Bula Patrol SL

acessos
Glufosinato de amônio
19016
Adama

Composição

Glufosinato de amônio 200 g/L Aminoácidos

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Não sistêmico, Seletivo condicional
Alface Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Erva de bicho
(Polygonum aviculare)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Esparguta
(Stellaria media)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Roseta
(Soliva anthemifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Serralha
(Sonchus oleraceus)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim massambará
(Sorghum halepense)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Única aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru rasteiro
(Amaranthus deflexus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Erva formigueira branca
(Chenopodium album)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 28 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Algodão - Geneticamente Modificado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Apaga fogo
(Alternanthera tenella)
2 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar com intervalo de 14 dias. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Beldroega
(Portulaca oleracea)
3 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
2 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar com intervalo de 14 dias. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
2 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar com intervalo de 14 dias. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
2 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar com intervalo de 14 dias. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
3 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 a 3,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar com intervalo de 14 dias. 116 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Banana Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim milhã
(Paspalum conspersum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Crepis
(Crepis japonica)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Erva branca
(Gnaphalium spicatum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Erva cará
(Dioscorea batatas)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Quebra pedra
(Phyllanthus tenellus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Sete sangrias
(Cuphea carthagenensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 500 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Beldroega
(Portulaca oleracea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Carrapicho rasteiro
(Acanthospermum australe)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Poaia do campo
(Spermacoce alata)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura e quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Batata Dessecação Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Batata
(Solanum tuberosum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 10 dias. Aplicar sobre as ramas da cultura, 10 dias antes da colheita
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Buva
(Conyza bonariensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Erva branca
(Gnaphalium spicatum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Guanxuma branca
(Sida glaziovii)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 20 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Falsa serralha
(Emilia sonchifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Malva branca
(Sida cordifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Maria gorda
(Talinum paniculatum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 40 dias. Quando as plantas infestantes de folha larga com 4 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho
Eucalipto Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Arranha gato
(Acacia plumosa)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Buva
(Conyza bonariensis)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Cambará
(Lantana camara)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Capim colonião
(Panicum maximum)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Capim gordura
(Melinis minutiflora)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Falsa serralha
(Emilia sonchifolia)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Gervão
(Stachytarpheta cayennensis)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Jurubeba
(Solanum paniculatum)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Poaia
(Spermacoce verticillata)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Poaia do campo
(Spermacoce alata)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Samambaia
(Pteridium aquilinum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Serralha
(Sonchus oleraceus)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Unha de vaca
(Bauhinia variegata)
4 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Pós emergência das plantas infestantes
Feijão dessecação para semente Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Feijão
(Phaseolus vulgaris)
1,8 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 5 dias. Quando a cultura apresentar aproximadamente de 50 a 70% das vagens secas
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Azedinha
(Oxalis oxyptera)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Azevém
(Lolium multiflorum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Beldroega
(Portulaca oleracea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Língua de vaca
(Rumex obtusifolius)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Losna branca
(Parthenium hysterophorus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Maria Mole
(Senecio brasiliensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Serralha
(Sonchus oleraceus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Carrapicho rasteiro
(Acanthospermum australe)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Malva branca
(Sida cordifolia)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. Não determiando. Pós-emergência das plantas infestantes
Milho - Geneticamente Modificado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar duas aplicações, sendo a segunda, quando o milho estiver com 5 a 6 folhas. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar duas aplicações, sendo a segunda, quando o milho estiver com 5 a 6 folhas. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar duas aplicações, sendo a segunda, quando o milho estiver com 5 a 6 folhas. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar duas aplicações, sendo a segunda, quando o milho estiver com 5 a 6 folhas. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Corda de viola
(Ipomoea purpurea)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar duas aplicações, sendo a segunda, quando o milho estiver com 5 a 6 folhas. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Nectarina Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Pêssego Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Repolho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Erva de bicho
(Polygonum persicaria)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Esparguta
(Stellaria media)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Mentruz
(Coronopus didymus)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Serralha
(Sonchus oleraceus)
1,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Pós-emergência das plantas infestantes
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Azevém
(Lolium multiflorum)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Beldroega
(Portulaca oleracea)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Buva
(Conyza bonariensis)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Centeio
(Secale cereale)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Cevada
(Hordeum vulgare)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
2,5 a 3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
2,5 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Trigo
(Triticum aestivum)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Triticale
(Triticum secale)
3 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 10 dias. Em fase de pré -semeadura e pós-emergência das plantas infestantes
Soja Dessecação Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Soja
(Glycine max)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 10 dias. Pré-semeadura,pós-emergência das plantas infestantes, em área total
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Arroz vermelho
(Oryza sativa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Buva
(Conyza bonariensis)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1,5 a 2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Malva branca
(Sida cordifolia)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Poaia do campo
(Spermacoce alata)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Soja
(Glycine max)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Não determinado. Dessecação pré-plantio.Aplicar em pré-semeadura da cultura
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Em pós-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Em pós-emergência das plantas infestantes
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Em pós-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
2 L/Ha + 0,25% v/v surfactante 350 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 7 dias. Em pós-emergência das plantas infestantes

