Bula Bravonil Ultrex - Syngenta

Bula Bravonil Ultrex

acessos
Chlorothalonil
4896
Syngenta

Composição

Clorotalonil 825 g/kg Carbonitrilas

Classificação

Fungicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Contato

Antúrio Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum gloeosporioides)
2,5 kg p.c./ha 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Realizar 4 aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Azaléia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum gloeosporioides)
2,5 kg p.c./ha 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Realizar 4 aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
1,5 a 1,8 kg p.c./ha 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Iniciar logo após a emergência da cultura
Requeima
(Phytophthora infestans)
1,5 a 1,8 kg p.c./ha 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Iniciar logo após a emergência da cultura
Bromélia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum gloeosporioides)
2,5 kg p.c./ha 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Realizar 4 aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Cebola Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha púrpura
(Alternaria porri)
1,8 kg p.c./ha 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Iniciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Míldio
(Peronospora destructor)
1,8 kg p.c./ha 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Iniciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Cenoura Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha de alternaria
(Alternaria dauci)
250 g p.c./100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Iniciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Crisântemo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta
(Alternaria spp)
2,5 kg p.c./ha 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Realizar 4 aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
1,5 a 1,8 kg p.c./ha 500 L de calda/ha - 10 - 15 dias. 14 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Mancha angular
(Phaeoisariopsis griseola)
1,5 a 1,8 kg p.c./ha 500 L de calda/ha - 10 - 15 dias 14 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sarna da maçã
(Venturia inaequalis)
150 g p.c./100 L de água 1000 a 2000 L de calda/ha - Iniciar no estádio C (pontas verdes) e repetir a cada 7 dias até o estádio D2 (meia polegada verde com folhas). Iniciar novamente em dezembro repetindo a cada 7 dias 14 dias. Iniciar no estádio C (pontas verdes) e repetir a cada 7 dias até o estádio D2 (meia polegada verde com folhas). Iniciar novamente em dezembro repetindo a cada 7 dias
Mamão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Varíola
(Asperisporium caricae)
250 g p.c./ha 400 a 1000 L de calda/ha - 14 dias. 7 dias. niciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Melancia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
250 g p.c./100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. niciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Orquídea Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão do fruto
(Phytophthora sp)
2,5 kg p.c./ha 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Realizar 4 aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Pepino Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
250 g p.c./100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. niciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Rosa Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha negra
(Diplocarpon rosae)
250 g p.c./100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. Uso não alimentar. niciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Mancha negra
(Diplocarpon rosae)
250 kg p.c./ha 800 L de calda/ha - Repetir a cada 7 dias. Uso não alimentar. Iniciar as aplicações logo após os primeiros sintomas da doença
Míldio
(Peronospora sparsa)
2,5 kg p.c./ha 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Realizar 4 aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Requeima
(Phytophthora infestans)
150 a 180 g p.c./100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 7 dias. Iniciar uma semana após a emergência
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Plasmopara viticola)
150 g p.c./100 L de água 2000 L de calda/ha - 7 - 10 dias. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença

Saco de papel: 1 e 5 kg. Cartucho de papelão: 5 kg. Saco de papel para 1 kg contendo 10 sacos de filme hidrossolúvel com 100 g cada. Big Bag de plástico (polipropileno) com capacidade para 500 kg (USO EXCLUSIVAMENTE INDUSTRIAL). Saco de papel com revestimento aluminizado para 1 e 5 kg. Saco de papelão com revestimento aluminizado para 10kg e 25 kg. Saco plástico para 1, 5, 10, 20 e 25 Kg.

Modo de aplicação:
Feijão - Utilizar pulverizador tratorizado ou costal manual com bicos tipo cônico. O volume de calda a ser utilizado deverá ser de 500 L/ha.
Batata, Cebola, Cenoura, Mamão, Melancia, Pepino, Rosa e Tomate - Utilizar pulverizador tratorizado ou costal manual com bicos tipo cônico. O volume de calda a ser utilizado deverá ser de 400 a 1000 L/ha de modo a se obter excelente cobertura de toda a parte aérea das plantas, mas evitando-se o escorrimento. Realizar as aplicações com intervalos de sete dias. Maçã - Utilizar turbo-atomizador tratorizado ou costal motorizado para proporcionar melhor cobertura de toda a planta. Aplicar a cada sete dias, usando um volume de calda de 1000 a 2000 L/ha. (vide: Época de aplicação).
Uva - Utilizar pulverizador tratorizado ou costal manual com bicos tipo cônico. O volume de calda a ser utilizado deverá ser de 2000 L/ha. Realizar as aplicações com intervalos de sete dias. O sistema de agitação, do produto no tanque, deve ser mantido em funcionamento durante toda a aplicação. Seguir estas condições de aplicação, caso contrário, consultar um Engenheiro Agrônomo.
Antúrio, Azaléia, Bromélia, Crisântemo, Orquídea e Rosa: Bravonil Ultrex deve ser diluída em água e aplicada sob a forma de pulverização com qualquer tipo de equipamento terrestre (específico para uso em estufas). Para uma cobertura uniforme sobre as plantas, deve-se observar recomendação do fabricante dos bicos de pulverização quanto ao seu espaçamento e pressão de trabalho. Pulverização foliar. Utilizar volume de calda entre 600 a 1000 l/ha distribuindo uniformemente a calda sobre as folhas das plantas. Antes de realizar a aplicação, recomenda-se aplicar o produto em uma pequena área com antecedência mínima de 7 dias para confirmação de seletividade sobre as diferentes variedades.
Tecnologia de Aplicação: As doses deverão ser obedecidas de acordo com a recomendação da bula do produto.
1. Volume de calda --------------------------------------------------600 a 1.000 L/ha.
2. Diâmetro Mediano Volumétrico de gotas (DMV) -------------200 a 400 µm
3. Pressão de máxima na saida do bico de pulverização-------100 psi
4. Cobertura no alvo ----------------------------------------------------30 a 40 gotas/cm2
5. Evitar escorrimento pelas folhas. Equipamentos de pulverização: Bomba estacionária com mangueira e com barra 4 pontas espaçadas de 25 cm, posicionando na vertical na cultura da rosa e horizontal nas demais ornamentais. Para cultivos em vasos, pulverizar com jato dirigido produzindo uma boa cobertura tomando cuidado de não deixar escorrer. A ponta de pulverização recomendada será jato plano 11002 a 11003 utilizando uma pressão máxima de 4 bar (60psi) ou jato cônico TX8002 a TX8003 com pressão entre 4 a 7 bar (60 a 100 psi).
INTERVALO DE SEGURANÇA (período de tempo que deverá transcorrer entre a última aplicação e a colheita):
CULTURA DIAS Antúrio UNA Azaleia UNA Batata 7 Bromélia UNA Cebola 7 Cenoura 7 Crisântemo UNA Feijão 14 Maçã 14 Mamão 7 Melancia 7 Orquídea UNA Pepino 7 Rosa UNA Tomate 7 Uva 7 UNA = Uso Não Alimentar
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (ou 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
LIMITAÇÕES DE USO: Fitotoxicidade para as culturas indicadas: O produto não causa fitotoxicidade para as culturas recomendadas desde que seguidas as recomendações de uso. Na cultura da maçã observar o período em que o produto não deve ser aplicado por problemas de “russeting”. Utilize este produto de acordo com as recomendações em rótulo e bula. Esta é uma ação importante para obter resíduos dentro dos limites permitidos no Brasil (referência: monografia da ANVISA). No caso de o produto ser utilizado em uma cultura de exportação, verifique, antes de usar, os níveis máximos de resíduos aceitos no país de destino para as culturas tratadas com este produto, uma vez que eles podem ser diferentes dos valores permitidos no Brasil ou não terem sido estabelecidos. Em caso de dúvida, consulte o seu exportador e/ou importador.
INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS: VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS: Vide Modo de Aplicação.
DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE: VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS: VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:

ANTES DE USAR, LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES
PRODUTO PERIGOSO
USE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO

PRECAUÇÕES GERAIS:
-Produto para uso exclusivamente agrícola.
-Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
-Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual(EPI) recomendados.
-Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
-Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
-Não utilize equipamento com vazamento ou com defeitos.
-Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
-Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações,animais e pessoas.
- Mantenha o produto afastado de crianças, animais domésticos, alimentos,medicamentos ou ração animal.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
-Produto extremamente irritante aos olhos.
-Produto causa sensibilidade dérmica.
-Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
-Ao abrir a embalagem , faça-o de modo a evitar dispersão de poeira.
-Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2): óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila
-Manuseie em local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
-Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação
-Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita)
-Verifique a direção do vento e aplique de modo a não entrar na névoa do produto.
-Utilize o Equipamento de Proteção Individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; luvas; botas de borracha; touca árabe; máscara com filtro de carvão ativado, cobrindo nariz e a boca; óculos de proteção.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
-Sinalizar a área com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA" manter os avisos até o final do período de reentrada.
- Caso seja necessário entrar na lavoura antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, na embalagem original, em local trancado, londe do alcance de crianças e animais.
- Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
- Os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, óculos, avental, botas, macacão. luvas e máscara.
- Tome banho, imediatamente após a aplicação.
- -Troque e lave as suas roupas de proteção separadas das demais roupas da família. Ao lavar as roupas, utilize luvas e avental impermeáveis
- Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
- Fique atento ao período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
-Não reutilizar a embalagem vazia.

PRIMEIROS SOCORROS:
Procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
Ingestão Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorrer naturalmente. deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.
Inalação Se o produto for inalado ("respirado"), levar a pessoa para um local aberto e ventilado. Se o acidentado parar de respirar faça imediatamente respiração artificial e providencie assistência médica.
Olhos: Em caso de contato, lave com água corrente durante 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.

INFORMAÇÕES MÉDICAS - BRAVONIL ULTREX
•Grupo Químico: isoftalonitrila
•Classe toxicológica: I- Extremamente tóxico
•Vias de absorção: Oral, Inalatória e dérmica
•Toxicocinética: Em estudos com ratos, foram administradas doses orais de clorotalonil acima de 50 mg/kg. Aproximadamente 30% da dose foi absorvida após 48 h. O clorotalonil foi distribuído no sangue e tecidos em 2 horas. As concentrações mais elevadas foram encontradas nos rins , seguido pelo fígado e sangue. A excreção biliar foi rápida, sendo o pico atingido 2 h após uma dose oral de 5 mg/kg; a excreção foi saturada em dose maior ou igual a 50 mg/kg. A maipr parte da excreção ocorreu através das fezes, sendo menor através da urina. Quando o clorotalonil foi aplicado na pele de ratos, aproximadamente 28% da dose foi absorvida em 120 h.
•Mecanismos de toxicidade:Os mecanismos de toxicidade em humanos não são conhecidos.


-No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas, luvas e botas de borracha

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é Muito Perigoso ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO a organismos aquáticos. Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE IRRITANTE ocular para mamíferos. Evite a contaminação ambiental - Preserva a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observar as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a empresa. Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções: Piso pavimentado: recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água. Solo: retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada; Corpos d'água: interromper imediatamente o consumo humano e animal e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo em longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou a acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 metros de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 m, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para a instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres: CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Observar a legislação estadual e municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas inadequadas, consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.
O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
•Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos.
•Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula.
•Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. Resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.
•Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Compatibilidade

Incompatível com óleos em geral.