Bula Permetrina Fersol 384 EC - Ameribrás

Bula Permetrina Fersol 384 EC

acessos
Permetrina
4697
Ameribrás

Composição

Permetrina 384 g/L Piretróide

Classificação

Inseticida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão, Não sistêmico

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Curuquerê
(Alabama argillacea)
160 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 7 dias Aplicar o produto no início da infestação
Lagarta da maçã
(Heliothis virescens)
325 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 7 dias Aplicar o produto no início da infestação
Lagarta rosada
(Pectinophora gossypiella)
260 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 7 dias Aplicar o produto no início da infestação
Trichoplusia
(Trichoplusia ni)
260 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 7 dias Aplicar o produto no início da infestação
Arroz - Armazenado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Gorgulho
(Sitophilus zeamais)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Gorgulho dos cereais
(Rhyzopertha dominica)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Arroz irrigado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
65 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 20 dias. Aplicar o produto no início da infestação
Arroz sequeiro Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta das folhas
(Spodoptera eridania)
65 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 20 dias. Aplicar o produto no início da infestação
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
65 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 20 dias. Aplicar o produto no início da infestação
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cochonilha
(Orthezia praelonga)
15 a 20 mL p.c./100L água 2000 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 21 dias Aplicar nos primeiros sinais da praga, aplicando o produto em cobertura total até o ponto de escorrimento
Psilideo
(Diaphorina citri)
10 mL p.c./100L água 2000 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 21 dias Aplicar preventivamente ao aparecimento da praga. A aplicação deve atingir a página inferior das folhas
Couve Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta da couve
(Ascia monuste orseis)
87 mL p.c./100L água 300 L de calda/ha - Aplicação única 3 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Traças das crucíferas
(Plutella xylostella)
87 mL p.c./100L água 300 L de calda/ha - Aplicação única 3 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Couve-flor Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta da couve
(Ascia monuste orseis)
87 mL p.c./100L água 300 L de calda/ha - Aplicação única 3 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Traças das crucíferas
(Plutella xylostella)
87 mL p.c./100L água 300 L de calda/ha - Aplicação única 3 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cigarrinha verde
(Empoasca kraemeri)
60 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 14 dias Aplicar o produto na ocorrência da praga
Larva alfinete
(Diabrotica speciosa (larva alfinete))
60 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 14 dias Aplicar o produto na ocorrência da praga
Mosca branca
(Bemisia tabaci)
60 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 14 dias Aplicar o produto na ocorrência da praga
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
60 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 14 dias Aplicar o produto na ocorrência da praga
Fumo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta rosca
(Agrotis ipsilon)
130 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única Uso não alimentar Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Larva alfinete
(Diabrotica speciosa (larva alfinete))
100 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única Uso não alimentar Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Percevejo cinzento
(Corecoris dentiventris)
100 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única Uso não alimentar Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Pulga do fumo
(Epitrix fasciata)
50 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única Uso não alimentar Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
100 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única Uso não alimentar Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
65 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 45 dias Aplicar o produto no início da infestação
Lagarta rosca
(Agrotis ipsilon)
65 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 45 dias Aplicar o produto no início da infestação
Milho - Armazenado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Gorgulho
(Sitophilus zeamais)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Gorgulho dos cereais
(Rhyzopertha dominica)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Traça
(Sitotroga cerealella)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Repolho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta da couve
(Ascia monuste orseis)
87 mL p.c./100L água 300 L de calda/ha - Aplicação única 3 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Traças das crucíferas
(Plutella xylostella)
87 mL p.c./100L água 300 L de calda/ha - Aplicação única 3 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta da soja
(Anticarsia gemmatalis)
40 a 60 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha (aéreo) 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 30 dias Aplicar o produto quando a infestação atingir 40 lagartas com mais de 1,5 cm de comprimento ou 30% de desfolha após a florada
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca pequena do tomateiro
(Neoleucinodes elegantalis)
16 a 25 mL p.c./100L água 800 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 4 aplicações por ciclo da cultura, com intervalos de 7 dias 3 dias Aplicar o produto preventivamente, na floração
Pulgão verde
(Myzus persicae)
16 a 25 mL p.c./100L água 800 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 4 aplicações por ciclo da cultura, com intervalos de 7 dias 3 dias Aplicar o produto preventivamente, na floração
Tripes
(Frankliniella schultzei)
16 a 25 mL p.c./100L água 800 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 4 aplicações por ciclo da cultura, com intervalos de 7 dias 3 dias Aplicar o produto preventivamente, na floração
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do trigo
(Pseudaletia sequax)
65 mL p.c./ha 100 a 500 L de calda/ha 2 a 10 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 18 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga
Trigo - Armazenado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Gorgulho
(Sitophilus zeamais)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Gorgulho dos cereais
(Rhyzopertha dominica)
10,5 mL p.c. / tonelada 200 a 300 mL de calda / ton - Aplicação única 60 dias O tratamento preventivo dos grãos deve ser realizado durante o carregamento do armazém ou silos graneleiros
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tripes
(Frankliniella occidentalis)
15 a 20 mL p.c./100L água 800 a 1200 L de calda/ha - Aplicação única 15 dias Efetuar a aplicação do produto na ocorrência da praga