Conteúdo: 0,20; 0,25; 0,40; 0,50; 0,80; 1; 1,5; 2; 2,2; 2,5; 3; 5; 10; 15; 20; 25; 30; 40; 50; 100; 150; 200; 250; 300; 400; 500; 600; 700; 800; 900; 1000; 2000; 5000; 10000 L.

INSTRUCOES DE USO E CULTURAS:
O PATROL SL é um herbicida de ação não sistêmica, pré-emergente, seletivo condicional (seletivo para algodão e milho geneticamente modificados, tolerantes ao glufosinato de amônio, e não seletivo para as demais variedades e híbridos de algodão e milho convencionais) indicado para o controle de plantas infestantes nas seguintes situações:
• Aplicação em área total em pré-plantio (dessecação) das culturas de: soja e trigo.
• Aplicação em pós-emergência (da planta infestante e cultura) na forma de jato dirigido para as culturas de: alface, algodão, banana, café, citros, eucalipto, maga, milho, nectarina, pêssego, repolho e uva.
• Aplicação em área total para dessecação da cultura em pré-colheita de batata, feipo e soja.
• Aplicação cm pós-emergência em área total nas culturas de algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado.
• Aplicado em pós-plantio e pré-emergência da cultura da batata na fase de "crackingtiming" (rachamento do solo antes da emergência da cultura).

Número, EPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
ALFACE:
Aplicar em pOs-emergencia das plantas infestantes, protegendo a planta de alface com copinhos plásticos (sistema de copinhos), quando as plantas infestantes estiverem com 2 a 4 folhas. Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.
ALGODAO:
Para controle das plantas infestantes, aplicar na entrelinha da cultura, quando esta estiver com 40 cm de altura.
Para capim-pe-de-galinha, capim-colchão, capim-marmelada, capim-massambara realizar a aplicação no inicio de perfilhamento.
Para carrapicho-de-carneiro, trapoeraba, caruru, amendoim-bravo, caruru-rasteiro, picao-preto e fedegosa, realizar a aplicação quando as plantas infestantes estiverem com 2 a 4 folhas. Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.
ALGODAO GENETICAMENTE MODIFICADO:
PARA UMA UNICA APLICAÇÃO:
Realizar a aplicação do produto em pós-emergencia da cultura, utilizando a dose de 3,0 a 3,5 L/ha. Aplicar o produto com adição de 0,25% de Óleo vegetal ou mineral na calda de aplicação. Observar sempre o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:
Estádio de 2 a 4 perfilhos
Plantas infestantes controladas:
• Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea)
• Capirn-carrapicho (Cenchrus echinatus)
Estádio de 4 a 8 folhas
Plantas infestantes controladas:
• Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia)
• Carrapicho-de-carneiro (Acanthospennum hispidurn)
• Apaga-fogo (Alternanthera tenella)
• Erva-quente (Spermacoce latifolia)
• Beldroega (Portulaca oleracea)

