Míldio (Peronospora parasitica)

Míldio

(Peronospora parasitica)

Culturas Afetadas: Brócolis, Couve, Couve-chinesa, Couve-flor, Repolho

Sinônimos: Peronospora lepidii, Peronospora lepidii-sativi e Peronospora lepidii-virginici

Este fungo causa doença em brasicáceas (crucíferas - brócolis, couve, couve-flor, rabanete, repolho e rúcula) na fase de sementeira, afetando a formação dos cotilédones e das mudas. Nas plantas adultas, dependendo das condições ambientais, o patógeno provoca sérios prejuízos, pois afeta as folhas. Mas é na fase reprodutiva, quando o fungo infecta a inflorescência, que os danos são maiores.

Danos: Quando a infecção é severa pode ocorrer morte das plantas jovens. Nas sementeiras, o fungo infecta as folhas cotiledonares e primárias. Na face superior da folha, desenvolve lesões circulares cloróticas, que posteriormente tornam-se necróticas. Na face inferior da folha, região correspondente às lesões cloróticas ou necróticas, formam-se as estruturas de frutificação do fungo, com coloração esbranquiçada.

Controle: A eliminação dos restos de cultura, a rotação utilizando plantas não susceptíveis e a utilização de sementes sadias são práticas que auxiliam no controle da doença. Além disso, recomenda-se evitar a elevada densidade de plantas, principalmente nas sementeiras, assim como a irrigação por aspersão e os locais com excesso de sombreamento. Realizar pulverizações com fungicidas protetores e/ou sistêmicos, registrados para as culturas.

Deslize o dedo na tabela abaixo para movê-la horizontalmente