilizados em hipótese alguma na cultura de algodão, sem antes serem totalmente descontaminados conforme as instruções a seguir.

LIMPEZA DO EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO: Proceda lavagem com solução a 3% de amoníaco ou soda cáustica, deixando-a no tanque por 24 horas. Substituí-la depois, por solução de carvão ativado a 3 g/l de água e deixar em repouso por 1 a 2 dias, lavando em seguida com água e detergente. Recomenda-se fazer um teste de fitotoxicidade em culturas sensíveis ao 2,4 - D, tais como: cucurbitáceas, tomate ou algodão antes de usar o equipamento para pulverização de outros produtos. Preferencialmente utilizá-lo unicamente para aplicação de 2,4 - D ou formulações que o contenham.

PRECAUÇÕES GERAIS: Use protetor ocular (óculos ou viseira facial), máscara, luvas e botas de borracha, e macacão com mangas compridas; caso ocorra contato direto com o produto em qualquer momento de sua utilização, proceda a descontaminação imediatamente.

ANTES DA APLICAÇÃO: não utilize equipamentos de proteção individual e de aplicação danificados e/ou defeituosos; não desentupa bicos, orifícios, tubulações e válvulas com a boca; não manipule e/ou carregue embalagens danificadas; aplique somente as doses recomendadas pelo fabricante;

NO MANUSEIO DO PRODUTO: não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Use protetor ocular (óculos ou viseira facial). O produto é irritante para os olhos; Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Produto perigoso se inalado ou aspirado; Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha. Produto irritante para a pele; Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Abertura de embalagens. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos; Use protetor ocular (óculos ou viseira facial), máscara apropriada, luvas de borracha, botas de borracha, macacão com mangas compridas e avental impermeável.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA: não coma, não beba e não fume durante a preparação da calda.

DURANTE A PREPARAÇÃO DA CALDA E NO ABASTECIMENTO DO EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO: Use os equipamentos de proteção individual indicados no ítem "No manuseio do produto-abertura de embalagens"; Mantenha pessoas, principalmente crianças e animais domésticos longe do local de trabalho; Não entre em contato direto com o produto; Distribua o produto da embalagem original do fabricante, e procure evitar sobras; Mantenha as eventuais sobras do produto somente em suas embalagens originais; Evite derrames ou a contaminação do equipamento durante o seu abastecimento; Se a embalagem for totalmente esgotada, lave-a por três vezes (tríplice lavagem) e jogue a calda resultante no próprio tanque de pulverização, antes da aplicação do produto na lavoura.

PRECAUÇÕES DURANTE O USO NA APLICAÇÃO PROPRIAMENTE DITA: não coma, não beba e não fume durante a aplicação; use máscara cobrindo o nariz e a boca; use botas de borracha e macacão com mangas compridas na pulverização tratorizada; além destes, use luvas de borracha e chapéu de aba larga na pulverização com equipamento costal ou pistola; não aplique o produto nas horas mais quentes do dia; não aplique o produto contra e/ou na presença de ventos fortes e evite sua deriva; mantenha pessoas, principalmente crianças e animais domésticos longe da área de aplicação; se durante a aplicação, sentir qualquer sintoma de intoxicação, interrompa imediatamente os trabalhos, saia da área tratada, retire os equipamentos de proteção individual e tome um banho com água a temperatura ambiente e sabão, dando atenção especial as partes do corpo mais afetadas ou que sofreram maior depósito do produto; procure um médico e leve a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto com o qual esteve trabalhando; peça ajuda se necessário.

PRECAUÇÕES APÓS USO DEPOIS DA APLICAÇÃO: não reutilize embalagens vazias; mantenha embalagens com sobras de produtos, adequadamente fechadas em local de armazenamento próprio e trancado, longe do alcance de crianças e animais; tome banho, troque e lave as suas roupas; evite o máximo possível o contato com a área de aplicação.

DESCARTE DE REJEITOS CONTAMINADOS: após o uso e esgotamento, certifique-se de que as embalagens foram lavadas três vezes (tríplice lavagem); inutilize-as e dê destino adequado às mesmas.

REENTRADA EM ÁREAS TRATADAS: fora do período de reentrada estabelecido, utilize protetor ocular (óculos ou viseira facial), máscara, luvas e botas de borracha e macacão com mangas compridas; mantenha pessoas, principalmente crianças e animais domésticos longe da lavoura até a secagem completa da calda de aplicação.

ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: O principal mecanismo de ação do 2,4 - D apresentado por animais intoxicados, parece ser uma atuação sobre o sistema nervoso principalmente sobre a atividade de algumas enzimas, influxo do K+ e condutância do CI-; é rapidamente absorvido pelo trato gastro-intestinal, sendo as outras vias de menor importância; em humanos do sexo masculino, que receberam uma dose de 5 mg / kg via oral, 73% foi excretado pela urina em 48 horas, após a administração do produto marcado (CH) somente 0,25% da dose foi alterada para um metabólito não identificado no fígado, o restante foi excretado ou localizado nos tecidos do corpo como 2,4 - D inalterado.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: Não existem dados disponíveis até o momento, referentes a intoxicação pelo produto formulado em seres humanos,entretanto em estudos de laboratório, com roedores, a exposição ocasionou uma alteração no SNC caracterizada pelo coma, além de irritação ocular e dérmica.

EFEITOS COLATERAIS: Este produto não tem função terapêutica, consequentemente seus eventuais efeitos em humanos não podem ser caracterizados de colaterais.

SINTOMAS DE ALARME: Irritações da pele, olhos e mucosas, dores de cabeça, dificuldade respiratória, cansaço, enfraquecimento muscular, suor excessivo, náuseas, vômitos e diarréia podem ocorrer mas são inespecífcos; o coma sugere intoxicação grave.

PRIMEIROS SOCORROS: Olhos: se em contato com os olhos, lave-os com água em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou o receituário agronômico do produto. Inalação: se inalado procure local arejado e vá ao médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Ingestão: se ingerido e o indivíduo estiver consciente e não apresentar sinais de irritação na boca e garganta, provoque vômito e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou o receituário agronômico do produto. Pele: se em contato com a pele, lave-a com água e sabão em abundância e, se houver irritação, procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou o receituário agronômico do produto.

TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA: Olhos: segurando as pálpebras abertas, proceder a descontaminação com solução salina fisiológica, ou água em grande quantidade a temperatura ambiente por pelo menos 15 minutos ou até a completa remoção do produto. Se os sintomas persistirem após este período, solicitar exame oftalmológico. Inalação: manter o paciente em ambiente arejado e observar a presença de desconforto, se ocorrer tosse ou dificuldade na respiração, avaliar possíveis alterações do trato respiratório (irritação brônquica e pneumonite). Administrar oxigênio úmido a 100% e ventilação assistida, se necessário. Ingestão: examinar cuidadosamente o paciente, se sinais de irritação oral ou esofageana estiverem presentes ou houverem evidências de excitação ou depressão do sistema nervoso central, não provoque emese; A lavagem gástrica está indicada em pacientes que estiverem comatosos ou apresentem riscos de convulsão e deve ser realizada com sonda naso ou orogástrica, de grande calibre e com grandes volumes de soro fisiológico; A emese (indução ao vômito) pode ser indicada em ingestões recentes de grandes quantidades do produto se o paciente não estiver obnubilado, comatoso ou convulsionando; A adsorsão com carvão ativado, associada ou não a catártico salino ou sorbitol pode ser indicada. Pele: retirar imediatamente a roupa contaminada e proceder a descontaminação lavando as áreas do corpo atingidas com grande quantidade de água a temperatura ambiente e sabão, por pelo menos 15 minutos ou até a completa remoção do produto, dando atenção especial às regiões que podem reter o produto (cabelo, axilas, umbigo, genitais e pregas cutâneas).

CUIDADOS DE SUPORTE: podem ocorrer depressão respiratória, hipotensão e acidose metabólica que devem ser corrigidas, manter o fluxo urinário adequado e monitorização do paciente devido a possibilidade de arritmias cardíacas, hipertermias e convulsões.

ANTÍDOTOS: Não existe antídoto específico, o tratamento é sintomático e deve ser instituído a critério médico.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é ALTAMENTE PERIGOSO - CLASSE I - ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos. Este produto não deve ser utilizado próximo a corpos hídricos naturais. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções constantes no ítem Destinação Adequada de Resíduos e Embalagens. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contacte as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores); Isole e sinalize a área contaminada; Em caso de derrame, estancar o escoamento não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de água naturais, siga as instruções: Piso Pavimentado: absorver o produto derramado com terra ou serragem. Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: retirar as camadas de terra contaminadas até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada; Corpos d'água: interromper imediatamente o consumo humano e animal e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido; Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2, ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 metros de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 metros, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres: CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Observar legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas de abrangência do PROGRAMA NACIONAL DE RECOLHIMENTO E DESTINAÇÃO ADEQUADA DE EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS, consulte o órgão estadual de meio ambiente.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes.
Como prática de manejo e resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Par maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.