Bula Racio - Ouro Fino
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,166 (1,02%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (-0,36%)

Bula Racio

Acefato
816
Ouro Fino

Composição

Acefato 750 g/kg

Classificação

Terrestre
Inseticida
4 - Produto Pouco Tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó solúvel (SP)
Contato, Ingestão, Sistêmico

Algodão

Calda Terrestre Dosagem
Alabama argillacea (Curuquerê)
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro)
Caliothrips brasiliensis (Tripes)
Frankliniella schultzei (Tripes)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)
Heliothis virescens (Lagarta da maçã)
Tetranychus urticae (Ácaro rajado)

Amendoim

Calda Terrestre Dosagem
Caliothrips brasiliensis (Tripes)
Empoasca spp (Cigarrinha verde)
Enneothrips flavens (Tripes do bronzeamento)
Stegasta bosquella (Lagarta do pescoço vermelho)

Batata

Calda Terrestre Dosagem
Empoasca kraemeri (Cigarrinha verde)
Macrosiphum euphorbiae (Pulgão das solanáceas)
Myzus persicae (Pulgão verde)
Phthorimaea operculella (Traça da batatinha)
Spodoptera frugiperda (Lagarta do cartucho)

Citros

Calda Terrestre Dosagem
Ecdytolopha aurantiana (Bicho furão)
Orthezia praelonga (Cochonilha)
Parlatoria pergandii (Parlatoria)
Selenaspidus articulatus (Cochonilha pardinha)

Feijão

Calda Terrestre Dosagem
Bemisia tabaci (Mosca branca)
Caliothrips brasiliensis (Tripes)
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela)
Empoasca kraemeri (Cigarrinha verde)
Hedylepta indicata (Lagarta enroladeira das folhas)

Melão

Calda Terrestre Dosagem
Aphis gossypii (Pulgão do algodoeiro)

Milho

Calda Terrestre Dosagem
Dalbulus maidis (Cigarrinha do milho)
Dichelops melacanthus (Percevejo barriga verde)
Rhopalosiphum maidis (Pulgão)

Soja

Calda Terrestre Dosagem
Anticarsia gemmatalis (Lagarta da soja)
Caliothrips phaseoli (Tripes do feijoeiro)
Epinotia aporema (Broca das axilas )
Euschistus heros (Percevejo marrom)
Frankliniella rodeos (Tripes)
Frankliniella schultzei (Tripes)
Hedylepta indicata (Lagarta enroladeira das folhas)
Nezara viridula (Percevejo verde)
Piezodorus guildinii (Percevejo verde pequeno da soja)
Trichoplusia ni (Trichoplusia)

Tomate

Calda Terrestre Dosagem
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela)
Helicoverpa zea (Lagarta da espiga do milho)
Liriomyza huidobrensis (Larva minadora)
Macrosiphum euphorbiae (Pulgão das solanáceas)
Myzus persicae (Pulgão verde)
Tetranychus evansi (Ácaro vermelho)
Thrips palmi (Tripes)

Saco Hidrossolúvel - 0,1; 0,2; 0,3; 0,4; 0,5; 1; 1,5; 2; 2,5; 3; 3,5 e 4 Kg
Saco Plástico, Alumínio, Papel, Polietileno ou Metalizado - 01; 0,15; 0,2:0,25; 0,3; 0,5; 1; 1,5; 2; 2,5; 3,5; 4; 5; 6; 8; 10; 15; 20 e 25kg
Frasco Metálico ou Plástico - 1;1,5;2; 2,5; 3; 4; 5; 8; 10; 15; 20 e 25 kg
Cartucho Papelão com revestimento impermeável - 0,1; 0,15; 0,2; 0,25; 0,5; 1; 13; 2; 2,5; 4; 5; 8; 10; 15;20 e 25kg
Fibrolata Corpo de papel tampa dou fundo flandres - de 0,5; 1; 2; 3; 4 e 5kg
Tambor Metálico (com revestimento anticorrosivo) ou plástico - Uso Exclusivamente industrial: 50; 100; 200; 250 e 500 kg
Big-bag Tecido com Proteção impermeável - Uso Exclusivamente industrial: 100; 200; 250; 500; 600; 625; 650; 700; 800; 900; 1.000; 1.100; 1.200 e 1.500 kg

INSTRUÇÕES DE USO

RACIO é um inseticida sistêmico do grupo químico organofosforado, com ação por contato e ingestão. O mecanismo de ação do RACIO está relacionado a inibição da acetilcolinesterase (AChE), que tem ação de degradar o neurotransmissor da Acetilcolina (ACh), resultando no acumulo de acetilcolina na sinapse, causando hiperexcitabilidade, transmissão continua e descontrolada de impulsos nervosos, há uma paralisação dos músculos impedindo a respiração e provocando a morte devido à ausência de oxigênio no cérebro. É indicado para aplicação foliar no controle de pragas da parte aérea das culturas indicadas conforme a bula.

MODO APLICAÇÃO

Características da aplicação: As aplicações deverão ser realizadas de acordo com as recomendações desta bula, respeitando os níveis de controle recomendados. As aplicações deverão ser com calda suficiente para a melhor cobertura da cultura.
É PROIBIDA A APLICAÇÃO COM EQUIPAMENTO COSTAL OU MANUAL.

Aplicação terrestre:
RACIO deve ser aplicado em pulverização terrestre, com pulverizador tratorizado (barra ou turboatomizador) ou autopropelido, equipados com pontas que produzam gotas de classe média a grossa, utilizando volume de calda recomendado para cada cultura, procurando obter pulverizações com cobertura uniforme da parte aérea das plantas. A altura da barra deve obedecer às recomendações dos fabricantes devendo em toda a sua extensão, estar na mesma altura e ser adequada ao estágio de desenvolvimento da cultura. Mantenha a agitação do tanque e o registro do pulverizador fechado durante as paradas e manobras do equipamento, evitando desperdícios e sobreposição de faixas de aplicação ou danos a culturas vizinhas.
Preparo da calda: RACIO é acondicionado em saco hidrossolúvel, que é totalmente dissolvido em contato com a água, não havendo necessidade de abrir ou cortá-lo. A embalagem hidrossolúvel deve ser colocada diretamente no tanque de preparo da solução.
Para o uso de sacos hidrossolúveis:
1. Encher o tanque com água limpa com ¼ do volume de calda recomendado;
2. Iniciar agitação no tanque;
3. Colocar o saco hidrossolúvel diretamente no tanque, sem cortá-lo ou abri-lo, ao colocá-lo na água ele se dissolverá rapidamente;
4. Adicionar tantos sacos hidrossolúveis quanto necessário para conseguir a dosagem recomendada;
5. Aguardar a completa dissolução do saco hidrossolúvel na água. A agitação contínua é necessária para a boa mistura.

Limpeza do equipamento de aplicação:
Antes da aplicação, verifique e inicie somente com o equipamento limpo e bem conservado. Imediatamente após a aplicação, proceda a uma completa limpeza de todo o equipamento para reduzir o risco da formação de depósitos sólidos que possam se tornar difíceis de serem removidos. O adiamento, mesmo por poucas horas, somente torna a limpeza mais difícil.
1. Com o equipamento de aplicação vazio, enxágue completamente o pulverizador e faça circular água limpa pelas mangueiras, barras, bicos e difusores, removendo fisicamente, se necessário, os depósitos visíveis de produto. O material resultante desta operação deverá ser pulverizado na área tratada com o respectivo produto;
2. Complete o pulverizador com água limpa. Circule esta solução pelas mangueiras, barras, filtros e bicos. Desligue a barra e encha o tanque com água limpa. Circule pelo sistema de pulverização por 15 minutos. Circule então pelas mangueiras, barras, filtros, bicos e difusores. Esvazie o tanque na área tratada com o respectivo produto.
3. Remova e limpe os bicos, filtros e difusores em um balde com a solução de limpeza. Enxágue completamente o pulverizador, mangueiras, barra, bicos e difusores com água limpa no mínimo 3 vezes. Limpe tudo que for associado ao pulverizador, inclusive o material usado para o enchimento do tanque.
4. Tome todas as medidas de segurança necessárias durante a limpeza. Não limpe o equipamento perto de nascentes, fontes de água ou de plantas úteis. Descarte os resíduos da limpeza de acordo com a legislação Estadual ou Municipal.

Recomendação para evitar deriva: não permita que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos de rios e outras fontes de água, criações e áreas de preservação ambiental. Siga as restrições existentes na legislação pertinente.
O potencial de deriva é determinado pela interação de muitos fatores relativos a equipamento de pulverização e ao clima. O aplicador deve considerar todos estes fatores quando da decisão de aplicar

Importância do diâmetro de gota: a melhor estratégia de gerenciamento de deriva é aplicar o maior diâmetro de gotas possível para dar uma boa cobertura e controle (0,15 a 0,20 mm). A presença nas proximidades de culturas para as quais o produto não esteja registrado, condições climáticas, estádio de desenvolvimento da cultura, etc devem ser considerados como fatores que podem afetar o gerenciamento da deriva e cobertura da planta. Aplicando gotas de diâmetro maior reduz-se o potencial de deriva, mas não a previne se as aplicações forem feitas de maneira imprópria ou sob condições desfavoráveis. Leia as instruções sobre Condições de vento, Temperatura, e Inversão térmica.

