Bula Orthocide 500 - Arysta Lifescience

Bula Orthocide 500

CI
Captana
198608
UPL

Composição

Captana 500 g/kg

Classificação

Tratamento de sementes/aplicação foliar
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato

Abacaxi

Dosagem Calda Terrestre
Ceratocystis paradoxa (Podridão da coroa)
Phytophthora cinnamomi (Gomose)
Phytophthora nicotianae var. parasitica (Gomose)

Algodão

Calda Terrestre Dosagem
Colletotrichum gossypii (Tombamento)
Rhizoctonia solani (Podridão-radicular)

Alho

Dosagem Calda Terrestre
Peronospora destructor (Míldio)

Batata

Dosagem Calda Terrestre
Phytophthora infestans (Requeima)

Cebola

Dosagem Calda Terrestre
Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Botrytis squamosa (Queima das pontas)
Peronospora destructor (Míldio)

Citros

Calda Terrestre Dosagem
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Diaporthe citri (Podridão penducular)
Elsinoë fawcetti (Verrugose)

Maçã

Dosagem Calda Terrestre
Cladosporium carpophilum (Sarna do pessegueiro)
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Elsinoë piri (Antracnose maculata)
Monilinia fructicola (Podridão parda)
Neonectria galligena (Cancro europeu)
Venturia inaequalis (Sarna da maçã)

Melancia

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum orbiculare (Antracnose)
Pseudoperonospora cubensis (Míldio)

Melão

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum orbiculare (Antracnose)
Pseudoperonospora cubensis (Míldio)

Milho

Dosagem Calda Terrestre
Pythium spp. (Estiolamento)
Rhizoctonia solani (Podridão-radicular)

Pepino

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum orbiculare (Antracnose)
Pseudoperonospora cubensis (Míldio)

Pera

Calda Terrestre Dosagem
Cladosporium carpophilum (Sarna do pessegueiro)
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Elsinoë piri (Antracnose maculata)
Monilinia fructicola (Podridão parda)
Venturia inaequalis (Sarna da maçã)

Pêssego

Dosagem Calda Terrestre
Cladosporium carpophilum (Sarna do pessegueiro)
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Monilinia fructicola (Podridão parda)
Taphrina deformans (Crespeira)

Tomate

Dosagem Calda Terrestre
Phytophthora infestans (Requeima)
Septoria lycopersici (Septoriose)

Trigo

Dosagem Calda Terrestre
Bipolaris sorokiniana (Mancha marrom)
Fusarium graminearum (Fusariose)
Tilletia caries (Cárie)
Tilletia laevis (Cárie)

Uva

Dosagem Calda Terrestre
Botrytis cinerea (Mofo cinzento)
Plasmopara viticola (Míldio)

Caixa de papelão com 10 sacos plásticos de 1,0 kg cada. Saco plástico, aluminizado ou de papel com peso líquido de 0,1; 0,25; 0,5; 1; 1,5; 2,5; 5; 10 kg (as embalagens de peso líquido 0,1 e 5 kg poderão conter saquinhos hidrossolúveis). Tambor metálico ou plástico de 10, 15, 20, 25, 50, 100 e 200 kg. Contêiner metálico ou em estrutura de maderite naval com bolha de polietileno com peso líquido de 100, 200, 500 e 1000kg. Big-bag com volume de 1,3 m³, em tecido com proteção impermeável com peso líquido de 100, 200, 500, 1000, 1100, 1200 e/ou 1300 kg.

INSTRUÇÕES DE USO

Orthocide 500 é um fungicida indicado para aplicação foliar no controle de doenças fúngicas nas culturas do abacaxi, alho, batata, citros, maçã, melancia, melão, pepino, pêra, pêssego, tomate e uva e para o tratamento de sementes das culturas do algodão, milho e trigo.