• APLICAÇÃO SEQUENCIAL:
Fazer a aplicação seqüencial do produto em pós-emergência da cultura, utilizando a dose de 2,0 a 2,5 L/ha, com intervalo de 14 dias. Aplicar o produto com adição de 0,25% de óleo vegetal ou mineral na calda de aplicação. Observar sempre o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:
Estádio de até 2 perfilhos:
Plantas infestantes controladas:
• Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea)
• Capim-carrapicho (Cenchrus echinatus)
Estádio de 2 a 4 folhas:
Plantas infestantes controladas:
• Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia)
• Carrapicho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum)
• Apaga-fogo (Alternanthera tenella)
BANANA:
Aplicar em jato dirigido ou na linha de plantio quando as plantas infestantes de folha larga estiverem com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho.
Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.
BATATA:
Para controle das plantas infestastes: realizar a aplicação na fase de "crackingtiming" (compreende a fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura), realizar a aplicação quando as plantas infestantes estiverem com 4 folhas e as gramíneas até 1 perfilho.
Para dessecação de "batata consumo": Aplicar 2,0 L/ha do produto comercial + 0,7 L/ha (0,2% v/v) dc óleo vegetal ou mineral, sobre as ramas da cultura, 10 dias antes da colheita. Trapoeraba (Commelina benghalensis), picão-preto (Bidens pilosa) e guanxuma-branca (Sido glaziovii) com 10 a 20 cm de altura, também são dessecadas pelo produto, caso ocorram na área.
Recomenda-se urna única aplicação por ciclo da cultura.
CAFÉ:
Aplicar em cafeeiros adultos, em jato dirigido na linha da cultura, tio período de novembro a abril. Em trapoeraba, picão-preto, buva, macela-branca, mentrasto, caruru, beldroega, guanxuma e guanxuma-branca, aplicar quando estas estiverem com até 4 folhas.
Em capim-marmelada e capins-colchão, aplicar até a fase de inicio do perfilhamento. Recomenda-se urna única aplicação por ciclo da cultura.
CITROS:
Pode ser aplicado no sistema de coroamento e na linha de plantio (jato dirigido) sem atingir a cultura. As plantas infestantes devem estar em crescimento ativo.
Em capim-marmelada e capim-colchao, aplicar quando a planta infestante estiver com ate 2 perfilhos. Em capim-pe-de-galinha, capim-amargoso c capim-carrapicho, aplicar quando a planta infestante estiver com ate 1 perfilho.
Em maria-gorda, guanxuma, falsa-serralha, malva-branca, carrapicho-de-carneiro, picifo-preto, amendoim-bravo e trapoeraba, aplicar quando a planta infestante estiver com ate 4 folhas. Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.
EUCALIPTO:
Aplicar em jato dirigido, nas entrelinhas da cultura, em pós-emergência das plantas infestantes, quando estas estiverem em vegetação plena. Na dose recomendada, fazer o controle das plantas infestantes de folha estreita quando estiverem com ate 4 perfilhos, e em folhas largas com ate 8 folhas.
FEIJAO:
Para dessecação em feijão para consumo: Aplicar a dose de 1,8 L/ha quando a cultura apresentar aproximadamente 50% das vagens secas.
Para dessecação em feijão para sementes: Aplicar a dose de 2,0 L/ha, somente quando a cultura apresentar 70% das vagens secas.
Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.
MAÇA:
Dirigir a aplicação na linha da cultura adulta, sem atingi-la.
Aplicar em poaia, trevo, guanxuma, maria-mole, nabo, serralha, losna-branca, beldroega, picao¬branco, picao-preto e língua-de-vaca quando as plantas infestantes estiverem de 5 a 10 cm. Em capim-colchão, azevem e capim-marmelada, aplicar com ate 1 perfilho.
Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.
MILHO:
Aplicar em jato dirigido nas entrelinhas da cultura.
Aplicar no inicio do perfilhamento do capim-colchao e capim-marmelada. Para as demais plantas infestantes, aplicar quando estas apresentarem de 4 a 8 folhas. Utilizar a major dose quando houver major incidência de gramíneas.
Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.
MILHO GENET1CAMENTE MODIFICADO: PARA UMA ÚNICA APLICACAO:
Realizar a aplicação do produto em pós-emergencia da cultura, utilizando a dose de 2,5 a 3,0 L/ha. Observar sempre o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:
Estádio mediano das plantas infestantes - 3 perfilhos
• Plantas infestantes controladas:
• Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica)
• Capim-marmelada (Brachiaria planiaginca)
Estádio mediano das plantas infestantes - 6 folhas:
Plantas infestantes controladas:
• Leiteiro (Euphorbia heterophylla)
• Corda-de-viola (Ipomoea purpurea)
• Caruru (Aniaranthus hybridus)
APLICAÇÃO SEQUENCIAL:
Fazer a aplicação sequencial do produto em pós-emergência cia cultura, utilizando a dose de 1,5 + 1,5 L/ha. Realizar a primeira aplicação quando o milho estiver com 3 a 4 folhas. A segunda aplicação deve ser realizada quando o milho estiver com 5 a 6 folhas. Observar o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:
Estádio pós-precoce das plantas infestantes - 2 folhas:
Plantas infestantes controladas:
• Leiteiro (Euphorbia heterophylla)
• Corda-de-viola (Ipomoea purpurea)
• Caruru (Amaranthus hybridars)
Estádio pós-precoce das plantas infestantes - 3 folhas: Plantas infestantes controladas:
• Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica)
• Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea)
NECTARINA / PÊSSEGO
Aplicar em jato dirigido sem atingir a cultura.
Realizar o controle do picão-preto, guanxuma, caruru e picão-branco quando as plantas infestantes estiverem com até 4 folhas. Para capim-colchão e capim-marmelada, fazer a aplicação do produto quando as plantas infestantes estiverem com até 1 perfilho.
Recomenda-se unia única aplicação por ciclo da cultura.
REPOLHO:
Realizar a aplicação quando as plantas infestantes apresentarem de 2 a 4 folhas, em jato dirigido, sem atingir a cultura. Proteger a planta de repolho com copinhos plásticos (sistema de copinhos). Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.
