Bula Cefanol

acessos
Acephate
1378704
Sipcam Nichino

Composição

Acefato 750 g/kg Organofosforado

Classificação

Acaricida, Inseticida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó solúvel (SP)
Contato, Ingestão, Sistêmico
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro rajado
(Tetranychus urticae)
0,5 a 0,75 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Aplicar no inicio do aparecimento das pragas. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Cigarrinha verde
(Empoasca kraemeri)
0,5 a 1 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Aplicar no inicio do aparecimento das pragas. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Curuquerê
(Alabama argillacea)
0,4 a 0,5 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Aplicar no inicio do aparecimento das pragas. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Pulgão do algodoeiro
(Aphis gossypii)
0,5 a 0,75 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. No início do aparecimento das pragas. Nas variedades resistentes a virose iniciar a aplicação quando em 7 das 10 plantas examinadas as folhas estiverem começando a se deformar e existirem pulgões vivos. Para as variedades susceptíveis a virose a aplicação deve ser iniciada quando 5 a 10% das plantas apresentarem pulgões. È importante o controle até 60 dias após a emergência das plantas. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Tripes
(Frankliniella schultzei)
0,5 a 0,75 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. No início do aparecimento das pragas. Iniciar o controle quando forem encontrados 6 insetos/planta e antes do engruvinhamento das folhas.. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Amendoim Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tripes
(Caliothrips brasiliensis)
0,4 a 0,5 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Tripes do bronzeamento
(Enneothrips flavens)
0,4 a 0,5 kg p.c./ha 400 L de calda/ha - 10 dias. 14 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão das solanáceas
(Macrosiphum euphorbiae)
100 g p.c./100 L de água 400 a 600 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação
Pulgão verde
(Myzus persicae)
100 g p.c./100 L de água 400 a 600 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Percevejo verde
(Nezara viridula)
0,5 a 0,75 kg p.c./ha 250 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 14 dias. Intervalo de aplicação ira variar conforme a inspenção periodica da lavoura com batida de pano e aplicar quando forem encontrados 2 a 4 percevejos adultos por amostragem (2 metros lineares da cultura). Utilizar a dose mais alta em caso de alta pressão da praga. Conforme for feita a inspensão da lovaoura. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão das solanáceas
(Macrosiphum euphorbiae)
100 g p.c./100 L de água 400 a 600 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 7 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Pulgão verde
(Myzus persicae)
100 g p.c./100 L de água 400 a 600 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 7 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%
Tripes
(Frankliniella schultzei)
100 g p.c./100 L de água 400 a 600 L de calda/ha - 10 a 15 dias. 7 dias. Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação. Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%

- Tipos: cartuchos, sacos e caixas.
- Material: cartão de papelão microondulado duplex.
- Embalagem interna: película (filme) de polialumínio.
- Peso líquido: 0,5; 1; 2; 3; 5; 10; 20 e 25 kg.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO
Aplicar CEFANOL® de acordo com a descrição abaixo cada cultura, e se houver necessidade, repetir com intervalos de 10-15 dias.
Algodão
Aplicar no inicio do aparecimento das pragas.
Pulgão: nas variedades resistentes a virose iniciar a aplicação quando em 7 das 10 plantas examinadas as folhas estiverem começando a se deformar e existirem pulgões vivos. Para as
variedades susceptíveis a virose a aplicação deve ser iniciada quando 5 a 10% das plantas apresentarem pulgões. E importante o controle ate 60 dias apos a emergência das plantas.
Tripes: iniciar o controle quando forem encontrados 6 insetos/planta e antes do engruvinhamento das folhas.
Amendoim, Batata e Tomate
Aplicação no inicio do aparecimento das pragas, repetir a aplicação se houver reinfestação.
Soja
lnspecionar periodicamente a lavoura com batida de pano e aplicar quando forem encontrados 2 a 4 percevejos adultos por amostragem (2 metros lineares da cultura). Utilizar a dose mais alta em caso de alta pressão da praga.

MODO DE APLICAÇÃO
O CEFANOL® deverá ser aplicado através de pulverização ou atomização, conforme equipamentos e volume de calda, abaixo especificados.

Em qualquer tipo de aplicação, providenciar para que haja uma boa cobertura de pulverização nas plantas.

EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃ0
PROIBIDA A APLICAÇÃO COM EQUIPAMENTO MANUAL OU COSTAL
VIA TERRESTRE
o Cefanol deve ser aplicado através de pulverizadores tratorizados equipados com barra com bicos tipo cônico que proporcionam uma densidade de gotas suficiente para uma boa cobertura foliar para proporcionar a proteg5o inclusive da parte inferior das plantas.
A velocidade de deslocamento do trator deve ser aferida de maneira que proporcione a vazão adequada da calda levando em consideração a especificação do bico e da pressão de trabalho.

VOLUME DE CALDA
-Batata e tomate rasteiro: 400 a 600 L/ha - Algodão e amendoim: ate 400 L/ha
-Soja: 250 L/ha

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS
Evitar a aplicação na presença de ventos fortes (acima de 10 km/hora), nas horas mais quentes do dia (temperatura acima de 27°C) e umidade relativa do ar abaixo de 50%.

