Bula Cropstar

acessos
Imidacloprido + Tiodicarbe
2506
Bayer

Composição

Imidacloprido 150 g/L Neonicotinóide
Tiodicarbe 450 g/L Carbamato

Classificação

Inseticida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada para Tratamento de Sementes (FS)
Contato, Ingestão, Sistêmico, Neonicotinóide

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
1,5 a 2,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Helicoverpa
(Helicoverpa armigera)
2 a 2,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Nematóide das galhas
(Meloidogyne incognita)
2,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Nematóide das lesões
(Pratylenchus brachyurus)
2,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Pulgão do algodoeiro
(Aphis gossypii)
1,5 a 2,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Tripes
(Frankliniella schultzei)
1,5 a 2,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Amendoim Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tripes do bronzeamento
(Enneothrips flavens)
0,2 a 0,4 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
0,5 a 1 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Cupim
(Procornitermes triacifer)
0,7 a 1 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
0,75 a 1 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Arroz irrigado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão da raiz
(Rhopalosiphum rufiabdominale)
0,25 a 0,35 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Aveia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão verde dos cereais
(Rhapalosiphum graminum)
0,2 a 0,3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Cevada Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão das folhas
(Metopolophium dirhodum)
0,25 a 0,3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cigarrinha verde
(Empoasca kraemeri)
0,85 a 1 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Mosca branca
(Bemisia tabaci)
0,5 a 0,7 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
0,7 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
0,25 a 0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Cigarrinha das pastagens
(Deois flavopicta)
0,25 a 0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Helicoverpa
(Helicoverpa armigera)
0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
0,3 a 0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Percevejo barriga verde
(Dichelops melacanthus)
0,25 a 0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Pulgão
(Rhopalosiphum maidis)
0,25 a 0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Tripes
(Frankliniella williamsi)
0,25 a 0,35 L p.c./ha - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Sisal Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
0,25 a 3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
0,5 a 0,7 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Coró da soja
(Phyllophaga cuyabana)
0,2 a 0,3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Helicoverpa
(Helicoverpa armigera)
0,5 a 0,7 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Nematóide das galhas
(Meloidogyne javanica)
0,5 a 0,7 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Nematóide das lesões
(Pratylenchus brachyurus)
0,5 a 0,7 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Piolho de cobra
(Julus hesperus)
0,3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Sorgo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
1,25 a 1,5 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
0,5 a 1 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Coró do trigo
(Phyllophaga triticophaga)
0,25 a 0,35 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Percevejo barriga verde
(Dichelops melacanthus)
0,2 a 0,3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes
Pulgão das folhas
(Metopolophium dirhodum)
0,2 a 0,3 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio. Tratamento de sementes

EMBALAGEM MATERIAL CAPACIDADE
Farmpack Polietileno 5.000;10.000 e 20.000 L

Contentor(IBC) Aço/ferro/polietileno/coex/fibra 300;400;500;600;700;800;900;1.000;
1.250;2.000;5.000;10.000 e 20.000 L

Tanque(isotanque) Aço/ferro/polietileno/fibra 1.000;5.000;10.000;15.000;20.000;25.000
e 50.000 L

Tanque portátil Aço/ferro/polietileno/coex/fibra 300;400;500;600;700;800;900;1.000;
1.250;2.000;5.000;10.000 e 20.000 L

INSTRUÇÕES DE USO:
* Dose equivalente a 60.000 sementes. Corrigir a dose quando for usado um maior número de sementes por hectare.

Algodão: A dose maior deverá ser usada em áreas de histórico de alta pressão de ocorrência da praga em plantio anterior. O tratamento de sementes não elimina os nematóides do solo em área infestada, devendo ser associado com outras técnicas como rotação de culturas.

Arroz: Usar a maior dose recomendada, quando houver histórico de alta pressão de lagarta-elasmo na área a ser plantada.

Feijão: Evite o plantio de feijão junto a lavouras mais antigas desta cultura com sintomas de mosaico-dourado, ou lavouras de soja com forte presença de mosca-branca. Usar a maior dose recomendada, quando houver histórico de ocorrência de alta pressão das pragas.

Mamona: Usar a maior dose em regiões de pressão maior praga.

Milho: Utilizar a maior gose quando houver histórico de forte pressão de lagarta-elasmo.

Soja: A dose maior deverá ser usada em regiões onde ocorreu alta infestação da praga no plantio anterior.

Trigo: Usar a maior dose recomendada para pulgão nas variedades suscetíveis ao VNAC.


NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO
Uso exclusivo para o tratamento de sementes.

MODO DE APLICAÇÃO:

Volumes de calda recomendados:
Para as doses abaixo de 500 ml/100 kg de sementes, o produto pode ser diluído em água até completar este volume de calda.
Preparo da calda: Colocar a quantidade de produto desejada em um recipiente próprio para o preparo da calda. Acrescentar parte da água desejada gradativamente, misturando e formando uma calda homogênea. Completar com a quantidade de água restante até atingir o volume de calda desejado. Importante: Manter a calda em agitação permanente para evitar decantação.

Equipamentos de aplicação:
Utilizar equipamentos específicos que propiciem uma distribuição uniforme da dose desejada sobre as sementes.
Operação de tratamento de sementes:
Com equipamentos de tratamento de batelada ou lotes, dos tipos Amazone Transmix, MecMaq Tratec, tambores rotativos, betoneiras e/ou similares: Colocar um peso de sementes conhecido. Adicionar o volume de calda desejada para este peso de sementes. Proceder à agitaçã%peração do equipamento de forma a obter uma distribuição uniforme da calda sobre as sementes durante um tempo de 1-2 minutos por batelada.
Com equipamentos de tratamento com fluxo contínuo de sementes: Aferir o fluxo de sementes (peso) em um determinado período tempo. Regular o volume de calda desejado para este peso de sementes no mesmo período de tempo. Importante: Aferir periodicamente o fluxo de sementes e de calda.
O tratamento deverá ser efetuado em local arejado e específico para esse fim. Utilizar somente sementes limpas (livres de poeira e impurezas) e de boa qualidade (alto poder germinativo e bom vigor).
As sementes tratadas, quando semeadas em solo úmido, garantem germinação e emergência uniforme logo após o tratamento. Obedecer as recomendações oficiais de profundidade de semeadura para cada cultivo.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Não determinado por referir-se a tratamento de sementes antes do plantio.

LIMITAÇÕES DE USO:
Na operação de semeadura mecanizada com sementes tratadas, estas apresentam uma redução no fluxo, comparativamente a sementes não tratadas. Para evitar utilizar uma quantidade menor de sementes deve-se regular a semeadora com as sementes já tratadas. As semeadoras e seus kits de distribuição de sementes, devem ser limpos diariamente para evitar o acúmulo de resíduos nas paredes e engrenagens das mesmas.
Seguindo as instruções de uso e doses recomendadas, CROPST AR não apresenta qualquer efeito fitotóxico nas culturas,.
A semeadura sobre palhadas de gramíneas hospedeiras de diversas espeCles de lagartas (Elasma, Spadoptera, etc .. ) pode expor o novo cultivo a uma pressão inicial maior destas pragas e somente o controle com o tratamento de sementes pode não ser suficiente. Para um manejo correto nestas condições, recomenda-se fazer um levantamento da presença de lagartas na palhada e, caso observada a sua ocorrência, dar um intervalo de 3 semanas entre a dessecação e a semeadura.
A falta de umidade, após a germinação diminui a absorção e translocação de produtos sistêmicos via semente, podendo resultar em menor eficácia no controle. Recomenda-se uma complementação com pulverização de produtos indicados nesta modalidade, nas primeiras semanas após a emergência.
O tratamento deverá ser efetuado em local arejado e específico para esse fim. Utilizar somente sementes limpas (livres de poeira e impurezas) e de boa qualidade (alto poder germinativo e bom vigor).
Não tratar as sementes diretamente sobre lonas, sacos ou mesmo nas caixas de sementes das máquinas semeadoras.
Após o tratamento, as sementes deve ser mantidas à sombra.
Sementes tratadas não podem ser utilizadas para alimentação humana e animal ou uso industrial e nem deixadas expostas sobre o solo.

PRODUTO PERIGOSO.

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.

PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados. Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos. touca árabe e luvas de nitrila.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos. rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto. siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2 / ou P3 quando necessário); óculos de segurança com proteçâo lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO
Evite o máximo possível o contato com a área tratada.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia. Conforme modo de aplicação, de modo a evitar que o aplicador entre na névoa de produto.
Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro combinado (filtro quimico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2/ ou P3 quando necessário); óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO
Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA" e manter os avisos até o final do período de reentrada.
Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPls) recomendados para o uso durante a aplicação. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
Os equipamentos de proteção individual (EPls) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, óculos, avental, botas, macacão, luvas e máscara.
Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável. ]
Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
Não reutilizar a embalagem vazia.
No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embaiagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.

Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.

Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.

Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.

Inalação: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.

A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.

INTOXICAÇÃO POR NEONICOTINÓIDES E POR METILCARBAMATOS DE OXIMA ANTíDOTO:

Imidacloprido - Tratamento sintomático conforme as ocorrências clínicas surgirem e segundo sua gravidade. Não há antidoto específico.

Thiodicarbe - ATROPINA IV deve ser administrado em caso de intoxicação, devendo ser aplicada até sinais de atropínização. Nunca administre ATROPINA, antes do aparecimentos dos sintomas de intoxicação.

Grupo químico:
Neo nicotinóde (imidacloprido) e metilcarbamato de oxina (tiodicarbe)

Classe toxicologica:
II - ALTAMENTE TÓXICO

Mecanismos de toxicidade:
Imidacloprido - se fixa e estimula os receptores nicotínicos da acetilcolina. Tiodicarbe - inibe a enzima acetilcolinesterase, causando acúmulo de acetilcolina e conseqüente superestimulação das terminações nervosas.
Ambos tornam inadequada a transmissão de estímulos à células musculares,
landulares, an Iionares e do Sistema Nervoso Central (SNC).

Vias de absorção:
Oral - via mias importante de absorção Inalatória, dérmica e mucosa, secundárias.

Sintomas e sinais clínicos:
Os efeitos podem ocorrer minutos ou horas após exposição. As manifestações agudas são classificadas como:
Muscarínícas (síndrome parassímpaticomimética, muscarínica ou colinérgica pelo imidacloprido): vómito, diarréia, cólicas abdominais, broncoespasmo, miose puntiforme e paralítica, bradicardia, hipersecreção (sialorréia, lacrimejamento, broncorréia e sudorese), cefaléia, incontinência urinária. Diaforese severa pode provocar desidratação e em choque.
Nicotínicas (síndrome nícotínica peloímídacloprido e o tiodocarbe): midríase, mialgia, hipertensão arterial, fasciculações musculares, incoordenação motora, tremores e fraqueza, que são, em geral, indicativos de gravidade. Pode haver paralisia de musculatura respiratória levando à morte. A freqüência cardíaca e a pressão arterial podem estar aumentadas ou diminuídas. devido a associação dos efeitos musacrinicos.
Outros efeitos:
tíodicarbe: anemia macrocítica. hemosiderose esplênica e hematopoiese extramuscular.
imidacloprido: irritante ocular e dérmico; efeitos no fígado, com aumento do citocromo P450; informações insuficientes sobre distúrbios endócrinos e efeitos na re rodução e no desenvolvimento.

Metabolismo e toxicocinética:
Após absorção, são rapidamente distribuidos por todos os tecidos do organismo.
Imidacloprido é rapidamente absorvido pelo aparelho digestivo e eliminado pela urina (70 a 80% do produto) e fezes (20 a 30% do produto em 48 h. Um dos seus principais metabólitos é o ácido 6-c!oronicotinico que age sobre o sistema nervoso como descrito anteriormente.
Tiodicarbe atinge altas concentrações nos glóbulos vermelhos onde se estoca. Metabolizado em metomil, que também inibe a atividade da acetilcolinesterase. Eliminado elos pulmões (sob forma de acetonitrila e CO2) e elos rins.


Diagnóstico:
O diagnóstico é estabelecido pela confirmação da exposição, de quadro clínico compatível. Outros controles incluem: eletrólitos, creatinina, amilase pancreatica, enzimas hepaticas, gasometria, ECG (prolongamento de QT), RX tórax (edema pulmonar e aspiração

Tratamento:
As medidas abaixo relacionadas, especialmente aquelas voltadas para a adequada oxigenação do intoxicado, devem ser implementadas concomitantemente ao tratamento medicamentoso e a descontaminação. Descontaminação: Visa limitar a absorção e os efeitos locais.
ADVERTÊNCIA: A pessoa que presta atendimento ao intoxicado, especialmente durante a adoção das medidas de descontaminação, deverá estar protegida por equipamento de segurança, de forma a não se contaminar com o agente tóxico.
1. Remover roupas e acessórios, e proceder descontaminação cuidadosa da pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos, com água fria abundante e sabão. Remover a vítima para local ventilado.
2. Se houver exposição ocular, irrigar abundantemente com Soro Fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, evitando contato com a pele e mucosas.
3. Em caso de ingestão recente, proceder a lavagem gástrica. Atentar para nivel de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração. Administrar carvão ativado na proporção de 50-100 g em adultos e 25-50 g em crianças de 1-12 anos, e 19/Kg em menores de 1 ano, diluídos em água, na proporção de 30 g de carvão ativado para 240 mL de água.
4. Emergência, suporte e tratamento sintomático: Manter vias aéreas pérveas, se necessário através de entubação orotraqueal, aspirar secreções e oxigenar. Atenção especial para fraqueza de musculatura respiratória e parada respiratória repentina, hipotensão e arritmias cardiacas. Adotar medidas de assistência ventilatória, se necessário.