- PET ou COEX de 250; 500 ml e 1,0 L;
- Bombonas plásticas de 5,0; 10,0 e 20,0 L;
- Baldes metálicos de 5,0; 10,0 e 20,0 L;
- Tambor metálico de 100,0 e 200,0 L;
- Frasco, galão, bombona e balde de plástico de 600 mL; 1,5; 2,0; 3,0 e 25,0 L;
-T ambor de metal de 50,0 L;
- Saco de polietileno de 10,0; 20,0; 25,0; 50,0; 100,0 e 150,0 L;
- Container de aço inox de 500; 1.000; 1.500 e 5.000 L;
- Isotanque de aço inox de 5.000 e 10.000 L;
- Saco plástico Coex ou PEBD de 500 mL contendo saquinhos plásticos (polímero
extrusado), de acordo com a capacidade de acondicionamento: 10 saquinhos de 50 mL; 5
saquinhos de 100 mL; 2 saquinhos de 250 mL; 1 saquinho de 500 mL;
- Saco plástico Coex ou PEBD de 1 Litro contendo saquinhos plásticos (polímero
extrusado), de acordo com a capacidade de acondicionamento: 20 saquinhos de 50 mL; 10
saquinhos de 100 mL; 4 saquinhos de 250 mL; 2 saquinhos de 500 mL; 1 saquinho de 1,0
Litro;
- Saco plástico Coex ou PEBD de 1,5 Litro contendo saquinhos plásticos (polímero
extrusado), de acordo com a capacidade de acondicionamento: 10 saquinhos de 150 mL; 6
saquinhos de 200 mL; 3 saquinhos de 500 mL; 1 saquinho de 1,5 Litros;
- Saco plástico Coex ou PEBD de 2,0 Lcontendo saquinhos plásticos (polímero
extrusado), de acordo com a capacidade de acondicionamento: 1 saquinho de 2,0 L;

