Bula Flare

CI
Difenoconazol
9808
Syngenta

Composição

Difenoconazol 250 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
II - Produto muito perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Sistêmico

Alface

Dosagem Calda Terrestre
Septoria lactucae (Septoriose) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Amendoim

Dosagem Calda Terrestre
Cercospora arachidicola (Mancha castanha) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Pseudocercospora personata (Mancha preta) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sphaceloma arachidis (Verrugose) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Banana

Dosagem Calda Terrestre
Mycosphaerella fijiensis (Sigatoka negra) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Mycosphaerella musicola (Mal da sigatoka) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Batata

Dosagem Calda Terrestre
Alternaria solani (Pinta preta grande) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Cebola

Dosagem Calda Terrestre
Alternaria porri (Mancha púrpura) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Couve-flor

Dosagem Calda Terrestre
Alternaria brassicae (Mancha preta) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Feijão

Dosagem Calda Terrestre
Phaeoisariopsis griseola (Mancha angular) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Uromyces appendiculatus (Ferrugem) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Mamão

Dosagem Calda Terrestre
Asperisporium caricae (Varíola) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Manga

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Oidium mangiferae (Oídio) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Pepino

Dosagem Calda Terrestre
Sphaerotheca fuliginea (Oídio) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Rosa

Dosagem Calda Terrestre
Diplocarpon rosae (Mancha negra) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sphaerotheca pannosa (Oídio) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Tomate

Dosagem Calda Terrestre
Alternaria solani (Pinta preta grande) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Septoria lycopersici (Septoriose) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Uva

Dosagem Calda Terrestre
Elsinoë ampelina (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Pseudocercospora vitis (Cercospora) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Uncinula necator (Oídio) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Frasco (plástico): 0,25; 0,4; 0,5; 1 L

Lata (fibralata): 0,25; 0,4; 0,5; 1 L

Lata (folha de flandres): 0,25; 0,4; 0,5; 1 L

Bombona (plástico): 5; 10 e 20 L

Balde (aço carbono): 20 L

Bandeja (plástico): 1 L

Farm Pack (plástico): 420; 640; e 1000 L.

INSTRUÇÕES DE USO

O produto é um fungicida sistêmico do grupo dos triazois, indicado para o controle de doenças nas culturas e doses relacionadas na bula.

MODO DE APLICAÇÃO

A dose recomendada para cada cultura deverá der diluída em água e aplicada com volume adequado de calda, de acordo com a cultura e o tamanho das plantas, conforme o seu desenvolvimento, evitando sempre atingir o ponto de escorrimento, com uma cobertura no alvo no mínimo de 70 gotas/cm² e com gotas de tamanho médio, diâmetro mediano volumétrico (DMV) variando entre 200 a 400 µm.
O equipamento de pulverização, por via terrestre, deverá ser adequado para cada tipo de cultura e de acordo com a sua forma de cultivo, podendo ser costal manual ou motorizado, estacionário com mangueira, turbo atomizador ou tratorizado com barra:

Aplicação terrestre

Equipamento: Costal manual
Bico recomendado: Jato cônico vazio ou leque
Pressão: 20 psi (1,5 Bar) a 60 psi (4 Bar)

Equipamento: Costal motorizado
Bico recomendado: Disco de restrição
Pressão: Gravidade ou Sucção

Equipamento: Turbo atomizador, tipo canhão
Bico recomendado: Jato cônico vazio
Pressão: 45 psi (3 Bar) a 75 psi (5 Bar)

Equipamento: Estacionário/Pistola
Bico recomendado: Jato cônico vazio
Pressão: 60 psi (4 Bar) a 100 psi (7 Bar)

Equipamento: Tratorizado com barra
Bico recomendado: Jato leque ou cônico vazio
Pressão: 30 psi (2 Bar) a 80 psi (6 Bar)

Equipamento: Aplicação aérea
Bico recomendado: Cônico vazio ( D/45)
Pressão: 15 psi (1 bar) a 45 psi (3 Bar)

Aplicação Aérea

As pulverizações aéreas de Flare nas culturas de amendoim e banana devem ser realizadas unicamente em Baixo Volume (BV) com água.
Volume de aplicação
Banana: 15 L/ha;
Amendoim: 20 a 50 L/ha.

Largura da faixa de aplicação: 15 m (Ipanema, Pawnne e Agwagon).

Altura de voo: 2 a 4 m do alvo.

Bicos recomendados: barra com 37 bicos da série D/45 com ângulo de 90 a 135° ou atomizador micronair 6 a 8 cabeças, com ângulo das pás a 55 - 65º.

Tamanho das gotas: diâmetro mediano volumétrico (DMV) de 200 a 400 µm.

Cobertura no alvo: acima de 30 gotas/cm².

Condições meteorológicas

Temperatura: <30ºC;
Umidade relativa do ar: >55%;

Velocidade do vento: mínimo de 3,0 km/h e máximo de 10 km/h.

Observações

Evitar as condições de inversão térmica.
Ajustar o tamanho de gotas (DMV) às condições ambientais, alterando o ângulo relativo dos bicos hidráulicos ou o ângulo das pás do “micronair”.
O volume de aplicação e tamanho de gotas maiores são indicados quando as condições ambientais estão próximas dos limites recomendados. Já para lavouras com densa massa foliar, recomenda-se gotas menores e volumes maiores.
Os parâmetros acima são válidos para aeronaves modelo Ipanema ou similares. Para adaptações ou outras aeronaves agrícolas, consultar o departamento de Suporte ao Mercado da Syngenta Proteção de Cultivos Ltda.
Para a cultura da banana, para melhor eficiência do tratamento, recomenda-se, como veículo na pulverização, a utilização de óleo mineral com índice de sulfonação mínima de 90% e outras especificações exigidas para uso agrícola.
Preparo da calda para um volume total de 15 L/ha:
Dose recomendada: 5 litros de óleo mineral e 220 mL de surfactante foliar. Completar com água até o volume de 15 L.
Não utilizar Flare em mistura só com óleo.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI's) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade para as culturas indicadas:
Desde que aplicado nas culturas e doses recomendadas, o produto não é fitotóxico.
Outras restrições a serem observadas:
Evitar temperaturas de armazenamento superiores a 50 a 60°C, NÃO armazenar o produto próximo de linhas de vapor ou outras fontes de aquecimento, pois essas condições podem dar início a um processo de combustão do produto.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo. Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
- Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo G1 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
- Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc;
- Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
- Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e/ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.fracbr.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

RUPO G1 FUNGICIDA

O produto é composto por Difenoconazol, que apresenta mecanismo de ação dos Inibidores de demetilação - DMI, pertencente ao Grupo G1, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas).

Produto combustível.




Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.