Bula Unix 750 WG

acessos
Cyprodinil
8999
Syngenta

Composição

Ciprodinil 750 g/kg Anilinopirimidina

Classificação

Fungicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Sistêmico

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
700 g p.c./ha 200 L de calda/ha 20 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar a cada 7 dias, totalizando no máximo 4 aplicações/safra. 25 dias. Iniciar as aplicações de forma totalmente preventiva, no início do florescimento
Alstroemeria Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Pinta preta
(Alternaria spp)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
250 g p.c./ha 500 L de calda/ha - Reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra. 7 dias. Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas
Cebola Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha púrpura
(Alternaria porri)
375 g.p.c./ha 600 L de calda/ha - Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas. 7 dias. Reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra
Cravina Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Cravo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Crisântemo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Pinta preta
(Alternaria spp)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
1000 a 1400 g p.c./ha 400 L de calda/ha 20 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar a cada 7 dias, totalizando no máximo 2 aplicações/safra. 7 dias. Iniciar as aplicações de forma totalmente preventiva, no início do florescimento
Gérbera Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Pinta preta
(Alternaria spp)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Girassol Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
1400 g p.c./ha 200 L de calda/ha 20 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar a cada 7 dias, totalizando no máximo 2 aplicações/safra. 21 dias. Iniciar as aplicações de forma totalmente preventiva, no início do florescimento
Gladíolo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Lírio Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia spp.)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Lisianthus Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sarna da maçã
(Venturia inaequalis)
20 g p.c./100 L de água 800 a 2000 L de calda/ha - Reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações. Posteriormente, prosseguir com produtos triazóis e/ou outros fungicidas. 15 dias. Iniciar as aplicações quando a cultura apresentar 50% das gemas com pontas verdes (estágio fenológico “C”) e prosseguir até o final do florescimento
Orquídea Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia spp.)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Rosa Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
25 a 37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo quatro aplicações com intervalo de 7 dias. Uso não alimentar. Fazer inspeções periódicas e aplicar preventivamente quando as condições climáticas favorecerem o aparecimento da doença
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
700 a 1400 g p.c./ha 200 L de calda/ha 20 a 40 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar a cada 7 dias, totalizando no máximo 2 aplicações/safra. 30 dias. Iniciar as aplicações de forma totalmente preventiva, no início do florescimento (R1)
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
37,5 g p.c./100 L de água 600 a 1200 L de calda/ha - Reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra. 7 dias. Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
375 g p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha - Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas. 7 dias. Reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra

Cartucho de papelão, Sacos de papel kraft e/ou plástico, Fibrolata de plástico coextrusado contendo 25- 37,5- 50- 100- 200- 250- 300- 375- 400- 500 gramas; 1 Kg e 5 Kg. Barrica de papelão contendo 2,5 - 3 - 4 - 5 - 10 - 20 e 25 Kg. Saco aluminizado de 1 Kg

INSTRUÇÕES DE USO: UNIX 750 WG é um fungicida de ação sistêmica do grupo químico dos anilinopirimidinas, indicado para o controle de doenças nas culturas conforme as recomendações.

NÚMERO, INÍCIO E ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

BATATA: Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas, reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra.

CEBOLA: Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas, reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra.

MAÇÃ: Iniciar as aplicações quando a cultura apresentar 50% das gemas com pontas verdes (estágio fenológico "C") e prosseguir até o final do florescimento, totalizando 3-4 aplicações. Posteriormente, prosseguir com produtos triazóis e/ou outros fungicidas.

TOMATE ENVARADO: Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas, reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra.

TOMATE RASTEIRO: Aplicar logo ao aparecimento dos primeiros sintomas, reaplicar a cada 7 dias, totalizando 3-4 aplicações/safra.

OBSERVAÇÃO : Fazer no máximo 4 aplicações por safra. Caso haja necessidade de aplicações adicionais para controlar as doenças, utilizar produtos com modo de ação diferente.

MODO DE APLICAÇÃO: A dose recomendada deve ser diluída em água e aplicada na forma de pulverização com qualquer tipo de equipamento terrestre, através de pulverizadores costais (manual, pressurizado ou motorizado), ou tratorizados com barra. Os equipamentos devem ser adaptados com bicos de jato cônico vazio da série "D" ou similar, com pressão variando de 80 a 100 PSI, observando-se uma cobertura total das plantas, ou observando-se o Diâmetro Mediano Volumétrico (DMV) de 200 a 250µm, e densidade acima de 200 gotas/cm².

RECOMENDAM-SE OS SEGUINTES VOLUMES DE CALDA: Batata:média de 500 l/ha. Cebola: média de 600 l/ha. Maçã: de 800 a 2000 l/ha. Tomate Envarado: de 600 a 1200 l/ha. Tomate Rasteiro: de 600 a 1200 l/ha.

OBS: Os volumes acima citados dependem do desenvolvimento da cultura.

INTERVALO DE SEGURANÇA PARA AS CULTURAS INDICADAS (período de tempo que deverá transcorrer entre a última aplicação e a colheita) : Batata, Cebola e Tomate: 7 dias, Maçã: 15 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:( De acordo com recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela saúde humana- ANVISA/MS).