INTERVALO DE SEGURAÇA:

- Algodão, amendoim, batata e soja 14 dias
-Tomate 7 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E AREAS TRATADAS:

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínima 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO:
- Fitotoxicidade: Aplicado nas doses recomendadas, CEFANOL® não é fitotóxico às culturas indicadas.

INFORMAÇÕES SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
(Vide as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana- ANVISA-MS).

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS E A DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUVALENTE:
(Vide as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA-MMA).

INFORMAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:
(Vide as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA-MMA).

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA DEVOLUÇÃOE DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
(Vide as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA-MMA).

MEDIDAS GERAIS E PRIMEIROS SOCORROS: Durante a manipulação, preparação da calda ou aplicação, use macacão com mangas compridas, chapéu impermeável de abas largas e botas. Leia e siga as instruções do rótulo. Mantenha o produto afastado de crianças e animais domésticos. Evite comer, beber ou fumar durante o manuseio ou aplicação do produto. Mantenha o produto afastado de alimentos ou de ração animal. Não contamine lagos, fontes, rios e demais coleções de água, lavando as embalagens ou aparelhagem aplicadora, bem como lançando-lhes seus restos. Mantenha a embalagem original sempre fechada e em lugar seco e ventilado. Inutilize e enterre profundamente as embalagens do produto. Mantenha afastadas das áreas de aplicação, crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas por um período de 7 dias após a aplicação do produto. Não utilize equipamentos com vazamentos. Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc. com a boca. Uso exclusivamente agrícola. Após a utilização do produto, remova as roupas protetoras e tome banho. Não dê nada por via oral a uma pessoa inconsciente. Distribua o produto da própria embalagem, sem contato manual. Procure imediatamente assistência médica em qualquer caso se suspeito de intoxicação. Aplique somente a dose recomendada. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas ; use luvas impermeáveis. Mantenha a embalagem longe do fogo. Em caso de ingestão acidental provoque vômito e procure imediatamente o médico, levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite a inalação ou aspiração do produto. Manuseie o produto em local arejado. Evite o contato com a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas com água e sabão em abundância e, se houver sinais de irritação, procure o médico, levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite o contato com os olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e, se persistir a irritação, procure um médico, levando a embalagem ou o rótulo do produto. Não aplique o produto na presença de ventos.

SINTOMAS DE ALARME: Fraqueza, dor de cabeça, opressão no peito, visão turva, pupilas não reativas, salivação abundante, suores, náuseas, vômitos, diarréias e cólica abdominal.

ANTÍDOTOS E TRATAMENTOS (Informação para uso médico): SULFATO DE ATROPINA É O ANTÍDOTO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INTOXICAÇÃO. NUNCA ADMINISTRE O SULFATO DE ATROPINA ANTES DO APARECIMENTO DOS SINTOMAS DE INTOXICAÇÃO. Se o acidentado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial. Transporte-o imediatamente para a assistência médica mais próxima. Sulfato de Atropina pelas vias intramuscular ou intravenosa (eventualmente, também por via oral): 1 a 6 mg cada 5 a 30 minutos, até atropinização leve. Oximas: (Contrathion) - 1 a 2 g/dia, nos 3 primeiros dias.

CONTRA-INDICAÇÕES: morfina, aminofilina, tranqüilizantes.

1. PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE
PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
- Este produto é:
[ ] Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I)
[ ] Muito Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE II)
[X] PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III)
[ ] Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV)
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamentos com vazamentos.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais
corpos d’água.
Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona
contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das
pessoas.
2. INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA
CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos,
bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens
rompidas ou para recolhimento de produtos vazados.
14
- Em caso de armazéns deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843
da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.
3. INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa SIPCAM NICHINO BRASIL
S.A, pelo telefone (34) 3319-5568 ou telefone de emergência 0800 701 0450.
- Utilize equipamento de proteção individual – EPI (macacão impermeável, luvas e
botas de PVC, óculos protetores e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado – recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em
recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais
ser utilizado. Neste caso, consulte a empresa registrante, através do telefone indicado
no rótulo para a sua devolução e destinação final.
Solo – retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado,
recolha este material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado.
Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d’água – interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou
animal, e contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da
empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do
acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto
envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores de ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, CO2 OU
PÓ QUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.
4. PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO,
TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE
PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA A UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser
efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou
no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco
plástico transparente (Embalagens Padronizadas – modelo ABNT), devidamente
identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem
vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto, ou no local
indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro
de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses
após o término do prazo de validade. O usuário deve guardar o comprovante de
devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução
da embalagem vazia

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponíveis e apropriados.

Qualquer agente de controle de pragas pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência.
Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas (IRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos inseticidas e acaricidas:

- qualquer produto para controle de pragas da mesma classe ou de mesmo modo de ação, não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga;
- utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula;
- sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência;
- incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponíveis e apropriados.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade