Bula Polytrin

acessos
Profenofós + Cipermetrina
9507
Syngenta

Composição

Cipermetrina 40 g/L Piretróide
Profenofós 400 g/L Organofosforado

Classificação

Acaricida, Inseticida
III - Medianamente tóxico
I - Produto extremamente perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro branco
(Polyphagotarsonemus latus)
1 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. Aplicar quando houver 40% de plantas com sintomas típicos iniciais do ataque do ácaro, e antes que as folhas mostrem rasgaduras
Ácaro rajado
(Tetranychus urticae)
1 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. Iniciar quando aparecerem as
Bicudo
(Anthonomus grandis)
1 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. Até aos 60 dias da cultura as pulverizações devem ser feitas quando houver 5% de botões com sintomas do ataque (puncturas de oviposição e/ou alimentação). Após os 60 dias as pulverizações devem ser feitas quando o nível for de 10% de botões atacados
Curuquerê
(Alabama argillacea)
0,15 a 0,25 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. Aplicar após os 30 dias de idade da cultura quando houver 2 lagartas/planta, ou o nível de desfolha for de 25%
Lagarta da maçã
(Heliothis virescens)
1 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. O controle deve ser feito quando constatar 15 lagartas menores que 1 cm em 100 plantas, ou 10 lagartas grandes e pequenas em 100 plantas
Lagarta rosada
(Pectinophora gossypiella)
1 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. Aplicar quando houver 5% de maçãs atacadas, ou forem coletados 10 adultos/dia nas armadilhas de feromônio
Percevejo rajado
(Horcias nobilellus)
1 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 20 dias. Aplicar quando houver 20% de botões com percevejos (ninfas + adultos)
Amendoim Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do pescoço vermelho
(Stegasta bosquella)
0,3 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 22 dias. O período crítico da praga vai de 43 a 70 dias de idade da cultura, e não há um nível de controle estabelecido. Aplicar assim que for constatada a presença da praga
Tripes do bronzeamento
(Enneothrips flavens)
0,25 a 0,3 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 22 dias. O nível de controle é de 3 tripes/folíolo fechado no período da emergência ao florescimento; e de 5 insetos/folíolo no período do florescimento até 80-90 dias
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Traça da batatinha
(Phthorimaea operculella)
1,25 L p.c./ha 800 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 14 dias. Aplicar logo que se constatar a presença de adultos e os primeiros sinais de alimentação nas folhas
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
400 a 500 mL p.c./ha 250 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 14 dias. Aplicar logo que se constatar a presença de adultos e os primeiros sinais de alimentação nas folhas
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Bicho mineiro
(Leucoptera coffeella)
150 mL p.c./100L água 300 a 400 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Aplicar quando 30% de folhas entre 3 o e 4o par dos ramos da parte mediana das plantas apresentarem lesões novas da praga
Cebola Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tripes do fumo
(Thrips tabaci)
0,4 a 0,5 L p.c./ha 600 a 800 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 5 dias. Aplicar logo que constatar a presença de ninfas na planta
Ervilha Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca branca
(Bemisia tabaci raça B)
0,13 L p.c./ha 600 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 4 dias. Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cigarrinha verde
(Empoasca kraemeri)
0,3 L p.c./ha 100 a 150 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 14 dias. Aplicar quando constatar a presença de um máximo de 2 adultos ou 2 a 3 ninfas por planta
Mosca branca
(Bemisia tabaci)
0,8 L p.c./ha 150 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicaçõe. 14 dias. Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
0,8 L p.c./ha 150 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 14 dias. Aplicar logo que constatar a presença de adultos e primeiros sinais de alimentação nas folhas
Feijão vagem Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca branca
(Bemisia tabaci raça B)
125 mL p.c./100L água 800 L de calda/ha - Realizar no máximo duas aplicações. 4 dias. Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas
Melancia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão do algodoeiro
(Aphis gossypii)
100 mL p.c./100L água 600 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 4 aplicações. 4 dias. Aplicar assim que for constatada a presença da praga
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
0,25 a 0,4 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Antes do florescimento, aplicar quando houver 20% de plantas com os sintomas iniciais do ataque, isto é, folhas novas com áreas raspadas pelo inseto
Pepino Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca dos frutos
(Diaphania nitidalis)
40 a 80 mL/100 L de água 450 a 900 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 5 aplicações. 3 dias. Aplicar a partir do início do florescimento
Repolho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão da couve
(Brevicoryne brassicae)
100 mL p.c./100L água 600 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. Aplicar assim que for constatada a presença da praga
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta da soja
(Anticarsia gemmatalis)
0,1 a 0,12 L p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha 10 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Antes do florescimento, aplicar quando houver 40 lagartas maiores que 1,5 cm por batida de pano ou 30% de desfolha. Após o florescimento, iniciar controle com o mesmo número de lagartas ou 15% de desfolha
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro do brozeamento
(Aculops lycopersici)
75 a 100 mL p.c./100L água 900 L de calda/ha - Realizar no máximo 6 aplicações. 10 dias. Aplicar assim que for constatada a presença da praga ou bem no início dos sintomas
Broca pequena do tomateiro
(Neoleucinodes elegantalis)
125 mL p.c./100L água 500 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 6 aplicações. 10 dias. Aplicar a partir do florescimento. As aplicações devem ser feitas sistematicamente nos 60 dias após a germinação ou transplante
Mosca branca
(Bemisia tabaci)
100 mL p.c./100L água 500 a 900 L de calda/ha - Realizar no máximo 6 aplicações. 10 dias. Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas
Traça do tomateiro
(Tuta absoluta)
125 mL p.c./100L água 700 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 6 aplicações. 10 dias. Aplicar assim que for constatada a presença da mariposa na lavoura, ponteiros mortos ou folhas com minas grandes
Tripes
(Frankliniella schultzei)
0,75 L p.c./ha 500 L de calda/ha - 7 dias. 10 dias. Aplicar a partir de 3 dias após a germinação ou transplante
Tomate envarado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tripes
(Frankliniella schultzei)
75 mL p.c./100L água 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 6 aplicações. 10 dias. Aplicar a partir de 3 dias após a germinação ou transplante