SOJA:
Para aplicação no sistema de Plantio Direto (dessecação pré-plantio:
Aplicar na fase de pré-semeadura, em pós-emergencia das plantas infestantes, em área total.
Para o controle de capim-colchao e eapim-marmelada, realizar o controle quando as plantas infestantes estiverem com ate 2 perfilhos.
Para o controle de amendoim-bravo, nabo, picao-preto, poaia, caruru c beldroega, realizar a aplicação do produto quando as plantas infestantes estiverem com ate 6 folhas. Para o controle de trapoeraba, realizar o realizar o controle quando a planta infestante estiver com 2 a 4 folhas. No controle de trigo, aveia, cevada, centeio, triticale e azevem, realizar o controle quando as plantas infestantes estiverem com ate 2 perfilhos.
Para dessecação da cultura em pre-colheita:
Utilizar a dose de 2,0 L/ha do produto + 0,7 Ulla (0,2% v/v) de Óleo vegetal ou mineral, aplicado sobre a cultura, 10 dias antes da colheita.
Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.
TRIGO:
Para aplicação no sistema de Plantio Direto (dessecação pré-plantio):
Aplicar em pre-semeadura da cultura, em pós-emergência das plantas infestantes, em area total. A cultura deve ser semeada 7 dias apos a aplicação do produto.
Para o caruru, guanxuma, picao-preto, erva-quente e soja, aplicar o produto quando as plantas infestantes estiverem com ate 4 folhas. No controle das gramineas, aplicar o produto sobre as plantas infestantes oriundas de sementes na dose de 2,0 L/ha, ate o estádio de desenvolvimento de 1 perfilho.
Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.
UVA:
Aplicar em jato dirigido na linha da cultura, evitando atingir o caule da planta.
No controle de picao-preto, picao-branco e caruru, aplicar o produto quando as plantas infestantes estiverem com ate 4 folhas. Para o controle de capim-marmelada, aplicar o produto quando a planta infestante estiver com ate I perfilho.
Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.
MODO DE APLICACAO:
A aplicação do herbicida PATROL SL poderá ser efetuada através de pulverização terrestre ou aérea.
APLICACAO TERRESTRE:
Utilizar pulverizadores costais manuais, costais pressurizados ou pulverizadores tratorizados com pontas de pulverização (bicos) do tipo leque, que proporcionem uma vazão adequada para se obter urna boa cobertura das plantas. Procurar utilizar equipamentos e pressão de trabalho que proporcionem tamanhos de gotas que apresentem pouca deriva:
Bicos: série 80 ou 110, que promovem gotas medias a muito grossa. Utilizar bicos XR,TT, DC, AI conforme orientação do fabricante para manejo de deriva.
- Pressão de trabalho: 40-60 lbf/pol²
- Diâmetro de gotas: 250 a 500 .t (micra) VN4D;
- Densidade de gotas: 40 gotas/c1T12
- Volume de calda:
• Alface, algodão, batata, citros, eucalipto, feijão, maçã, milho, nectarina, pêssego, repolho, soja e uva: 3 50 L/ha;
• Algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado: 200 a 300 L/ha; • Banana: 500 L/ha
Para a cultura do café, considerar o volume de calda de 450 L/ha, quando for realizar o controle de guanxuma, capim-marmelada e capim-colchão. Para as demais plantas infestantes utilizar o volume de calda de 350 L/ha.
Para a cultura do trigo, considerar o volume de calda de 200 L/ha, quando for realizar o controle de buva e capim-amargoso. Para as demais plantas infestantes utilizar o volume de calda de 350 L/ha.
- As pulverizações devem cobrir uniformemente as plantas infestantes, evitando escorrimentos, que causam perda e mau funcionamento do produto.
- Deve-se sempre utilizar água limpa.
- Para as hortaliças (alface e repolho) quando utilizar o "sistema de copinhos", cobrir as mudinhas com copinho plástico, para protegê-la da ação herbicida do produto_
APLICAÇÃO AÉREA:
PATROL SI, pode ser aplicado via aérea no caso de aplicação em área total em pré-plantio (dessecação) das culturas de soja e trigo, em pós-emergência do algodão geneticamente modificado e do milho geneticamente modificado e em dessecação das culturas em pré-colheita da batata, feijão e soja, seguindo os seguintes parâmetros:
• Aplicação com aeronave de asa fixa, modelos Ipanema, Airtractor ou outro desde que adequado para esta finalidade;
• Bicos D-20, core 46 ou semelhante, produzindo no mínimo 20 gotas/cm2, com D1v1V entre r ' 250 e 450 g, sendo a largura da faixa de deposição de 15 a 20 m e pressão de 15 a 30 psi, evitando escorrimento na folha;
• Não utilizar bicos rotativos tipo micronair em aplicações aéreas;
• Volume de aplicação de 30 a 40 I_,/ha;
• Respeitar altura de vôo de 3-4 metros.
ATENÇÃO: A aplicação aérea somente deve ser realizada quando não existe o risco de ocorrer contato da pulverização com culturas sensíveis ao PATROL SL. Portanto a indicação desta modalidade de aplicação deve ser previamente avaliada pelo Engenheiro Agrônomo ou Técnico responsável.
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:
Devem-se observar as condições climáticas ideais para a aplicação via terrestre e aérea do produto, tais como:
- Temperatura ambiente até 30°C;
- Umidade relativa do ar no mínimo de 55%;
- Velocidade do vento entre 3 e 10 km/h;
Para outros parâmetros referentes a tecnologia de aplicação, seguir as recomendações técnicas indicadas pela pesquisa e/ou assistência técnica da região, sempre sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.
INTERVALO DE SEGURANCA: Alface, maçã, nectarina, pêssego, repolho e uva ............................ 7 dias
Algodão.............................28 dias
Algodão Geneticamente Modificado.............................116 dias
Banana, batata e soja.............................10 dias
Café.............................20 dias
Citros .............................40 dias
Eucalipto .............................UNA
Feijao .............................5 dias
Milho Geneticamente Modificado.............................50 dias
Milho e trigo .............................(1)