Controlando o diâmetro de gotas – Técnicas gerais
Volume: Use bicos de maior vazão para aplicar o maior volume de calda possível considerando necessidades práticas. Bicos com vazão maior produzem gotas maiores.
Pressão: Use a menor pressão indicada para o bico. Pressões maiores reduzem o diâmetro de gotas e não melhoram a penetração através das folhas da cultura. Quando maiores volumes forem necessários, use bicos de vazão maior ao invés de aumentar a pressão.
Tipo de bico: Use o modelo de bico apropriado para o tipo de aplicação desejada. Para a maioria dos bicos, ângulos de aplicação maiores produzem gotas maiores. Considere o uso de bicos de baixa deriva.
Altura da barra: Para equipamento de solo, regule a altura da barra para a menor possível, de forma a obter uma cobertura uniforme, reduzindo a exposição de gotas à evaporação e aos ventos. A barra deve permanecer nivelada com a cultura, observando-se também a adequada sobreposição dos jatos.
Ventos: O potencial de deriva aumenta com a velocidade do vento, inferior a 5 km/h (devido ao potencial de inversão) ou maior que 16 km/h. No entanto, muitos fatores, incluindo o diâmetro de gotas e o tipo de equipamento, determinam, o potencial de deriva a uma dada velocidade do vento. Não aplicar se houver vento forte, acima de 16 km/h, ou em condições de vento inferiores a 5 km/h. Observações: condições locais podem influenciar o padrão do vento. Todo aplicador deve estar familiarizado com os padrões de ventos locais e como eles afetam a deriva.
Temperatura e umidade: Em condições de clima quente e seco, regule o equipamento de aplicação para produzir gotas maiores a fim de reduzir o efeito da evaporação.

Inversão térmica: O potencial de deriva é alto durante uma inversão térmica. Inversões térmicas diminuem o movimento vertical do ar, formando uma nuvem de pequenas gotas suspensas que permanece perto do solo e com movimento lateral. Inversões térmicas são caracterizadas pela elevação da temperatura com relação à altitude e são comuns em noites com poucas nuvens e pouco ou nenhum vento. Elas começam a ser formadas ao pôr-do-sol e frequentemente continuam até a manhã seguinte. Sua presença pode ser indicada pela neblina no nível do solo. No entanto, se não houver neblina as inversões térmicas podem ser identificadas pelo movimento da fumaça originária de uma fonte no solo. A formação de uma nuvem de fumaça em camadas e com movimento lateral indica a presença de uma inversão térmica; enquanto que, se a fumaça for rapidamente dispersada e com movimento ascendente, há indicação de um bom movimento vertical do ar.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

Temperatura ambiente: máxima de 30ºC.
Umidade Relativa do ar: mínima de 50%.
Velocidade do vento: 3 a 10 km/hora.
O Engenheiro Agrônomo pode alterar as condições de aplicação desde que não ultrapasse a dose máxima, o número máximo de aplicações de o intervalo de segurança determinados nessa bula.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Algodão, Batata e Soja: 21 dias
Amendoim, Feijão e Melão: 14 dias
Citros: 28 dias
Milho e Tomate: 35 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Quando utilizado conforme as recomendações da bula, RACIO não causa fitotoxicidade às culturas indicadas.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS

Os EPI’s visam proteger a saúde dos trabalhadores e reduzir o risco de intoxicação decorrente de exposições aos agrotóxicos. Para cada atividade envolvendo o uso de agrotóxicos é recomendado o uso de EPI’s específicos descritos nas orientações para preparação de calda, durante aplicação, após a aplicação, no descarte das embalagens e no atendimento dos primeiros socorros, VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas, além do controle químico (Ex.: Controle cultural, biológico, varietal, comportamental e genético) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado. Para o sucesso dos programas de manejo integrado de pragas é importante conhecer a taxonomia, biologia e ecologia da praga a ser manejada, bem como realizar o seu monitoramento em todas as fases de desenvolvimento (ovos, larvas, ninfas, pupas e adultos). O monitoramento fornece as informações necessárias para a escolha do método de controle mais adequado, de acordo com o nível de ação pré-estabelecido. Outro fator importante é conhecer as condições ambientais adequadas para o funcionamento de cada método, garantindo o sucesso do seu emprego.

GRUPO 1B INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. O inseticida RACIO pertence ao grupo 1B (inibidores da acetilcolinesterase – Organofosforados) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas.
Para manter a eficácia e longevidade do RACIO como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
• Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 1B. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
• Usar RACIO ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
• Aplicações sucessivas de RACIO podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga-alvo.
• Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No caso específico do RACIO, o período total de exposição (número de dias) a inseticidas do grupo químico dos ORGANOFOSFORADOS não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações recomendadas na bula.
• Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização do RACIO ou outros produtos do Grupo 1B quando for necessário;
• Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas;
• Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
• Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).

PT - Acefato Técnico Ouro Fino reg. nº 9113; Acefato Técnico UPL reg. nº 3709; Acefato Técnico Sabero reg. nº 7610;