Approve WG CI

Geral
Nome Técnico:
Tiofanato-Metílico; Fluazinam
Registro MAPA:
30717
Empresa Registrante:
Iharabras
Composição
Ingrediente Ativo Concentração
Tiofanato-metílico 375 g/kg
Fluazinam 375 g/kg
Classificação
Técnica de Aplicação:
Terrestre/Aérea
Classe Agronômica:
Fungicida, Acaricida
Toxicológica:
Não Classificado
Ambiental:
II - Produto muito perigoso
Inflamabilidade:
Não inflamável
Corrosividade:
Não corrosivo
Formulação:
Granulado Dispersível (WG)
Modo de Ação:
Contato, Sistêmico

Indicações de Uso

Cana-de-açúcar Calda Terrestre Dosagem
Thielaviopsis paradoxa (Podridão-abacaxi) veja aqui veja aqui
Feijão-caupi Dosagem Calda Terrestre
Sclerotium rolfsii (Mofo cinzento) veja aqui veja aqui
Grão-de-bico Calda Terrestre Dosagem
Sclerotium rolfsii (Mofo cinzento) veja aqui veja aqui
Seriguela Calda Terrestre Dosagem
Elsinoë spondiadis (Ferrugem) veja aqui veja aqui

Tipo: Frasco
Material: Plástico
Capacidade: 0,05; 0,1; 0,2; 0,25; 0,35; 0,45; 0,5; 0,9; 1,0 kg;

Tipo: Saco
Material: Hidrossolúvel
Capacidade: 0,01; 0,02; 0,03; 0,04; 0,05; 0,07; 0,09; 0,1; 0,2; 0,3; 0,5; 0,7; 0,9; 1,0 kg;

Tipo: Saco/Saco(contendo saco hidrossolúvel)
Material: Plástico
Capacidade: 0,05; 0,1; 0,2; 0,25; 0,35; 0,45; 0,5; 0,9; 1,0; 4,5; 5,0; 10; 20; 25 kg.

Conforme bula lançada no Sistema Agrofit – MAPA.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo. O produto fungicida é composto por Tiofanato-metílico e Fluazinam, que apresentam mecanismos de ação de Montagem de ß-tubulina na mitose e Desacoplador de fosforilação oxidativa, pertencentes ao Grupo B1 e C5, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas), respectivamente. Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
- Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo B1 e do Grupo C5 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
- Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc;
- Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito. com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

Assine a nossa newsletter e receba nossas notícias e informações direto no seu email

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.