Especifico:
A administração de Atropina só deverá ser realizada na vigência de sintomatolo~ Não deverá ser administrada se o paciente estiver -?ssintomá.!iç9.:_ Atropina - agente antimuscarínico - é usada para reverter os sintomas muscarinicos. (glãndulas exõcrinas, músculo liso e músculo cardíaco, por ex.), não os nicotínicos, na dose de 2,0 - 4,0 mg em dose de ataque (adultos), e 0,05 mg/kg em crianças, endovenosa .. Repetir se necessário a cada 5 a 10 minutos. As preparações de Atropina disponíveis no mercado, normalmente têm a concentração de 0,25 ou 0.50 mg /mL. O parãmetro para a manutenção ou suspensão do tratamento é clínico, e se baseia na reversão da ausculta pulmonar indicativa de broncorréia e na constatação do desaparecimento da fase hipersecretora, ou sintomas de intoxicação atropinica (hiperemia de pele, boca seca, pupilas dilatadas e taquicardia. Alcançados sinais de atropinização, ajustar a dose de manutenção destes efeitos por 24 horas ou mais. A presença de taquicardia e hipertensão não contra-indica a atropinização.
E indicado supervisão do paciente por pelo menos 48 horas. Monitorar oxigenação (oximetria ou gasomeria), ECG, hemograma. Trato pneumonite e coma se ocorrerem. Se ocorrer convulsões, o paciente pode se tratado com benodiazepínicos sob orientação médica.
A ação letal pode ser atribuída à insuficiência respiratória, pelos mecanismos de: broncoconstrição, secreção pulmonar excessiva, falência da musculatura res iratória e conseqüente de ressão do centro respiratório or hipóxia.

Contra-indicações:
A diálise e a hemoperfusão são contra-indicadas. Êmese - em razão do risco potencial de aspiração.
Morfina, succinilcolina, teofilina, fenotiazinas e reserpina. Aminas adrenérgicas só devem ser usadas em indicações específicas devido a possibilidade de hipotensão e fibrilação cardíaca.
Não administrar Oxima (Pralidoxima), pois a fixação do tiodicarbe sobre a acetilcolinesterase é bastante lábil e se desfaz com facilidade

Efeitos sinérgicos:
Com organofosfordos, carbamatos e tiocarbamatos.

Atenção:
As Intoxicações por Agrotóxicos estão incluídas entre as Enfermidades de Notificação Compulsória. Comunique o caso e obtenha informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento através dos TELEFONES PARA OS CASOS DE EMERGÊNCIA:

Disque intoxicação 0800 722 6001 EMPRESA: 0800-701 0450

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

Imidacloprido:Em ratos, o Imidacloprido tem ação reversível sobre o sistema nervoso, observando-se efeitos sobre sistema respiratório e muscular. É rapidamente absorvida pelo trato gastro-intestinal, porém pouco via dérmica e via inalatória, não apresentando lesões dérmicas e nem nas vias respiratórias.
O produto é eliminado rapidamente e de forma completa dentro de 48 h após a aplicação, tendo como principal via de excreção a urina.

Tiodicarbe: O Tiodicarbe foi absorvido, em ratos, através do trato gastrointestinal e pele, metabolizado através de hidrólise em ácido acético e colina, sendo excretado principalmente através da urina. Não houve acúmulo da substância nos tecidos e órgãos, Os carbamatos inibem a enzima acetilcolinesterase, essencial para a transmissão normal dos impulsos nervosos do SNC e junções colinérgicas, reação reversíveL Os sinais e :sintomas aparecem em um curto espaço de tempo após intoxicação.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

Efeitos agudos resultantes de ensaios com animais (Produto formulado CropStar):
DL50 via oral: = 200 mg/kg de peso vivo
DL50 via dérmica: >= 4000 mg/kg.
CL50 Inalatória: > 0,65 mg/L
Irritação Dérmica: Não irritante a pele Irritação Ocular: Não irritante aos olhos Sensibilidade Cutânea: Não sensibilizante.

Agudos: Em ratos, via oral, o produto provocou decréscímo da mobilidade, tremores, posicionamento lateral, palmoplasmia e respiração ofegante nos animais. Via dérmica o produto não causou efeito negativo no ganho de peso e mortalidade, sendo classificado como não tóxico. O produto não se mostrou irritante para pele e olhos de coelhos e em cobaias não apresentou potencial sensibilizante dérmico. CropStar também não apresentou efeitos mutagênicos nos estudos conduzidos com microorganísmos e no de mícronúcleus.

Crónicos:
Imidacloprido (Neonicotinóide): Nos estudos realizados com ratos em laboratório em durante dois anos, observou-se na dose máxima testada (900 ppm) um retardamento no ganho de peso nos animais. O estudo também mostrou que, com relação a observação de partículas mineralizadas no colóide de folículos da tireóide, os ratos machos se mostraram mais sensíveis que as fêmeas. Houve decréscimo no ganho de peso, no fígado e tireóide. Houve redução no peso corporal e aumento na incidência de retardas de calcificação dos ossos.
Com relação aos demais parâmetros requeridos neste tipo de estudo não foram observados nenhuma anormalidade ou efeitos significativos. Não há evidências de carcinogenocidade, mutagenicidade e teratogenicidade.
As doses sem efeito, foram, respectivamente, 300 ppm para ratos fêmeas e 100 ppm para ratos machos.
Tiodicarbe (Metilcarbamato de Oxima): Em estudos toxicológicos crónicos (exposição durante toda ou boa parte da vida dos animais), o produto causou uma redução do peso corpóreo e foi considerado um redutor da atividade da colinesterase periférica (plasma e eritrócitos).

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO
AMBIENTE:
- Este produto é:
( ) Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I)
(X) MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II)
( ) Perigoso Ao Meio Ambiente (CLASSE III)
( ) Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV)

- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para abelhas, podendo atingir outros insetos benéficos. Não aplique o produto no período de maior visitação das abelhas.
- Este produto é ALTAMENTE MÓVEL, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para crustáceos.
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d’água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843
- (Parte 1: Armazenamento em armazéns industriais, armazéns gerais ou centros de distribuição) da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT; demais casos, consultar a parte específica da norma (Parte 2:Armazenamento comercial em distribuidores e cooperativas; Parte 3: Armazenamento em propriedades rurais ou Parte 4: Armazenamento em laboratórios).
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:

- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a empresa BAYER S.A., telefone de emergência: 0800-0243334.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
- Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com o auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, contate a empresa registrante, pelo telefone indicado acima, para que seja feito o recolhimento pela mesma. Lave o local com grande quantidade de água.
- Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
- Corpos d’água - interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores DE ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, DE CO2, PÓ QUÍMICO, ETC., fcando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: EMBALAGEM RÍGIDA NÃO LAVÁVEL

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem deve ser armazenada com a sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro do seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

- TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM SACARIA (UTILIZADAS PARA ACONDICIONAR SEMENTES TRATADAS COM CROPSTAR)

- AS EMBALAGENS - SACARIAS - NÃO PODEM SER REUTILIZADAS PARA OUTROS FINS.

- AS EMBALAGENS - SACARIAS - NÃO PODEM SER LAVADAS.

- ARMAZENAMENTO DAS EMBALAGENS VAZIAS:

O armazenamento das embalagens - SACARIAS - vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio das SACARIAS.
As embalagens - SACARIAS - vazias devem ser armazenadas separadamente, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

- DEVOLUÇÃO DAS EMBALAGENS - SACARIAS - VAZIAS

Devem ser devolvidas em conjunto com a embalagem do agrotóxico CROPSTAR ou no local onde foram adquiridas as sementes tratadas.
Terceiros que efetuarem o manuseio do agrotóxico, devem descrever nas sacarias que as sementes foram tratadas com o agrotóxico CROPSTAR e informar que as mesmas devem ser devolvidas no local em que foram tratadas ou adquiridas.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

- TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS

A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS.

A destinação inadequada das embalagens vazias, sacarias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO

Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto deverá ser feita através de incineração em fornos destinados para esse tipo de operação, equipados com câmara de lavagem de gases efluentes e aprovados pelo órgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:

O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex.Cultural, Biológico, etc) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto-alvo desenvolver algum mecanismo de resistência à inseticidas (MRI) poderíamos prolongar a vida útil dos inseticidas.
• Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as doses recomendadas na bula.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.