MODO DE APLICAÇÃO:
O produto é recomendado em aplicação foliar via terrestre ou aérea, usando-se alto ou baixo volume.
APLICAÇÃO TERRESTRE
A aplicação pode ser por via terrestre: com pulverizadores costais, motorizados ou tratorizados.
ALGODÃO, ARROZ IRRIGADO, ARROZ SEQUEIRO, FEIJÃO, FUMO, MILHO, E SOJA:
• Volume da calda: Volume normal Baixo volume 100 – 500 L/ha 8 litros de calda/ha, adicionando 1 L de óleo mineral ou óleo vegetal ou 250 ml de espalhante adesivo.
• Tipo de bico: Leque 80.02 / 80.04 / 110.02 Cônico JD-14.02 / X-2
• Pressão: Costal Tratorizado 30 a 60 Lb/pol² 80 a 300 Lb/pol²
COUVE, COUVE-FLOR E REPOLHO:
• Volume da calda: Volume normal 300 L/ha
GRÃOS ARMAZENADOS (ARROZ, MILHO E TRIGO)
• Volume de calda : Volume normal 200 - 300mL de água
CITROS:
• Volume da calda: Volume normal 0,5 – 10 L/planta 2000 L/ha • Tipo de bico: • Pressão: Cônic o 45 L/pol² JD-14.02 / X-2 / X3
UVA E TOMATE:
• Volume da calda: Alto Volume 800 a 1200 L/ha
• Tipo de bico: Cônico X-2 / X-10 / D-12 • Pressão: 60 Lb/pol²
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:
• Temperatura ambiente: máximo 28ºC
• Umidade relativa do ar: mínimo de 70%
• Velocidade de vento: 2 - 10 km/hora
APLICAÇÃO AÉREA
ALGODÃO, ARROZ IRRIGADO, ARROZ SEQUEIRO, CITROS, FEIJÃO, FUMO, MILHO, SOJA, E TRIGO:
Altura do vôo: 3-5 m das rodas do avião até o topo da cultura Pressão: 40-60 lbs/pol2 Largura da faixa de deposição: 20-23 m Tamanho da gota: 100-120 micra Densidade da gota: 60 gotas/cm2
Bico: micronair ou UBV Volume de calda:
a) baixo volume (BV): utilizando a dose recomendada do produto, preparar a calda (8-10 litros/ha), adicionando 1 litro de óleo emulsionável ou 250 ml de espalhante adesivo.
b) ultra baixo volume (UBV): usar a dose recomendada do produto e completar o volume com óleo vegetal refinado ou óleo mineral até 2-3 litros/ha.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Arroz Irrigado e Sequeiro: 20 dias
Algodão: 7 dias
Citros: 21 dias
Café: 30 dias
Couve, Couve-flor e repolho: 3 dias
Feijão: 14 dias
Fumo: Uso não alimentar
Milho: 45 dias
Soja: 30 dias
Tomate: 3 dias
Trigo: 18 dias
Uva: 15 dias
Grãos armazenados: (trigo, milho e arroz) 60 dias
LIMITAÇÕES DE USO:
Fitotoxicidade: O produto não é fitotóxico quando aplicado nas culturas indicadas, nas doses e uso recomendado.
Compatibilidade: O produto é compatível com inúmeros inseticidas e acaricidas. Não se conhecem casos de incompatibilidade. Não aplicar com outros agrotóxicos.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamento com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

MANUSEIO DO PRODUTO: Use protetor ocular: Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscaras cobrindo o nariz e a boca. Produto perigoso se inalado ou aspirado. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMERIOS SOCORROS. Use luvas de borracha: Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos: use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES DURANTE O USO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. O produto produz neblina, use máscara cobrindo o nariz e a boca. Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas, botas e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Não provoque vômito, procure logo o médico, levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Olhos: Lave com água em abundância e se houver irritação procure o médico levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Pele: Lave com água e sabão em abundância e se houver irritação procure o médico levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Inalação: Procure lugar arejado.

TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA E ANTÍDOTO: A configuração de diagnóstico deve ser através de tratamento sintomático. Em caso de intoxicações severas, deverá ser incluso na terapia sedativo e anticonvulsivo (por exemplo barbitúricos, diazepam , paraldeído, etc.). O uso de antiespamódicos é de valor limitado, mefenesina e atropina têm sido considerados de alívio efetivo para sintomas de envenenamento com piretróides para animais de laboratórios. Se uma grande quantidade de permetrina foi ingerida, mesmo o paciente estando inconsciente ou vomitando, lavagem gástrica deve ser realizada usando solução a 5% de bicabornato de sódio, seguida de carvão vegetal ativado, em pó. Para pele contactada, enxugar todo o líquido remanescente na pele prontamente com absorvente disponível; em seguida lave a área afetada com água morna e sabão alcalino. Se ocorrer irritação da pele, trate com creme suavizante de pele e evite exposições diretas á luz. Em olhos contaminados, lave-os com bicabornato de sódio 4% ou outra solução alcalina aquosa não irritante.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: Mecanismo de ação: Permetrina é um piretróide sintético, um agente neurotóxico de baixa toxicidade para mamíferos. O risco à saúde é considerado minimizado pelas baixas concentrações do ingrediente ativo em todas as formulações. Vias de Absorção: Permetrina é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal; minimamente pelo contato com a pele; e, através da inalação de partículas pulverizadas. Excreção: Permetrina administrada a mamíferos foi rapidamente metabolizada e completamente eliminada do corpo em curto período de tempo. O equivalente a 50% é eliminada em até 48 horas e é completa em 8 a 12 dias após a administração.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: Efeitos agudos: Permetrina pode induzir irritabilidade de pele e paraestesia (torpor, comichão, formigamento e ardência) em trabalhadores expostos, após um período latente de aproximadamente 30 minutos com um pico de 8 horas após e desaparecimento até 24 horas após. Efeitos crônicos: Nenhuma causa de envenenamento em humanos foi relatada. A dose de efeito não observável, em estudo de 2 anos em ratos, foi de 100 mg/kg correspondendo a 5,0 mg/kg de peso corpóreo.

EFEITOS COLATERAIS: Uma vez que nenhum efeito terapêutico do produto é esperado para o homem, qualquer dos efeitos acima descritos são considerados colaterais.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

Este produto é:

( X ) MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II)

Evitar a contaminação ambiental. Preservar a natureza. Não utilizar equipamentos com vazamentos. Aplicar somente as doses recomendadas. Não aplicar o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Descartar corretamente as embalagens e resíduos. Não lavar as embalagens ou aparelhagem aplicadora em lagos, fontes, rios e demais coleções de água. Não jogar os restos do produto no meio ambiente. Para destinação final de resíduos e embalagens seguir corretamente as instruções da bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas e outros materiais. A construção deve ser em alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens disponíveis para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843. Observe as disposições constantes da Legislação Estadual e Municipal.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

LAVAGEM DA EMBALAGEM: Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's - Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.

TRÍPLICE LAVAGEM (LAVAGEM MANUAL): Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos: Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos; Adicione água limpa à embalagem até 1/4 do seu volume; Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos; Despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador; Faça esta operação três vezes; Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

LAVAGEM SOB PRESSÃO: Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos: Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador; Adicione o mecanismo para liberar o jato de água; Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador; Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo. Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos: Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos; Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador; Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA: Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa em sua caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens contaminadas. O Armazenamento das embalagens vazias, até a devolução nas Unidades de Recebimento, deve ser em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva, com piso impermeável, ou no próprio local das embalagens cheias, seguindo as instruções de armazenamento.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA: É obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, onde foi adquirido o produto, ou no local indicado na nota fiscal emitida pelo estabelecimento comercial, no ato da compra. A devolução deve ser feita no prazo de até um ano da data da compra ou, até o prazo de validade do produto. O usuário deve guardar o comprovante de devolução pelo prazo mínimo de 01 ano.

TRANSPORTE: As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. O Transporte de agrotóxicos, seus componentes e afins, (e sobras de produtos) está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na Legislação ( vigente para transporte de produtos perigosos ) específica. Parágrafo único: O transporte de embalagens vazias deverá ser efetuado com a observância das recomendações dos rótulos e bulas dos agrotóxicos e afins.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS: A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTE DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS: A destinação inadequada de embalagens e restos de produtos no meio ambiente ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e saúde das pessoas.

PRODUTO IMPRÓPRIO PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consultar o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

RESTRIÇÕES: Recomendação para o destino final de embalagens vazias no Estado do Paraná: A destinação Final de Embalagens Vazias de Agrotóxicos e Afins no Estado do Paraná é de responsabilidade do Fabricante de acordo com a Legislação em vigor, Lei Federal nº 9974/2000 e Lei Estadual nº 12493/1999.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES AMBIENTAIS: Retirar pessoas acidentadas para local seguro. Retirar roupas contaminadas. Em caso de vazamento sinalizar e isolar a área circunvizinha. Afastar curiosos. Contatar as autoridades locais e competentes e a empresa. Procurar evitar que o derramamento alcance lagos, córregos, rios e poços. Em caso de desprendimento de fumaça ou vapores, isolar a área e retirar pessoas do local. Caso possa ser feito sem risco, estancar o vazamento: em pequenos derramamentos absorver com pó de serra e guardar em recipientes para posterior descarte: em grandes derramamentos confinar o fluxo longe do local do acidente, para posterior descarte. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico ficando a favor do vento para evitar intoxicações.

DESTINO ADEQUADO DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada a preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do produto. Abrir um fosso de 1 a 2 metros de profundidade, comprimento e largura não devendo exceder a 3 metros, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (C A V E I R A) com os dizeres: CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso e após cada 15 cm de material descartado, colocar cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Observar Legislação Estadual e Municipal Específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas de abrangência do PROGRAMA NACIONAL DE RECOLHIMENTO E DESTINAÇÃO ADEQUADA DE EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS, consulte o órgão estadual do meio ambiente.

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados.

Qualquer agente de controle de pragas pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência.
Recomendam-se as seguintes estratégias de manejo de resistência, pode-se prolongar a vida útil dos inseticidas e acaricidas:
· Qualquer produto para controle de pragas da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga;
· Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula;
· Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.