Modo de aplicação

Deve-se utilizar pulverizador costal ou de barra, com deslocamento montado, de arrasto ou autopropelido. Utilizar bicos ou pontas que produzam jato leque simples ou cônico vazio, visando à produção de gotas finas a médias para boa cobertura do alvo. Seguir a pressão de trabalho adequada para a produção do tamanho de gota ideal e o volume de aplicação desejado, conforme recomendações do fabricante da ponta ou do bico. A faixa recomendada de pressão da calda nos bicos é de 2 a 4,7 bar. Usar velocidade de aplicação que possibilite boa uniformidade de deposição das gotas com rendimento operacional. Para diferentes velocidades, utilize pontas de diferentes vazões para não haver variação brusca na pressão de trabalho, o que afeta diretamente o tamanho das gotas. A altura da barra e o espaçamento entre bicos deve permitir uma boa sobreposição dos jatos e cobertura uniforme na planta (caule, folhas e frutos), conforme recomendação do fabricante. Utilize tecnologia(s) e técnica(s) de aplicação que garantam a qualidade da pulverização com baixa deriva. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.
Pulverização específica para Citros, Maçã, Pera, Pêssego e Uva: Deve-se utilizar pulverizador montado ou de arrasto com assistência de ar, ou por meio de pistola acoplada. Utilizar pontas que produzam jato cônico vazio, ou demais tecnologias de bicos que possibilitem a produção de gotas finas para boa cobertura do alvo. Seguir a pressão de trabalho adequada para a produção do tamanho de gota ideal e o volume de aplicação desejado, conforme recomendações do fabricante da ponta ou do bico. Usar velocidade de aplicação que possibilite boa uniformidade de deposição das gotas com rendimento operacional. Para diferentes velocidades com o pulverizador, utilize pontas de diferentes vazões para não haver variação brusca na pressão de trabalho, o que afeta diretamente o tamanho das gotas e pode gerar deriva. Ajustes no volume de ar produzido pela turbina podem ser necessários, dependendo do pulverizador, bem como no direcionamento do ar restrito ao formato da planta para que as gotas se depositem adequadamente no alvo, evitando problemas com deriva. A distância dos bicos até o alvo e o espaçamento entre os mesmos deve permitir uma boa sobreposição dos jatos e cobertura uniforme na planta (caule, folhas e frutos), conforme recomendação do fabricante. Utilize tecnologia(s) e técnica(s) de aplicação que garantam a qualidade da pulverização com baixa deriva. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.

Preparo da calda

Antes de iniciar o preparo, garantir que o tanque, mangueiras, filtros e pontas do pulverizador estejam devidamente limpos. Recomenda-se utilizar pontas ou bicos que possibilitem trabalhar com filtros de malha de 50 mesh, no máximo, evitando-se filtros mais restritivos no pulverizador. Não havendo necessidade de ajustes em pH e dureza da água utilizada, deve-se encher o tanque do pulverizador até um terço de seu nível. Posteriormente, deve-se iniciar a agitação e adicionar gradativamente a quantidade necessária do produto. Deve-se fazer a adição do produto em água de forma cuidadosa, de modo que, a cada dois segundos, 1 kg do produto, no máximo, seja despejado no tanque ou no pré-misturador, evitando que todo o conteúdo da embalagem seja adicionado de forma muito rápida e inadequada. Feito isso, deve-se completar o volume do tanque do pulverizador com água, quando faltar 3-5 minutos para o início da pulverização. A prática da pré-diluição é recomendada, respeitando-se uma proporção mínima de 3 litros de água por quilograma de produto a ser adicionado no pré-misturador. A agitação no tanque do pulverizador deverá ser constante da preparação da calda até o término da aplicação, sem interrupção. Lembre-se de verificar o bom funcionamento do agitador de calda dentro do tanque do pulverizador, seja ele por hélices, bico hidráulico ou por retorno da bomba centrífuga. Nunca deixe calda parada dentro do tanque, mesmo que por minutos. Havendo a necessidade de uso de algum adjuvante, checar sempre a compatibilidade da calda, confeccionando-a nas mesmas proporções, em recipientes menores e transparentes, com a finalidade de observar se há homogeneidade da calda, sem haver formação de fases. Ao final da atividade, deve-se proceder com a limpeza do pulverizador. Utilize produtos de sua preferência para a correta limpeza do tanque, filtros, bicos, ramais e finais de seção de barra.

Condições climáticas

Realizar as pulverizações quando as condições climáticas forem desfavoráveis à ocorrência de deriva, conforme abaixo:
• Temperatura do ambiente: máxima de 30ºC.
• Umidade relativa do ar: igual ou superior a 55%.
• Velocidade do vento: de 2 a 10 km/h.