Peso líquido: 1, 5, 10, 20, 50, 100, 150, 200, 225, 420, 450, 500 e 530 L.

INSTRUÇÕES DE USO:
POLYTRIN é um inseticida-acaricida composto de um inseticida-acaricida organofosforado e um inseticida piretróide, com ação de contato, ingestão, e profundidade.

CULTURAS, PRAGAS E DOSES:
Vide a seção “Indicações de Uso/Doses”

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
O número e a época de aplicação dependerão da freqüência e da ocorrência de infestação ou de determinado nível de infestação da praga (se este tiver sido estabelecido para a cultura). As reaplicações somente devem ser feitas quando - ocorrerem reinfestações.

-ALGODÃO: “Bicudo”: Até os 60 dias da cultura as pulverizações devem ser feitas quando houver 5% de botões com sintomas do ataque (puncturas de oviposição e/ou alimentação). Após 60 dias as pulverizações devem ser feitas quando o nível for de 10% de botões atacados. O intervalo mínimo entre aplicações deve ser de 7 dias. “Ácaro-Rajado”: Iniciar pulverização quando aparecerem as primeiras reboleiras de plantas com sintomas típicos da praga, e em folhas do terço médio e superior for constatada a presença de ácaros vivos e ovos. “Ácaro-Branco”: Pulverizar quando houver 40% de plantas com os sintomas típicos iniciais do ataque do ácaro, e antes que as folhas mostrem rasgaduras. “Laqarta-das-Macãs”: O controle deve ser feito quando se constatar 15 lagartas menores
que 1,0 cm em 100 plantas, ou 10 lagartas grandes e pequenas em 100 plantas. “Lagarta-Rosada”: Pulverizar quando houver 5% de maçãs atacadas, ou forem coletados 10 adultos/dia nas armadilhas de feromônio. “Curuquerê”: Utilizar o produto após os 30 dias de idade da cultura quando houver 02 lagartas/planta, ou o nível de desfolha for de 25%. “Percevejo-Rajado”: Pulverizar quando houver 20% de botões com percevejos (ninfas + adultos).
Número máximo de aplicações: 4.

-AMENDOIM: “Tripes-do-Amendoim”: Da emergência da cultura ao florescimento o nível de controle é de 3 tripes/folíolo fechado. Do florescimento até 80 - 90 dias o nível de controle é de 5 insetos/folíolo.
“Lagarta-do-Pescoço-Vermelho”: O período crítico da praga vai de 43 a 70 dias de idade da cultura, mas não há um nível de controle estabelecido especificamente para esta praga. Aplicar assim que for constatada a presença da praga.
Número máximo de aplicações: 3.

-BATATA: Aplicar logo que se constatar a presença de adultos e os primeiros sinais de alimentação nas folhas. O número de aplicações depende da pressão da praga.
Número máximo de aplicações: 4.

-CAFÉ: Pulverizar quando 30% de folhas entre 3° e o 4° par dos ramos da parte mediana das plantas apresentarem lesões novas da praga.
Fazer apenas 1 aplicação.

-CEBOLA: Aplicar logo que constatar a presença de ninfas na planta Intervalo de 7 dias entre as aplicações. Fazer 3 aplicações e no máximo 4 aplicações.

-ERVILHA: Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas. O nº de aplicações depende da pressão da praga. Número máximo de aplicações: 4.

-FEIJÃO: “Mosca-Branca”: Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas. O n° de aplicações depende da pressão da praga. “Vaquinha verde-amarela”: Aplicar logo que constatar a presença de adultos e primeiros sinais de alimentação nas folhas. O nº de aplicações depende da pressão da praga. “Cigarrinha-verde”: Aplicar quando constatar a presença de um máximo de 2 adultos ou 2 a 3 ninfas por planta. O nº de aplicações depende da pressão da praga.
Número máximo de aplicações: 4.

-MELANCIA: Aplicar assim que for constatada a presença da praga. O nº de aplicações depende da pressão da praga. Número máximo de aplicações: 4.

-MILHO: Antes do florescimento, pulverizar quando houver 20% de plantas com
os sintomas iniciais do ataque, isto é, folhas novas com áreas raspadas pelo inseto.
Número máximo de aplicações: 1.

-PEPINO: Aplicar a partir do início do florescimento. O nº de aplicações depende da pressão da praga. Número máximo de aplicações: 5.

-REPOLHO: Aplicar assim que for constatada a presença da praga. O nº de aplicações depende da pressão da praga. Número máximo de aplicações: 3.

-SOJA: Lagarta-da-Soja: Antes do florescimento pulverizar quando houver 40 lagartas maiores que 1,5 em por batida de pano ou 30% de desfolha. Após o florescimento iniciar controle com o mesmo número de lagartas ou 15% de desfolha.

-TOMATE: “Ácaro-do-bronzeamento”: Aplicar assim que for constata a presença da presença da praga ou bem no início dos sintomas. O n° de aplicações depende da pressão da praga. “Mosca-branca”: Aplicar assim que constatar a presença de mosca e/ou ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas. O n° de aplicações depende da pressão da praga. “Broca-pequena-do-fruto”: Aplicar a partir do florescimento. O n° de aplicações depende da pressão da praga. As aplicações devem ser feitas sistematicamente nos 60 dias após a germinação ou transplante. “Traça-do-tomateiro”: Aplicar assim que for constatada a presença da mariposa na lavoura, ponteiros mortos ou folhas com minas grandes. O n° de aplicações depende da pressão da praga. “Tripes”: Aplicar a partir de 3 dias após a germinação ou transplante. O n° de aplicações depende da pressão da praga. Com maior infestação aplique a cada 3 dias. Em infestação menor, aplique em intervalo de 7 dias.
Número máximo de aplicações: 6.

-FEIJÃO-VAGEM: Número máximo de aplicações: 2.

MODO DE APLICAÇÃO:
A dose recomendada deve ser diluída em água e aplicada na forma de pulverização com qualquer tipo de equipamento terrestre, ou também através de aeronaves.

1)Aplicacão Terrestre: Via equipamentos de pulverização:
Poderão ser feitas por meio de pulverizador tratorizado com barra ou com turbo atomizador, e pulverizador costal (manual ou motorizado), utilizando-se bicos hidráulicos de jato cônico vazio (somente para jato dirigido), leque ou "tweenjet”, ou com bicos do tipo rotativo (COA), com uma cobertura no alvo de 20-30 gotas/cm² com DMV (Diâmetro Mediano volumétrico) de 200-400 µm.
Para bicos hidráulicos utilizar pressões entre 60 a 100 PSI.
Na cultura do milho recomenda-se a utilização de bicos de jato leque, preferencialmente os com ângulo de 800, utilizando pressão de 15 a 30 PSI e DMV > 400 µm.

Para uma cobertura uniforme das plantas recomenda-se os seguintes volumes de água em pulverização:
Algodão, Amendoim, Soja: 80 - 200 I/ha
Batata - para controle da Traça-da-Batatinha: 800 I/ha, para controle da Vaquinha-Verde-Amarela: 250 I/ha
Cebola: 600 - 800 I/ha
Café: 300 - 400 I/ha
Ervilha, repolho, melancia: 600 I/ha
Feijão: para controle da Vaquinha-Verde-Amarela e da Mosca-Branca: 150 I/ha; para controle da Cigarrinha-Verde: 100 - 150 I/ha
Milho: 200 - 400 I/ha
Pepino: 450 - 900 I/ha
Tomate: para controle do Ácaro-do-Bronzeamento: 900 I/ha; para controle da Mosca-Branca: 500 900 I/ha, para controle da Broca-Pequena-do-Fruto: 500 -1000 I/ha; Traça-do-Tomateiro: 700 -1000 I/ha; para controle de Tripes em tomate industrial: 500 L/ha; em tomate envarado: 1000 I/ha.
Feijão-vagem: 800 I/ha

NOTA
Os volumes de calda acima deverão ser ajustados de acordo com o porte e cobertura foliar da planta, evitando-se perda por escorrimento. Empregar os menores valores para os estádios iniciais, aumentando o volume conforme o estádio de desenvolvimento da cultura, de modo a garantir que sempre será aplicada a quantidade de princípio ativo recomendada nas instruções de uso.

-Outros parâmetros a serem observados na pulverização:

Atomizador tratorizado/costal:
a)Tipo e nº de bicos: Uma turbina ou uma ponta dosadora especial;
b)Pressão: 15 a 480 lp/pol²;
c)Espectro de gotas: DMV na faixa de 200 a 400 µm e densidade de 20 a 30 gotas/cm²;
d)Faixa de deposição: Tratorizado – 10 a 30 m; Costal – 4 a 8 m;
e) Condições meteorológicas: temperatura máxima de 30ºC; umidade relativa mínima de 55% e vento de no máximo 5 m/seg.

Pulverizador tratorizado com barra/costal:
a)Tipo e nº de bicos: Bicos hidráulicos do tipo cônico vazio, leque ou twinjet;
b)Pressão: Tratorizado com barra: 60 a 100 lp/pol²; Costal: 20 a 40 lp/pol²;
c)Espectro de gotas: DMV na faixa de 200 a 400 µm com cobertura sem escorrimento e densidade de aproximadamente de 20 gotas/cm²;
d)Faixa de deposição: equivalente ao comprimento da barra;
e) Condições meteorológicas: evitar as horas mais quentes do dia e deriva excessiva para maior segurança do aplicador e evitar perdas do produto por evaporação.

-Preparo da calda
A dose recomendada deve ser colocada no pulverizador contendo 1/4 do tanque com água e em seguida completar o volume desejado mantendo a agitação constante.

2)Aplicação Aérea:
As aplicações aéreas podem ser realizadas através de aviões ou helicópteros. O produto deve ser diluído em água à baixo volume, ou seja, aplicação de 10-50 litros/ha, obedecendo os seguintes parâmetros:
- Bicos: Jato cônico, série D com difusor 25, 45 ou 46 com ângulo do jato ajustado para 45 a 90°; 4 unidade de bicos Micronair, série AU 3000 ou 6 a 8 da série AU 5000 com ângulo das pás ajustado em 65°;
- Pressão (PSI): 10 a 40
- Espectro de gotas: DMV = 200 a 400 µm; cobertura no alvo com densidade entre 20 a 30 gotas/cm²
- Faixa de aplicação: 15 m para cobertura uniforme com CV < 30% ou no máximo 20 m com CV >
- Altura de vôo: 2 a 4 metros
- Condições metereológicas: Temperatura: máxima 30ºC; Umidade Relativa do ar: mínima 55 %; Velocidade do vento: máxima: 10 km/hora e mínima: 3 km/hora.

A largura da faixa de aplicação é valida somente para aviões do tipo IPANEMA, CESSNA AGWAGON, PIPER PAWNEE e similares. Para outros modelos de aeronaves de maior porte, consultar a Syngenta Proteção de Cultivos Ltda.

Para a cultura do algodão, recomendamos a faixa de 15 m, devido à complexidade e diversidade de pragas.