LIMITAÇÕES DE USO:
FITOTOXICIDADE PARA AS CULTURAS INDICADAS: desde que aplicado nas culturas e doses recomendadas, o produto não é fitotóxico.

PRECAUÇÕES GERAIS: Antes de usar, leia com atenção as instruções: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Lave as mãos e o rosto antes de comer, beber ou fumar. Se ocorrer indisposição durante o trabalho, pare imediatamente e aplique os primeiros socorros. Mantenha o produto em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Não utilize equipamentos com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Evite o contato do produto com a pele, olhos ou roupa. Caso isso ocorra, lave com água em abundância, as partes atingidas. Siga o item: Primeiros Socorros. Evite a inalação do pó ou da nuvem de pulverização. Use os seguintes Equipamentos de Proteção Individual (EPI) : macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos de proteção ou viseira facial, luvas impermeáveis e botas.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. Use os seguintes Equipamentos de Proteção Individual : macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas impermeáveis e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Após o trabalho, tome banho. Lave as roupas de trabalho e o equipamento de proteção, antes de usá-los novamente.

PRIMEIROS SOCORROS: Se houver suspeita de intoxicação, pare de trabalhar imediatamente e chame um médico. Em caso de contato com a pele : Remova imediatamente a roupa contaminada, lave bem as áreas afetadas com água e sabão em abundância. Em caso de contato com os olhos : Lave imediatamente os olhos com água fresca e limpa por vários minutos. Se inalado : Remova a vítima para uma área com ar fresco. Em caso de ingestão : Dê repetidamente carvão medicinal em grande quantidade de água. Procure assistência médica se uma quantidade de produto concentrado for ingerido. Nota: Nunca dê nada pela boca a uma pessoa inconsciente e não induza o vômito.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: Os mecanismos de ação, absorção, e excreção para o ser humano são desconhecidos. Não existe nenhum dado validado na literatura internacional a respeito da exposição humana voluntária ou ocupacional, nestes aspectos.Teste realizado com ratos demonstraram que o produto é rapidamente absorvido no trato gastrointestinal. Pelo menos 75% da dose administrada oralmente foi absorvida no trato gastrointestinal passando para a circulação geral e quase que completamente metabolizado. Aproximadamente 48-68% da dose administrada foi excretada com a urina e 29-47% foram encontrados nas fezes. De 92 a 97% da quantidade administrada em teste com ratos foi excretada via fezes e urina em 48 horas.

EFEITOS AGUDOS: DL50 oral aguda em ratos machos e fêmeas > 2.000 mg/kg. DL50 dermal aguda em ratos machos e fêmeas > 2.000 mg/kg. O produto é classificado como não irritante à pele e aos olhos e não sensibilizante da pele, baseados em resultados de testes padrões realizados com animais.

EFEITOS CRÔNICOS: Fludioxonil : Resultados de estudos de longo prazo com animais de laboratório (ratos) não revelaram efeitos crônicos adversos quando administrado na dieta por período de 24 meses, nos níveis de 3 mg/kg de peso corpóreo.

EFEITOS COLATERAIS: SINTOMAS DE INTOXICAÇÃO: Não há relato de nenhum caso de intoxicação humana. Sob condições laboratoriais, foram observados sintomas não específicos em ratos.

ANTÍDOTO: Não há antídoto conhecido.

TRATAMENTO MÉDICO: Aplicar tratamento sintomático.

INTERVALO DE REENTRADA: A reentrada na lavoura, após a aplicação do produto, só deverá ocorrer quando a calda aplicada estiver seca. Caso seja necessária a reentrada na lavoura antes desse período, é necessário utilizar aqueles mesmos equipamentos de proteção individual usados durante a aplicação.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO Á PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II). Este produto é ALTAMENTE TÓXICO a organismos aquáticos. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamento. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d´água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência, com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens disponíveis adequadas, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, evite o espalhamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d´água. Siga as instruções:

Piso pavimentado: Recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. Remova conforme orientações de destinação adequada de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água.

Solo: retire as camadas de terra contaminada, até atingir o solo não contaminado e adote os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada.

Corpos d´água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contacte o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação. Ao usar água, faça covas ao redor do incêndio para evitar a contaminação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser perfuradas de maneira a torná-las inadequadas para outros usos. Observe as legislações Estadual e Municipal específicas. Fica proibido o enterrio de embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

MÉTODO DE DESATIVAÇÃO DO PRODUTO: Incineração em incinerador apropriado, licenciado para tratar resíduos especiais contaminados, que atenda as seguintes condições: temperatura maior que 1.200°C, tempo mínimo de permanência dentro do incinerador de 2 segundos, equipado com uma unidade de limpeza de gases efluentes. As cinzas devem ser dispostas em local apropriado e aprovado para isso. A água de lavagem deve passar por uma estação apropriada de tratamento de água.

Incluir outros métodos de controle de doenças dentro do Programa de Manejo Integrado de Doenças, quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência à Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
· Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
· Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
· Sempre consultar um profissional legalmente habilitado para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.