(1) Intervalo de segurança não determinado, devido a modalidade de emprego. UNA — Uso no alimentar.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E AREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo Órgão responsável pela Saúde Humana — ANVISA/MS).
LIMITACOES DE USO
PATROL SL é um herbicida seletivo condicional, de ação não sistêmica, devendo ser utilizado somente nas culturas para as quais está registrado, observando atentamente as instruções de uso do produto.
Chuvas ou irrigação por aspersão no período de 6 horas apos a aplicação do produto, pode reduzir o seu efeito herbicida.
Quando o produto for utilizado nas doses recomendadas, não causara danos a variedade indicada.
Algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado:
- O produto não promove efeitos negativos quando utilizado dentro das instruções de uso.
- A recomendação de uso do produto é restrita para algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado expressando a proteína PAT, não sendo recomendado o uso do produto neste modalidade sobre cultivares convencionais.
- O produto não deve ser aplicado em plantas infestantes ou culturas que estejam sob "stress", ou quando o solo apresentar-se com deficiência hídrica. Os melhores resultados são (+tidos quando as plantas infestantes se apresentam em condições favoráveis de desenvolvimento.
- O produto não deve ser utilizado em cultivares geneticamente modificadas que não sejam identificadas corno tolerantes ao glufosinato-sal de amônio, especialmente na embalagem de suas sementes.
- Evitar aplicações quando as plantas infestantes estiverem excessivamente molhadas.
Outras restrições:
- Evitar deriva de pulverização e de resíduos do produto sobre lavouras de algodão e milho não identificadas como tolerantes ao glufosinato-sal de amônio, pois podem ocorrer injúrias.
- Certifique-se de usar sementes de boa procedência e identificadas como geneticamente modificadas.
- Restos ou plantas "tiguera" de algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado não serão controlados por este herbicida, da mesma forma que não serão controladas por herbicidas seletivos convencionais.

PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.
Não utilize equipamento com vazamento.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.
Não transporte este produto juntamente com alimentos, medicamentos, bebidas, rações, animais e pessoas.
Não utilize equipamentos de proteção (EPI's) danificados.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA (MANUSEIO DO PRODUTO):
Use protetor ocular:
Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
Use máscaras cobrindo o nariz e a boca: Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
Use luvas de borracha: Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos: Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES DURANTE O USO (APLICAÇÃO DO PRODUTO):
Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação.
O produto produz neblina, use máscara cobrindo o nariz e a boca.
Não aplique o produto contra o vento.
Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas, óculos ou viseira facial, botas e avental impermeável.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
Não reutilize a embalagem vazia.
Mantenha o restante do produto em sua embalagem original, adequadamente fechada, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Tome banho, troque e lave suas roupas contaminadas separadas das demais roupas do restante da família ou de uso diário.

PRIMEIROS SOCORROS: INGESTÃO:
Não provoque vômito e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
OLHOS: Lave com água em abundância e procure o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
PELE: Lave com água e sabão em abundância e procure o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
INALAÇÃO: Procure lugar arejado e vá ao médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.

A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.


Mecanismo de Ação, Absorção e Excreção para Animais de Laborat6rio:
Efeitos Agudos e Crônicos para Animais de Laboratório:
Nenhum efeito tóxico, infectivo ou patogênico foi observado nos estudos Toxicidade/patogenicidade agudos em roedores.
Efeitos agudos (resultados com animais de laboratório para o ingrediente ativo):
DL50 oral: Não se aplica. Produto a base de bactéria.
DL50 dérmica: > 4000 mg/kg
Patogenicidade/toxicidade: os resultados de estudos de Toxicidade/Patogenicidade oral aguda, Toxicidade/Patogenicidade pulmonar aguda, Toxicidade/patogenicidade intravenosa aguda não apresentaram infectividade ou patogenicidade.
Irritação dérmica: o produto foi considerado como não irritante.
Irritação ocular: o produto foi considerado como irritante aos olhos dos animais testados, reversível em ate 72h.
Sensibilização cutânea: não sensibilizante para a pele.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

- Este produto é:
- PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III).
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d' água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:

- Isole e sinalize a área contaminada.
- Utilize equipamento de proteção individual -EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:

. Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, contate o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

. Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.

. Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

-Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL

LAVAGEM DA EMBALAGEM
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's -Equipamentos de Proteção Individual -recomendados para o preparo da calda do produto.

• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:

- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até ¼ do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

• Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos:

- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:

- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.

O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.

O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.


EMBALAGEM RÍGIDA NÃO LAVÁVEL (EMBALAGENS DE GRANDE VOLUME RETORNÁVEIS)

ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

Use luvas no manuseio dessa embalagem.

Essa embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.

O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.



TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.


EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)

ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS.
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tomar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.



RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL:

De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes.
Como prática de manejo e resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultuai. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.