Limpeza do pulverizador:

Pulverizadores de barra:

1- Preencha todo o tanque com água limpa, ligue a agitação, adicione o produto limpante, agite por 20 minutos, e pulverize o conteúdo do tanque pelos bicos em local apropriado de coleta de água contaminada;
2- Remova e limpe todas as pontas da barra e suas peneiras separadamente;
3- Preencha todo o tanque com água limpa, ligue a agitação e pulverize o conteúdo do tanque pelos bocais abertos (sem os bicos) em local apropriado de coleta de água contaminada;
4- Limpe os filtros de sucção e de linha, recoloque os filtros de sucção, de linha e de bicos e recoloque todas as pontas. Neste momento, é importante escorvar o filtro de sucção com água para não entrar ar na bomba ao ser ligada novamente;
5- Preencha todo o tanque com água limpa, ligue a agitação e pulverize o conteúdo do tanque pelos bicos em local apropriado de coleta de água contaminada.

Observação: Nas etapas acima, ao perceber, pelo nível do tanque que o mesmo está quase vazio, desligue a bomba para que a mesma nunca trabalhe vazia. Se a bomba trabalhar a seco, mesmo que por segundos, esta poderá sofrer danos ou ter sua vida útil reduzida.

Pulverizadores de arbóreas (turbo atomizadores):

1- Preencher com água limpa até 1/4 do tanque, ligar a agitação e a bomba usando 540 rpm na Tomada de Potência do trator, adicionar produto limpante, manter por 5 minutos a agitação, e pulverizar o conteúdo do tanque pelos bicos em local apropriado de coleta de água contaminada, com a turbina do pulverizador desligada;
2- Remova e limpe todas as pontas do pulverizador e suas peneiras, caso sejam utilizadas;
3- Preencher com água limpa até 1/4 do tanque, ligar a agitação e a bomba usando 540 rpm na Tomada de Potência do trator e pulverizar o conteúdo do tanque pelos ramais abertos (sem os bicos) em local apropriado de coleta de água contaminada, com a turbina do pulverizador desligada;
4- Limpe os filtros de sucção e de linha, recoloque os filtros de sucção, de linha e de bicos e recoloque todas as pontas. Neste momento, é importante escorvar o filtro de sucção com água para não entrar ar na bomba ao ser ligada novamente;
5- Preencher com água limpa até 1/4 do tanque, ligar a agitação e a bomba usando 540 rpm na Tomada de Potência do trator e pulverizar o conteúdo do tanque pelos bicos em local apropriado de coleta de água contaminada, com a turbina do pulverizador desligada;

Observação: Nas etapas acima, ao perceber, pelo nível do tanque que o mesmo está quase vazio, desligue a bomba para que a mesma nunca trabalhe vazia. Se a bomba trabalhar a seco, mesmo que por segundos, esta poderá sofrer danos ou ter sua vida útil reduzida.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Abacaxi, Melão, Melancia, Pepino, Tomate, Maçã, Pêra, Pêssego e Uva: 01 dia
Alho, Cebola e Citros: 07 dias
Batata: 14 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da completa secagem da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período utilize os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

O uso do produto está restrito aos indicados na bula.
O produto não é fitotóxico para as culturas indicadas nas doses e condições recomendadas.

TRATAMENTO DE SEMENTES

MODO DE APLICAÇÃO

As sementes devem ser tratadas a seco ou previamente umedecidas, misturando-se o produto nas dosagens recomendadas em tambor rotativo. Com as sementes ainda no equipamento, adicionar o corante e repetir o procedimento até que as mesmas estejam completamente cobertas.
Em equipamentos mecânicos, tipo rosca sem fim ou máquinas específicas com fluxo contínuo de sementes, observar os critérios específicos de calibragem das respectivas máquinas a fim de proporcionar uma boa cobertura das sementes nas doses recomendadas.
Nota: As sementes tratadas por via úmida não poderão ser guardadas se não estiverem completamente secas, em local bem ventilado, a fim de evitar fermentação.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Intervalo de segurança não determinado por ser de uso em tratamento de sementes.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não determinado devido à modalidade de emprego.

LIMITAÇÕES DE USO

ATENÇÃO: As sementes tratadas devem ser usadas exclusivamente para o plantio.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.

Seguir as recomendações atualizadas de manejo de resistência do FRAC – BR (Comitê de
Ação a Resistência a Fungicidas - Brasil). Qualquer agente de controle de doenças pode
ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê
Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC - BR) recomenda as seguintes
estratégias de Manejo de Resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos.
- Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula.
- Sempre consultar um profissional legalmente habilitado para orientação sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência.