Bula Trebon 100 SC - Sipcam Nichino
CME MILHO (SET/20) US$ 3,244 (-0,18%)
| Dólar (compra) R$ 5,42 (1,02%)

Bula Trebon 100 SC

Etofenproxi
2998
Sipcam Nichino

Composição

Etofenproxi 100 g/L

Classificação

Terrestre
Inseticida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
II - Produto muito perigoso
Suspensão Concentrada (SC)
Contato, Ingestão

Frascos e bombonas plásticas (polietileno, polietileno de alta densidade, Coex e tereftalato) de 50, 100 e 500 mL e 1, 5, 10 e 20 L.

INDICAÇÃO DE USO

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

ALGODÃO: iniciar a aplicação quando se constatar a presença da praga na lavoura e/ou, quando 5% dos botões florais estiverem com perfurações. Realizar no máximo três aplicações, com intervalo mínimo de 15 dias.

CAFÉ: realizar o monitoramento do nível de infestação da praga e realizar a aplicação quando for constatado entre 1% e 3% de grãos perfurados. Realizar no máximo duas aplicações de Trebon 100 SC por ciclo. Caso seja reaplicado o mesmo produto, respeitar o intervalo mínimo de 15 dias entre as aplicações. Entretanto, recomenda-se a rotação de ingredientes ativos para o manejo de resistência da praga.

CITROS: iniciar a aplicação quando for constatada a presença da praga no pomar através de
armadilhas de monitoramento. Realizar no máximo duas aplicações por ano, respeitando-se o
intervalo mínimo de 10 dias entre as aplicações.

FEIJÃO: para o controle da vaquinha-verde-amarela, aplicar logo que constatar a presença da
praga na cultura e identificar os primeiros sinais de alimentação nas folhas. Para mosca-branca
iniciar a aplicação do produto quando forem constatadas presença de ovos e primeiras ninfas na parte de baixo das folhas. Não espere pelo aparecimento de sintomas para iniciar as aplicações na cultura. Para a cigarrinha-verde, aplicar logo que constatar a presença da praga (adultos ou ninfas) em população não superior a 2 adultos por planta. Realizar no máximo 3 aplicações, com intervalo mínimo de 15 dias.

FUMO: Recomenda-se iniciar as aplicações logo no início da infestação da praga na cultura. Em condições de alta população da praga, realizar a rotação de produtos com intervalo entre aplicações reduzidas. Realizar no máximo 2 aplicações por ciclo da cultura.

MAÇÃ e PÊSSEGO: Recomenda-se iniciar as aplicações logo no início da infestação da praga nas culturas, quando forem coletadas 20 mariposas adultas/armadilha/semana (1 armadilha/hectare), direcionando a pulverização para os ponteiros novos e frutos até o ponto de gotejamento (alto volume). As aplicações devem ser crepusculares. Realizar no máximo 2 aplicações, repetindo se necessário no intervalo de até 15 dias.

MILHO: Recomenda-se iniciar as aplicações logo no aparecimento dos primeiros danos na cultura ou quando no máximo 10% das plantas se encontrarem raspadas. Aplicar no máximo 2 vezes por ciclo da cultura com intervalo de 7 a 14 dias.

SOJA: iniciar as aplicações for constatado até 40 lagartas por batida de pano menores que 1,5 cm antes do florescimento e até 20 lagartas menores que 1,5 cm após o florescimento. Realizar no máximo 3 aplicações com intervalo de 14 dias.

TOMATE: Para a broca-pequena-do-fruto, recomenda-se iniciar as aplicações quando 5% das
plantas estiverem com ovos nos frutos, observando desde o início da formação dos primeiros frutos. Para a broca-grande-do-fruto, recomenda-se iniciar as aplicações no início da frutificação, logo que identificar o aparecimento da praga. Realizar no máximo duas aplicações com intervalo mínimo de 15 dias entre cada aplicação.

TRIGO: Recomenda-se iniciar as aplicações quando: da fase de emergência ao perfilhamento,
controlar quando encontrar em média 10% de plantas com pulgões; da fase de alongamento ao
emborrachamento, quando a população média atingir 10 pulgões por afilho; na fase reprodutiva, quando a população média atingir 10 pulgões por espiga. Realizar no máximo 2 aplicações com intervalo de 15 dias.

EQUIPAMENTOS E MODO DE APLICAÇÃO:
TREBON® 100 SC é apresentado na forma de suspensão concentrada, a dose deve ser diluída em água e aplicada na forma de pulverização utilizando o tipo de equipamento terrestre devidamente adaptado a cada cultura, conforme abaixo:

- ALGODÃO: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, através de pulverizador de barra
tratorizado, utilizando bicos tipo cone vazio série D2 a D6, tamanho de gotas de 200 a 350 micra com densidade de gotas de 40 gotas/cm² e com pressão de trabalho de 40 a 200 lb/pol². Aplicar de 100 a 200 L de calda por hectare, observando que esteja ocorrendo uma boa cobertura. O trator deve operar com velocidade entre 5 a 6 km/hora.

- CAFÉ: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, através de turbo-atomizador, acoplado ao
trator pelo sistema de 03 pontos, operando com volume de aplicação na faixa de 500 a 1000 L/ha. Utilizar bicos tipo cone série JD com pressão de trabalho de 75 a 150 lb/pol².

- CITROS: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, em pulverizações de pistola ou de turboatomizador, com bicos tipo cone, tamanho de gota de 150 µ, com volume de calda de 8L/planta, podendo variar com o tamanho das plantas. Para Bicho-furão aplicar em cobertura total até o ponto de escorrimento.

- FEIJÃO, SOJA e TRIGO: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, através de pulverizadores de barra tratorizados equipados com bicos cônicos vazio da série D ou similar e com difusores ou core adequado a se obter uma deposição mínima sobre o alvo de 40 gotas/cm² com um DMV de 130 – 160 µ, pressão de 80 -100 psi. A quantidade de calda varia em função do porte e enfolhamento da planta. Em geral, a quantidade de calda varia de 100 - 300 L/ha para as culturas do feijão, soja e trigo.

- FUMO: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, usando pulverizador costal com barra e bicos de jato em cone, séries X, D ou similares, com pressão de 40 a 60lb/pol² (psi) nos bicos com pontas e difusor adequados. Utilizar um volume de calda até 150 a 300 L/ha.

- MILHO: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, através de pulverizadores de barra ou costal manual dirigindo o jato para o cartucho da planta, com um volume de calda de 150 a 300 L/ha.

- MAÇÃ E PÊSSEGO: Aplicar TREBON® 100 SC, diluído em água, através de pulverizador costal manual ou motorizado, ou de tração tratorizada com turbo atomizador ou através de mangueiras com pistolas, utilizando de 800 a 1.500 litros de calda por hectare, de modo a obter cobertura dos ramos, folhas e frutos.
Observar que a dose mínima é de 0,15 L/100 L d’água, e, nesse caso, utilizar pulverizações com volume de calda abaixo de 1.000 L/ha.

- TOMATE: Aplicar TREBON® 100 SC, em mistura com água, através de pulverizador costal manual e motorizado para o cultivo do tomate tutorado (salada) e tratorizado para o cultivo de tomate rasteiro (indústria), equipados com bicos de jato em cone, séries X, D ou similares, com pressão de 40 a 60lb/pol² (psi). O volume de calda de aplicação é de 1.000 L/ha.

Condições climáticas:
Temperatura máxima: 27°C
Umidade relativa do ar: mínimo 60%
Velocidade do vento: máximo 10 km/h (3 m/s)
Considerar que o fator que influencia sobre a maior e menor velocidade de evaporação é a umidade relativa do ar. Gotas finas têm tendência de uma maior deriva desviando-se do alvo e concorrendo para a poluição ambiental. Gotas grandes têm tendência de escorrimento nas folhas, perdendo-se no solo e reduzindo a sua eficiência ou concorrendo para um efeito de fitotoxicidade sobre as culturas.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
- Algodão e Soja: 15 dias
- Citros e Maçã: 07 dias
- Fumo: Uso não alimentar
- Feijão, Milho, Pêssego e Tomate: 03 dias
- Café: 14 dias
- Trigo: 16 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Não deve ocorrer a reentrada de pessoas nas culturas antes de 24 horas após a aplicação, ou até a secagem do produto nas plantas, a menos que se use equipamentos de proteção individual (EPI's), conforme indicado nos dados relativos à proteção da saúde humana.

LIMITAÇÕES DE USO:
- Uso exclusivamente agrícola.
- Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.
- É obrigatório o uso do produto somente nas indicações constantes na bula.
- Evitar aplicação durante as horas mais quentes do dia;
- Evitar aplicação sob prenuncio de chuva;
- Não aplicar em plantas sob condição de estresse hídrico ou fitotoxicidade.
- Respeitar um período mínimo de 24 horas para realização da irrigação

Nas doses recomendadas, TREBON® 100 SC não é fitotóxico às culturas recomendadas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponíveis e apropriados.

GRUPO 3A INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um
problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à
resistência.
O inseticida TREBON® 100 SC pertence ao grupo 3A (Moduladores dos canais de sódio -
Piretroides e Piretrinas) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas.
Para manter a eficácia e longevidade do TREBON® 100 SC como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
- Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo. Sempre rotacionar com
produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
- Usar TREBON® 100 SC ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um
“intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
- Aplicações sucessivas de TREBON® 100 SC podem ser feitas desde que o período
residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da pragaalvo.
- Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No
caso específico do TREBON® 100 SC, o período total de exposição (número de dias) a
inseticidas do grupo químico dos Moduladores dos canais de sódio - Piretroides e Piretrinas
não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações
recomendadas na bula.
- Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização do TREBON® 100 SC ou outros
produtos do Grupo 3A quando for necessário;
- Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das
pragas a serem controladas;
- Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como
rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que
disponível e apropriado;
- Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais
estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação
de inseticidas;
- Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser
encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).