Doença rosada

(Corticium salmonicolor)

Culturas Afetadas: Cacau, Citros

Sinônimo: Necator decretus

Esta doença é de importância nas regiões tropicais chuvosas e muito úmidas em todo o mundo. A doença ataca principalmente os ramos, produzindo a morte descendente dos mesmos. O fungo tem ampla distribuição mundial, sendo economicamente importante nas regiões tropicais úmidas.

No Brasil, a doença também é severa em regiões menos úmidas, como as áreas produtoras de citros paulistas. Não existem relatos da doença em outras regiões brasileiras, mas acredita-se que deve ter uma distribuição muito mais ampla. Corticium salmonicolor ataca todas as espécies de citros, assim como são hospedeiros de muitas outras famílias de plantas, como cafeeiro, cacaueiro, casuarina, chá, eucalipto, maçã, mangueira, seringueira, pêra, pimentão, etc.

Danos: O patógeno provoca a morte descendente dos galhos na copa das plantas. O fungo ataca os galhos, formando um micélio branco-rosado sobre a casca e provocando o rompimento e a escamação na região da lesão e abundante formação de goma. Sob condições de alta umidade, o fungo se espalha rapidamente ao longo dos galhos. Em algumas ocasiões, o patógeno penetra e mata a casca, a qual torna-se cinza. Com freqüência, os galhos principais e o tronco são circundados, e a planta termina morrendo.

Controle: Não existem variedades ou cultivares tolerantes ou resistentes a Corticium salmonicolor. Podar os galhos secos e retirá-los do pomar e queimá-los. A superfície de corte após a poda deve ser pulverizada com um fungicida cúprico ou coberta com uma pasta sulfurosa. Realizar podas para diminuir a densidade da folhagem, assim como eliminar as ervas daninhas que crescem com exuberância ajudam também a reduzir a incidência da doença.

Fotos

Deslize o dedo na tabela abaixo para movê-la horizontalmente