0BS: Nas operações com aeronaves, atender as disposições constantes na Portaria N° 009 do Decreto Lei nº86.765 de 22/12/81 da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão: 20 dias;
Amendoim: 22 dias;
Batata: 14 dias;
Café: 30 dias;
Cebola: 5 dias;
Ervilha: 4 dias;
Feijão: 14 dias;
Feijão-vagem: 4 dias;
Melancia: 4 dias;
Milho: 30 dias;
Pepino: 3 dias;
Repolho: 14 dias;
Soja: 30 dias;
Tomate: 10 dias.

FITOTOXICIDADE:
Nas culturas e doses recomendadas não apresenta qualquer efeito fitotóxico.

LIMITAÇÕES DE USO:
- Não pulverizar quando houver ventos fortes.
- Após a diluição em água, aplicar a calda no mesmo dia.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES PRODUTO PERIGOSO USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL, COMO INDICADOS.


PRECAUÇÕES GERAIS:

• Produto para uso exclusivamente agrícola.
• Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
• Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
• Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
• Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
• Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.
• Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.


PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:

• Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
• Utilize equipamento de proteção individual – EPI: macacão de algodão hidro-repelente (com as mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as calças passando por cima das botas), óculos, máscara com filtro para vapores orgânicos cobrindo o nariz e a boca, avental impermeável, luvas e botas de borracha.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:

• Evite o máximo possível o contato com a área tratada.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
• Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança.
• Em caso de aplicação manual, utilize equipamento de proteção individual – EPI: macacão de algodão hidro-repelente (com as mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as calças passando por cima das botas), touca árabe, óculos de proteção, máscara com filtro para vapores orgânicos cobrindo o nariz e a boca, luvas e botas de borracha.
• Em caso de aplicação por trator de cabine aberta, utilize os equipamentos de proteção individual – EPI indicados no caso de aplicação manual.
• Em caso de aplicação por trator de cabine fechada, verifique a vedação perfeita da cabine de proteção.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:

• Não reutilize a embalagem vazia.
• Evite o máximo possível o contato com a área aplicada com o produto até o término do intervalo de reentrada (24 h).
• Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
• Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
• Troque e lave as suas roupas de proteção separadamente das demais roupas da família. Ao lavar as roupas, utilizar luvas e avental impermeável.
• Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção, após cada aplicação do produto. Fique atento ao período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
• No descarte de embalagens, utilize equipamento de proteção individual – EPI: macacão de algodão hidro-repelente com mangas compridas, luvas e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS:

EM CASO DE SUSPEITA DE INTOXICAÇÃO: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.
Ingestão: não provoque vômito. Nunca dê nada pela boca a uma pessoa inconsciente.
Olhos: lave com água em abundância durante 15 minutos.
Pele: lave com água corrente e sabão em abundância.
Inalação: procure local arejado. Se o acidentado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial. Transporte-o imediatamente para assistência médica mais próxima.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:

1. PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

• Este produto é MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II).
• Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE para microorganismos de solo.
• Este produto é ALTAMENTE BIOCONCENTRÁVEL para organismos aquáticos.
• Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para aves e abelhas, podendo atingir outros insetos benéficos. Não aplique o produto no período de maior visitação das abelhas.
• Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
• Não utilize equipamento com vazamento.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Aplique somente as doses recomendadas.
• Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d’água. Evite a contaminação da água.
• A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
• Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação susceptível a danos.
• Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.


2. INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

• Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
• O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
• A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
• O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
• Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
• Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
• Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver as embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
• Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
• Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.


3. INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
• Isole e sinalize a área contaminada.
• Contate as autoridades locais competentes e a Empresa SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - telefone de emergência: 0800-7044304.
• Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscara com filtro).
• Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d’água.
• Siga as instruções abaixo:
• Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
• Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante, conforme indicado acima.
• Corpos d’água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade de produto envolvido.
• Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, de CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.


4. PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL - LAVAGEM DA EMBALAGEM

-Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual – recomendados para o preparo da calda do produto.

Tríplice Lavagem (Lavagem Manual): Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até ¼ do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.
Lavagem sob pressão: Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos; - Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas. O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra. Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 (seis) meses após o término do prazo de validade. O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

TRANSPORTE: As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das pragas, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, Inseticidas, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de pragas pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas (IRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos inseticidas e acaricidas:
-Qualquer produto para controle de pragas da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
-Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
-Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.
-Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados.

Compatibilidade

Não há casos de incompatibilidade