Bula Recop - Albaugh
CME MILHO (SET/20) US$ 3,176 (-23,47%)
| Dólar (compra) R$ 5,31 (1,85%)

Bula Recop

Oxicloreto de cobre
1308704
Albaugh

Composição

Oxicloreto de cobre 840 g/kg
Equivalente em cobre metálico 500 g/kg

Classificação

Terrestre
Fungicida, Bactericida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato

Abacate

Calda Terrestre Dosagem
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Pseudocercospora purpurea (Cercosporiose)

Amendoim

Calda Terrestre Dosagem
Cercospora arachidicola (Mancha castanha)
Pseudocercospora personata (Mancha preta)
Sphaceloma arachidis (Verrugose)

Batata

Calda Terrestre Dosagem
Alternaria solani (Pinta preta grande)
Phytophthora infestans (Requeima)

Cacau

Calda Terrestre Dosagem
Crinipellis perniciosa (Vassoura de bruxa)
Erythricium salmonicolor (Rubelose)
Phytophthora palmivora (Podridão parda)

Café

Calda Terrestre Dosagem
Cercospora coffeicola (Olho pardo)
Colletotrichum coffeanum (Antracnose)
Hemileia vastatrix (Ferrugem do cafeeiro)

Citros

Calda Terrestre Dosagem
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Corticium salmonicolor (Doença rosada)
Diaporthe citri (Podridão penducular)
Elsinoë australis (Verrugose da laranja doce)
Elsinoë fawcetti (Verrugose)
Phytophthora citrophthora (Podridão parda)
Phytophthora nicotianae var. parasitica (Gomose)

Figo

Calda Terrestre Dosagem
Cerotelium fici (Ferrugem da figueira)
Phytophthora nicotianae var. nicotianae (Podridão do fruto)

Goiaba

Calda Terrestre Dosagem
Puccinia psidii (Ferrugem)

Maçã

Calda Terrestre Dosagem
Neonectria galligena (Cancro europeu)
Venturia inaequalis (Sarna da maçã)

Mamão

Calda Terrestre Dosagem
Asperisporium caricae (Varíola)
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)

Manga

Calda Terrestre Dosagem
Elsinoë mangiferae (Verrugose)

Tomate

Calda Terrestre Dosagem
Alternaria solani (Pinta preta grande)
Clavibacter michiganensis subsp michiganensis (Cancro bacteriano)
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose)
Erwinia carotovora (Podridão mole)
Phytophthora infestans (Requeima)
Stemphylium solani (Mancha de stemphylium)
Xanthomonas vesicatoria (Mancha-bacteriana)

Uva

Calda Terrestre Dosagem
Elsinoë ampelina (Antracnose)
Mycosphaerella personata (Mancha das folhas)

Cartucho de papelão: 1 kg. Saco de papel: 3; 5; 25 e 30 kg. Saco de plástico: 1; 3 e 4 kg. Caixa de papelão com 16 sacos plásticos ou papel de 300 g cada: 4,8 kg.

INSTRUÇÕES DE USO

RECOP é um fungicida bactericida cúprico de contato, para uso preventivo, podendo ser aplicado no aparecimento dos primeiros sintomas das doenças que ocorrem nas culturas, conforme quadro abaixo. Apresentado na forma pó molhável (WP), se destaca por sua rápida umectabilidade e boa suspensibilidade.

MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:

RECOP deve ser utilizado preventivamente, podendo ser aplicado no aparecimento dos primeiros sintomas das doenças, através de pulverização, utilizando-se equipamentos tratorizados de barra ou costais. - Utilizar bicos tipo cone ou equivalente, aplicando um volume de calda conforme recomendada na tabela, observando que esteja ocorrendo uma boa cobertura de pulverização nas plantas. - Observações locais deverão ser efetuadas visando evitar a deriva e a evaporação do produto. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo. - Para preparar a calda, despejar o produto sobre a água, agitando lentamente até a formação de uma calda homogênea, mantendo-a sob constante agitação e utilizando-a no mesmo dia da preparação.

INTERVALO DE SEGURANÇA (período de tempo que deverá transcorrer entre a última aplicação e a colheita): Os níveis máximos de cobre devem obedecer à legislação específica para contaminantes em alimentos “in natura”, quando aplicável. Intervalo de segurança: sem restrições.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO: Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e na bula. Quando este produto for utilizado de acordo com as recomendações da bula, não causará danos as culturas indicadas.

OUTRAS RESTRIÇÕES A SEREM OBSERVADAS: O produto quando diluído em água deverá ser utilizado no mesmo dia. Após as aplicações, lavar interna e externamente os pulverizadores, reservatórios, etc., para evitar problemas de corrosão nos seus componentes à base de ferro e ferro galvanizado.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, inseticidas, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo.
O fungicida RECOP é composto por Oxicloreto de Cobre, que apresenta mecanismo de ação – Atividade de contato multi-sítio, pertencente ao Grupo M01, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas).
Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
- Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo M01 para o controle do mesmo alvo, quando apropriado;
- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados;
- Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula;
- Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
- Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).